A relação do público com a dublagem no Brasil é um caso especial e diferente de que em qualquer outro país, já que, como diria o próprio ator e diretor Nelson Machado: “a dublagem vira clássica junto com o filme”. E isso é a mais pura verdade, tanto que os atores que atuam na dublagem são hoje tratados como verdadeiras celebridades, ao contrário de outros lugares, em que a profissão é apenas tratada como uma espécie de serviço de utilidade, devido a barreira do idioma ou servirem para pessoas que não conseguem ler legendas.

A admiração pelos dubladores brasileiros é tamanha que temos hoje várias wikis de registros, onde vemos a ficha completa dos filmes que foram dublados, como elenco, direção e toda parte técnica. Bem como sites e páginas dedicadas aos mais variados profissionais da área crescem aos montes, com muitos desses artistas indo a programas de TV e concedendo entrevistas que geram ótimos altos números de audiência. Isso sem falar nas redes sociais ou mesmo no YouTube, onde diversos dubladores se tornaram verdadeiras web-celebrity.

Wendel Bezerra

Vale salientar que casos como esses acontecem nos dois maiores polos de dublagem do Brasil, ou seja, tanto em São Paulo quanto no Rio de Janeiro. Figuras expoentes capazes de gerar milhões de views e acessos, a exemplo de Wendel Bezerra, conhecido por dublar os personagens Bob Esponja e Goku, fazendo até, recentemente, a voz do Batman de Robert Pattinson. Wendel possui um canal no YouTube com mais de 2 milhão de inscritos e administra o conceituado estúdio UniDub, na capital paulista.

No Rio, temos o hit pop Guilherme Briggs, a voz de ícones culturais como Superman, Buzz Lightyear e Optimus Prime. Atuando pela Delart, Briggs poderia hoje estampar um poster de qualquer filme em forma de marketing que atrairia público, tamanho é o seu alcance, onde suas redes sociais abrigam centenas de milhares de seguidores. E esses são apenas dois exemplos claros de onde vai a paixão do brasileiro para com a dublagem, e essa admiração se estendendo para vários desses artistas.


Guilherme Briggs

Contudo, imagine então a seguinte situação, em que você coloca um filme para ver e está acostumado a ouvir tal voz característica do seu personagem ou ator favorito, porém, de repente, percebe e escuta uma entonação completamente diferente, chegando ao ponto de causar estranheza… Pois é, tenho certeza que, nesse momento, muita gente não pensa nem duas vezes e desiste de conferir a produção em questão. Quando não, reclama e faz questão de ir às redes sociais falar sobre sua insatisfação. Sim, já tivemos casos de dublagens serem mudadas após divulgarem o trailer e os fãs reclamarem.

Aproveite para assistir:



E é justamente sobre isso que falaremos nessa matéria; lembraremos algumas trocas de dublagem que deram o que falar ou, pelo menos, causaram insatisfação e fizeram com que o público ficasse reclamasse tal mudança. Vale destacar que, em quase todos os casos, a qualidade não é o X da questão, pois os outros profissionais que assumiram a nova tarefa também fizeram um ótimo trabalho ao seu modo. O lance aqui é a troca feita pelas produtoras e a falta de respeito com o fã. Não esquece de citar nos comentários outros casos também; bora pra lista!

Capitão América (Steve Rogers)


Começando com um dos heróis mais famosos e queridos, que ganhou destaque na última década nos cinemas, sendo interpretado original por Chris Evans, o Capitão América. No Brasil, o ator sempre foi vivido por Clécio Souto, que começou dublando Evans ainda como o Tocha Humana no ‘Quarteto Fantástico’, ou em outros filmes, vide ‘Os Perdedores’ e ‘Código de Honra’. E como o Capitão América, Clécio fez ‘Capitão América: O Primeiro Vingador’, ‘Os Vingadores’, ‘Thor: O Mundo Sombrio’, ‘Capitão América 2: O Soldado Invernal’, ‘Vingadores: Era de Ultron’ e ‘Homem-Formiga’.

De repente, após entrar em desacordo sobre valores com a Disney, Clécio Souto foi sumariamente trocado por Duda Espinoza, que manteve o nível e até seguiu o mesmo tom, mas isso foi o suficiente para causar revolta nos fãs de Steve Rogers, que pediram a volta de Souto, mas de nada adiantou.

Os Incríveis (Senhor Incrível)

Outro caso de desacordo entre partes aconteceu em ‘Os Incríveis’, onde o dublador original do Senhor Incrível, Marcio Seixas, casou como uma luva no personagem, já que a voz imponente e impostada – que também é a do Batman na série animada – combinou perfeitamente com o chefe da família de super-heróis da Pixar, porém, devido a uma série de embates envolvendo Seixas e Disney, a Casa do Mickey não pensou duas vezes em, não apenas troca-lo no segundo filme, como redublou o original com o atual dublador de Sylvester Stallone, Luiz Feier Motta. Que fez um excelente trabalho, diga-se de passagem, mas nada que fizesse os fãs esquecerem a voz icônica de Marcio Seixas.


Superman (Clark Kent)

Falando em super-herói e Luiz Feier Motta, temos que falar também do Superman, em especial do clássico feito por Christopher Reeve, que foi primeiramente dublado pelo saudoso André Filho, mas logo depois foi inteiramente redublado pelo próprio Feier Motta. Não obstante, Guilherme Briggs, que desde o início dos anos 2000 dubla o personagem nas animações da DC, e até dar voz a Henry Cavill nos recentes ‘O Homem de Aço’ e ‘Liga da Justiça’, também dublou Reeve na Directors Cut de ‘Superman 2’. Quer dizer, é difícil saber hoje quem realmente é a voz oficial do Superman de Reeve.

Indiana Jones (Professor Jones)


E de novo sobre um herói clássico, temos o caso de Indiana Jones, que também envolve Guilherme Briggs, já que Júlio Cézar Barreiros já havia feito a dublagem dos quatro filmes da cinessérie dirigida por Steven Spielberg, saindo até mesmo o box em DVD com sua voz. No entanto, a pedido da Paramount, todos os filmes foram redublados por Briggs, com o Blu-ray saindo já com a sua dublagem.

Júlio Cézar faleceu em 2014, com Guilherme Briggs assumindo definitivamente o personagem, ou melhor, o ator Harrison Ford, já que também dublou Han Solo, tanto na trilogia clássica quanto na última lançada. Pelo menos, na edição em Blu-ray de Indiana, a Paramount deixou tanto a dublagem de Júlio quanto a de Briggs como faixas de áudio opcionais disponíveis – movimento correto que deveria ser seguido.

Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips (toda Liga)

Por trabalhar muito e ser sempre solicitado, Guilherme Briggs geralmente se envolve em muitos desses casos peculiares, como, por exemplo, um que teve final feliz: ‘Liga da Justiça Sombria: Guerra de Apokolips’. A animação da DC que fechou a fase dos Novos 52 deu o que falar quando a Warner/Google Play divulgou o primeiro trailer e os fãs notaram que os dubladores que foram as vozes dos personagens por quase duas décadas não estavam presentes no longa – e para piorar, viram que apenas um único dublador deu voz a vários personagens principais, com dobras sendo utilizadas em protagonistas e sem disfarce.


O filme foi lançado assim mesmo e caíram matando em cima da Warner! Tanto os fãs quanto Guilherme Briggs se manifestaram nas redes sociais, onde o dublador dizia que não havia sido contactado pelo estúdio. Após muitos pedidos, ameaça de boicote e abaixo assinado, a Google Play anunciou que iria redublar a animação e, felizmente, hoje, a versão disponível nas plataformas é a nova redublada.

Pânico 5 (Sidney, Dewey e Gale)

Um caso parecido aconteceu com ‘Pânico 5’, quando a Paramount havia divulgado o trailer do quinto filme da saga com dubladores diferentes daqueles que atuaram nos filmes anteriores. Os fãs ficaram fulos da vida e foram à internet cobrar a presença dos dubladores antigos, com a produtora, pouco tempo depois, solicitando a troca dos profissionais e um novo trailer sendo divulgado já com as vozes clássicas de Mariza Leal, Andrea Marucci e Marco Antônio Costa.


O estúdio responsável por essa dublagem foi a UniDub, que, como mencionamos, é comandada por Wendel Bezerra. Inclusive, ele postou, em seu canal no YouTube, um vídeo especial falando sobre a dublagem de ‘Pânico 5’. Confira abaixo:

Piratas do Caribe 5 (Jack Sparrow)


Um fato em especial aconteceu com o dublador Marco Antonio Costa, conhecido por emprestar sua voz para galãs como George Clooney, Brad Pitt e Val Kilmer, e que também é um dos principais dubladores de Johnny Depp. Antonio Costa divulgou uma nota falando a respeito da discrepância dos valores que eram pagos aos dubladores, em relação aos chamados star talents (famosos chamados para dublar). Na época, o ator alegou que dois youtubers receberam 40 vezes (!) mais que o valor do seu cachê para dublar ‘Procurando Dory’, da Disney Pixar.

Pouco depois, em ‘Piratas do Caribe 5’, Marco Antonio Costa pediu a Disney um novo cachê para dublar o personagem Jack Sparrow, como havia feito, brilhantemente, nos quatro filmes anteriores, porém o estúdio não aceitou a proposta e decidiu substituí-lo pelo dublador Jorge Lucas, que já havia dublado Depp em outras ocasiões e é a voz de Ben Affleck como o Batman da ‘Liga da Justiça’. Os fãs se revoltaram, mas dessa vez a Disney não voltou atrás e a voz que permaneceu no pirata canastrão foi a de Lucas.

O Senhor dos Anéis e O Hobbit (Gandalf e Legolas)

Outra questão que irrita bastante nessa troca de dubladores é o descaso de alguns clientes, e isso não é culpa do estúdio de dublagem, já que eles acatam o que é determinado pelas produtoras. Em franquias como ‘O Senhor dos Anéis’ e ‘O Hobbit’, tivemos algumas mudanças bruscas com os personagens Gandalf e Legolas.

A primeira trilogia trazia Hélio Vaccari como o dublador do velho mago interpretado por Ian McKellen; já quando fizeram a dublagem na nova trilogia do ‘Hobbit’, colocaram Luiz Carlos Persy em seu lugar – vozes bem diferentes. Com Legolas a coisa foi pior, já que o primeiro e o segundo filme do cinema foram dublados por Sergio Moreno, no entanto o terceiro que passou nas telonas ganhou a voz de Alexandre Marconatto – ainda que a versão em home video seja inteiramente dublada por Moreno.

Não satisfeitos com toda confusão, na nova trilogia, Legolas foi dublado por Philippe Maia, um terceiro dublador. Foi alegado que isso aconteceu devido a mudança de estúdio e de estado, onde a primeira trilogia foi feita em São Paulo e a segunda no Rio de Janeiro, mas nós sabemos que profissionais podem gravar em estúdios de outros estados, caso as produtoras solicitem.

De Volta para o Futuro (Marty McFly e Dr. Emmett L. Brown)


De todos que falamos aqui, ‘De Volta para o Futuro’ deve ter sido o primeiro caso a ganhar destaque sobre a questão de troca das dublagens. A trilogia que trouxe Marty McFly sendo dublado por Orlando Viggiani e o Dr. Emmett L. Brown pelo saudoso Eleu Salvador é endeusada pelos fãs até hoje, e quando box da saga saiu em DVD com as vozes sendo substituídas por Manolo Rey e Mauro Ramos os fãs foram a loucura. Pediram que a Universal lançasse um box com uma faixa de áudio extra. Na época, isso nunca havia ocorrido, então o estúdio não deu muita bola e deixou assim, não tocando no assunto nunca mais. Uma pena, pois de fato a dublagem de Viggiani e Salvador é maravilhosa – não que a da nova dupla seja ruim.

Matrix Resurrections (Neo e Trinity)

Por fim, um dos últimos casos que tivemos foi com a dublagem do quarto filme de Matrix, já que nas dublagens dos três primeiros, Keanu Reeves (Neo) tinha a voz de Reinaldo Buzzoni, e Carrie-Anne Moss (Trinity) a de Fátima Mourão. Em ‘Matrix Resurrections’ os dois personagens tiveram as vozes alteradas, mesmo a dublagem sendo feita na mesma distribuidora (Warner) e no mesmo Estado (Rio de Janeiro).

Sim, Buzzoni está se dedicando hoje ao trabalho dos bastidores do futebol, mas ainda dubla o Keanu quando é chamado, a exemplo do que fez em ‘Bill & Ted: Encare a Música’. Já Fátima, que agora mora em Brasília, sempre que é acionada para algo especial também se coloca disponível, como aconteceu em ‘Mestres do Universo’, quando ela fez a Rainha. Enfim, fica então o nosso alerta para que as produtoras tenham mais consideração pelos profissionais da dublagem e pelo público.

Não deixe de assistir: