Não deixa de ser estranho, e até mesmo agradável, o fato de uma fita pequena e pouco famosa como “O Articulador” estreiar em diversas salas do Brasil antes mesmo de ter uma data marcada para chegar às salas norte-americanas.

O motivo, provavelmente, é um só: Al Pacino. Muito admirado por estas terras ao sul do Equador, o ator é capaz de levar milhares de brasileiros aos cinemas simplesmente porque seu nome aparece nos créditos (casos semelhantes ocorrem por aqui com Robert de Niro, que, assim como Pacino, já não funciona mais como chamariz de bilheteria nos EUA, infelizmente…).


A pergunta é: o que seria de “O Articulador” sem a presença de um grande astro no elenco ? A resposta mais óbvia seria um “nada”, já que, sem Pacino, esta pequena produção ficaria restrita ao “circuito de arte” e sumiria das poucas salas num curto espaço de tempo. O fato dela também não ter nenhuma grande sacada que possa justificar um maior interesse por parte do público só complica sua situação.

O Articulador” conta a história de um relações públicas chamado Eli Wurman (Pacino), que cuida da carreira de alguns astros da TV e do cinema, e que ainda arranja tempo para promover eventos beneficientes em Nova York. À pedido de seu maior cliente, o famoso ator Cary Launer (vivido por Ryan O’Neil), Eli vai até uma cadeia pagar a fiança de uma atriz de TV que acabou de chegar à Big Apple (Jili, interpretada por Tea Leoni.).

Aproveite para assistir:

Eli então leva a moça para um hotel, e, num convite dela, os dois acabam abusando das drogas. Deitado na banheira e completamente chapado, Eli vê um homem se aproximar da jovem atriz para matá-la, mas ele não se levanta, já que seu estado naquele momento o impede sequer de distinguir a realidade de alucinações.

No dia seguinte, Eli sai do hotel sem perceber que Jilli estava morta, e acaba se envolvendo numa conspiração que envolve diversos setores da alta sociedade nova-iorquina, tendo como pano-de-fundo a campanha política que pretende lançar Cary Launer ao Senado.

O Articulador” equilibra o drama pesado e extremamente cansativo do personagem com o thriller (nunca menos do que interessante) dos acontecimentos em que ele se envolveu. Por vezes, a lentidão do drama pessoal vivido por Eli Wurman acaba se sobrepondo.

Por estar constantemente dopado (já que usa drogas para dormir), Eli leva uma vida modorrenta, arrastada, trôpega. Mal tem tempo para descansar e cuidar de sua saúde. É exatamente esse ritmo de vida estressante do personagem que faz do filme uma experiência difícil e depressiva. O cansaço de Eli, em alguns momentos, sai da tela e atinge o público, que acaba compartilhando das mesmas sensações, goste ou não.


Mas mais interessante (apesar de pouco original) é o enfoque crítico que o filme dá aos bastidores da fama e do showbizz. Todos os atos das estrelas parecem ser friamente calculados, aparições em jornais e festas são negociadas à exaustão, envolvimento em escândalos são encobertos à todo custo. É exatamente esse o papel de Eli: ele transforma o sujeito aproveitador e mercenário no cordeirinho inofensivo que dá dinheiro à Hollywood.

Por ser semi-independente, pode-se dizer que o filme tem uma liberdade maior para expor todas as maracutaias que acontecem por trás do pano da fama com uma maior carga de acidez e rispidez.

Há uma cena-chave que, apesar de ser um gigantesco clichê, resume a posição que “O Articulador” parece tomar: Eli, depois de ter vomitado no banheiro da festa que organizou, encontra-se com um aspirante à astro, deslumbrado por ter avistado o famoso Cary Launer na mesma festa. Depois de olhar para a cara do sujeito, que ainda está feliz por ter encontrado seu ídolo, Eli diz: “Que você continue sendo esse jovem ingênuo, sempre”. É a ingenuidade que o impede de enxergar toda a podridão e a corrupção existentes além dos sorrisos e da maquiagem do ator que admira.

O filme ao menos tem a coragem de manter essa mesma postura em toda a sua duração, e passa longe de ser uma bobagem que não critica ninguém. Pelo contrário: algumas estrelas de Hollywood certamente se sentirão retratadas na tela, e não ficarão nada felizes com isso.


Mesmo assim, há alguns problemas bastante primários na fita. A personagem de Kim Basinger, por exemplo, não tem uma função específica, resumindo-se a aparecer nas vezes em que o personagem de Al Pacino encontra o fundo do poço.

Há também uma certa dose exagerada de pretensão por parte do diretor, que na meia hora final acaba pesando um pouco a mão em cima da condução do filme, extendendo desnecessariamente cenas que poderia ser mais curtas. A cena que fecha a trama , por exemplo, é ridícula: Dan Algrant (o diretor) vira a câmera de ponta-cabeça, e filma Manhattan desta maneira, como se isso fosse a coisa mais revolucionária e genial do mundo.

Mas o que vale realmente a pena em “O Articulador”, além de suas interessantes (porém nada originais) idéias sobre o showbizz, é a fabulosa atuação de Al Pacino. Cansado, envelhecido, e até um pouco efeminado, Pacino dá ao seu personagem uma profundidade inesperada, e acaba envolvendo a platéia no drama pessoal e profissional de Eli Wurman. O filme é dele, e de mais ninguém.


Crítica por:
Diego Sapia Maia


 

 

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE