Mesmo
com três nomes de veteranos experientes no currículo
de “Alvo Duplo”, esse
pouco inspirado veículo de ação
não consegue se salvar.

Aqui temos o
diretor Walter Hill (que comandou clássicos
do gênero como “Warriors – Os Selvagens
da Noite” e “48 Horas”),
o produtor Joel Silver (igualmente entendido
no assunto, com obras como “Máquina
Mortífera”, “O Predador”,
“Duro de Matar” e “Matrix”
no currículo), e para finalizar o astro Sylvester
Stallone, que dispensa apresentações.
Existem muitos
problemas em “Alvo Duplo”,
mas o principal deles é ser um produto extremamente
genérico, que não possui diferencial algum
a oferecer, e acaba soando como filme B, desses que passam
tarde da noite sem que nem ao menos saibamos seu título.
Aliás, o título é igualmente genérico
tanto na tradução quanto na versão
original, que seria algo como “Bala na Cabeça”
(Bullet to the Head), fato que o apresentador David
Letterman tratou de tirar sarro quando entrevistou
Stallone.
Baseado numa
graphic novel, Stallone é James
Bonomo, também conhecido com o ridículo nome
de Jimmy Bobo, um matador de aluguel veterano. O ator não
é estranho a nomes curiosos, afinal já foi
Marion Cobretti, Raymond Tango, Angelo Provolone, John Spartan,
Ray Quick, Robert Rath, Kit Latura, Joe Tanto, e é
claro, Rocky Balboa e John Rambo.

Na primeira
cena vemos Bobo e seu parceiro (anos mais novo, com idade
de ser seu filho) indo “apagar” um sujeito em
seu quarto de hotel. Eles exterminam o alvo, mas Stallone
deixa uma prostituta que estava no banheiro viva,
porque ela tinha a mesma tatuagem de sua filha!!? É
o que nos explica depois o co-protagonista, o detetive vivido
por Kang Sung (da série “Velozes
e Furiosos”), numa rasa “sessão de terapia”
instantânea com o assassino.
O parceiro de
Stallone é então assassinado (enquanto
os dois estão num bar comemorando a morte que acabaram
de executar) pelo vilão implacável personificado
por Jason Momoa (“Game of Thrones”
e “Conan, O Bárbaro”). Stallone
segue sua trilha e para isso precisa se unir ao detetive
boa-praça de Sung. O ator descendente
de coreanos não convence aqui. Ele interpreta um
detetive de polícia ingênuo demais, que sai
ileso de situações pela mais inesperada sorte,
precisando muitas vezes ser resgatado por terceiros.
Caso “Alvo
Duplo” tivesse algum envolvimento com a realidade,
esse sujeito já estaria dormindo com os peixes há
muito tempo. O filme também sofre de conflito de
personalidade, em horas as cenas almejam fazer graça,
principalmente em trocas de Stallone e
Sung (que aqui não possuem química
alguma e tais cenas soam embaraçosas); e em outras
tentam estabelecer algo cru e bastante violento, com diversas
execuções, lutas e um clima geral pesado.


Filmes como
“Os Mercenários” ou
“Machete” também fazem
uso de uma violência excessiva, mas sabem exatamente
em que tom levar toda a obra. Ao não decidir o que
será, “Alvo Duplo” não
se torna bem sucedido em nenhum dos quesitos, não
é levado a sério, e tampouco é divertido.
Outra notícia triste é que finalmente chegou
a hora de Stallone repensar seus personagens.

Enquanto em
filmes anteriores ele brincava com a velhice, mas tinha
o apoio de um grupo de mesma faixa etária (“Os
Mercenários”) ou com a metade, ou
menos, de sua idade (o último “Rambo”),
aqui realmente parece que o ator (beirando os 70 anos–
ele fará 67 em julho) não toma consciência
de sua idade em seu personagem, e interpreta alguém
mais novo. Sua luta final com o vilão do gigante
Jason Momoa (34 anos mais jovem) é
a verdadeira ficção científica do ano.
Momoa é uma das coisas que sobressaem
no filme, ele é eficiente como figura ameaçadora
e quase indestrutível (é só assistir
à “Game of Thrones”).

Outro pequeno
destaque é a bela Sarah Shahi, que
interpreta a tatuada filha do assassino de Stallone.
A atriz aceitou fazer uma desavergonhada e ridícula
cena de nudez gratuita, que assim como a maioria dos momentos
de “Alvo Duplo” não
faz o menor sentido, mas os marmanjos de plantão
irão agradecer. Passado no interessante cenário
de Nova Orleans (mais um elemento mal utilizado pelo filme),
Alvo Duplo” é um grande
engodo.
É o tipo
de filme que apenas obedece e suga de uma fórmula
sem acrescentar nada em troca. Pode ser considerado o tipo
de filme tirado da década de 1980, mas mesmo lá
seria considerado um exemplar fraco. Se você deseja
algo saído da mesma época, mas com empolgação
e graça de sobra, corra para assistir a “Invasão
à Casa Branca”, ainda em cartaz nos
cinemas.

 


Crítica por:
Pablo Bazarello (Blog)

Aproveite para assistir:

 

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE