Black Is King tornou-se um dos filmes mais aclamados do ano passado e continua colhendo frutos de seu sucesso crítico e comercial.

O longa-metragem, dirigido por Beyoncé, conquistou uma estatueta do Creative Arts Emmy Awards por Melhor Figurino em Programa de Variedades, Não-Ficção ou Reality, em virtude do incrível trabalho de Zerina AkersTimothy White.

Lembrando que a produção está disponível na plataforma do Disney+.



O filme é uma celebração do aniversário de um ano de The Lion King: The Gift, obra reimaginada da artista para o remake em live-action de O Rei Leão (2019).

Esse álbum visual de Beyoncé reimagina as lições de O Rei Leão para os jovens reis e rainhas dos dias de hoje, que buscam por suas coroas. O filme esteve em produção por um ano com um elenco e uma equipe que representam diversidade e conectividade. As viagens das famílias negras através do tempo são honradas em um conto sobre um jovem rei e sua jornada transcendental através de amor, traições e autoidentidade. Seus ancestrais ajudaram-no a trilhar o caminho para seu destino e, com os ensinamentos de seu pai e de seu amor de infância, ele ganha as virtudes necessárias para reclamar sua casa e seu trono.

Aproveite para assistir:

Crítica | Beyoncé prova novamente que é uma artista imbatível com o majestoso ‘Black Is King’

O filme é considerado uma celebração memorialística para o mundo sobre a experiência negra e terá videoclipes para as canções “My Power”“Mood 4 Eva”“Brown Skin Girl”.



O álbum em questão traz colaborações com Childish Gambino, Kendrick Lamar, Pharrell, 070 Shake, Tierra Whack, Jay-Z, Blue Ivy Carter e Jessie Reyez, bem como os artistas africanos Wizkid, Shatta Wale, Burna Boy, Mr Eazi, Tiwa Savage, Tekno, Yemi Alade, Busiswa e Salatiel.

Comentários

Não deixe de assistir: