Um dos assuntos mais comentados do momentos são os filmes lançados pela Amazon Prime sobre a morte dos pais de Suzane von Richthofen, intitulados ‘A Menina Que Matou os Pais’ e ‘O Menino Que Matou Meus Pais’.

Manfred e Marísia foram assassinados em 2002 pela própria filha junto com a ajuda de seu ex-namorado e do irmão dele, Daniel e Cristian Cravinhos, respectivamente.

Quem se interessa pelo caso, sabe que Suzane e Daniel foram condenados a 39 anos de prisão em regime fechado, enquanto Cristian foi sentenciado a 38 anos de reclusão.

Mas como eles estão nos dias de hoje?



Desde 2006, Suzane permanece na Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier, de Tremembé, e em 2015 foi beneficiada com o regime semiaberto, saindo da cela e cumprindo sua pena em um galpão com beliches.

Através do novo regime, Suzane trabalha dentro da penitenciária durante o dia e ainda tem direito a seis saídas temporárias ao longo do ano.

Aproveite para assistir:

Essas saídas incluem Dia das Mães, Páscoa, Dia dos Pais, Dia das Crianças, Natal e Réveillón, o que se tornou uma grande polêmica.

Além disso, os advogados de Suzane ainda tentam converter sua sentença para o regime aberto, mas todos o pedidos enviados pela Defensoria Pública foram recusados pela Justiça.



Isso porque Suzane apresenta uma “personalidade egocêntrica, vazia, simplista e infantilizada; sem demonstração de culpa ou remorso”, diagnóstico obtido por meio de um teste psicológico realizado em 2018, como divulgado pelo Fantástico.

Mesmo assim, no último dia 13 foi autorizado que ela possa frequentar o curso de Farmácia da Universidade Anhanguera, em Taubaté, depois que foi aprovada através do Exame Nacional do Ensino Médio, ENEM.

Com isso, a detenta terá permissão de ficar livre entre às 17h e 23h55 para ir às aulas.

E, apesar de estar presa, Suzane também virou notícia devido aos seus relacionamentos amorosos na penitenciária. Em 2104, ela chegou a se casar com a detenta Sandra Regina, conhecida como ‘Sandrão‘, mas a união chegou ao fim pouco tempo depois, quando Sandra foi transferida.

Depois disso, Suzane começou a se relacionar com o serralheiro Rogério Olberg, irmão de uma presidiária. No entanto, o caso terminou no ano passado, mas ela continua próxima à família, segundo uma reportagem da revista Época.

Quanto aos irmãos Cravinhos, Daniel está livre desde 2018 quando sua equipe de defesa conseguiu lhe garantir uma progressão para o regime aberto.

Durante a prisão, ele se casou com a filha de um agente penitenciário chamada Alyne Bento. O casal se conheceu em 2012, quando Alyne visitava um irmão que também estava preso.



Desde que conseguiu a liberdade, Daniel tenta se manter longe da mídia.

Cristian foi solto em 2017, mas acabou voltando à prisão de Tremembé no ano seguinte por envolvimento em uma tentativa de suborno a policiais.

Atualmente, ele continua preso.

E aí, você já assistiu aos filmes?


Cada longa tem aproximadamente 80 minutos de duração e conta um ponto de vista diferente da chocante história que acompanha a dupla de assassinos:

Os roteiros têm como base informações contidas nos autos do processo que terminou com a condenação dos dois pela morte dos pais de Suzane.

O crime ocorreu em 2002 e chocou o Brasil e o mundo na época. Atualmente, Suzane permanece cumprindo pena no presídio feminino de Tremembé.

O roteiro é assinado por Ilana Casoy, criminóloga, escritora e maior especialista em serial killers do Brasil, juntamente com Raphael Montes, escritor brasileiro de literatura policial sucesso de público e de crítica, traduzido em mais de 20 países.

Comentários

Não deixe de assistir: