Um por todos e todos por um

Para os fãs da série do Anel criada por Tolkien, qualquer crítica de um dos (agora) seis filmes é redundante. Para eles, assim como para fãs fervorosos em geral, qualquer palavra contra seu objeto de afeto não merece crédito. Então, este texto não é para você “Tolkienmaníaco”, mas sim para todos os outros que não se deixam levar apenas pela emoção. Não que eu vá achincalhar a obra transformada em mais um filme do diretor Peter Jackson, este é apenas um olhar mais distanciado, de alguém que não necessariamente é fã da saga.

A trilogia original de Jackson, no entanto, parecia mais adulta, digna e urgente. O impacto foi tanto, já que era a volta por cima do gênero da fantasia (seguido pelos musicais), que até mesmo a Academia se curvava indicando os três filmes ao prêmio máximo do cinema. A nova trilogia não teve esse aval de prestígio, somente os muitos bilhões de dólares em caixa. Na verdade, pode-se dizer que a segunda trilogia é considerada por muitos um grande caça-níquel.

CinePop 3

Baseada não apenas no menor dos livros, mas em anotações extras do escritor, a trilogia do Hobbit foi, a partir do primeiro filme, mais infantil, ingênua e mais artificial. A coisa engatou mesmo no segundo exemplar, apresentando talvez um dos astros da série, o Dragão Smaug, voz de Benedict Cumberbatch. Quem for esperando um desfecho que envolva a temível criatura, irá se desapontar, digamos apenas isso. Explorando o filão do 3D, Peter Jackson nos leva, talvez pela última vez, por mais uma incursão na Terra Média.

O início é eletrizante, com o combate ao dragão. Depois, A Batalha dos Cinco Exércitos se desenvolve estranhamente em um drama psicológico, envolvendo um dos maiores pecados capitais, a ganância. Ela consome o líder dos anões, Thorin Escudo de Carvalho, interpretado por Richard Armitage (do prazer culposo No Olho do Tornado). Esse é o momento de maior destaque da obra, um forte estudo de personagem e situações. A Oscarizada Cate Blanchett aparece num momento chave eletrizante, ao lado do nonagenário Christopher Lee e de Hugo Weaving. Existe também muito fan service aqui, ligando esta trilogia com a amada trilogia do Anel. Os fãs irão adorar.

CinePop 2

Orlando Bloom e Evangeline Lilly dão sequência ao seu arco dramático, envolvendo um triângulo amoroso com o anão Kili (Aidan Turner). O desfecho desta subtrama é interessante e amargo. O novo Hobbit é o mais curto da saga, o que não quer dizer muito. Com duas horas e vinte minutos, o filme poderia ser mais podado e enxuto. As cenas de ação e batalhas se excedem, dando aos escolados exatamente o que querem, porém, alienando todo resto do público com intermináveis combates.

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

Como resultado, A Batalha dos Cinco Exércitos sobressai ao bonitinho e aguado primeiro Hobbit, no entanto, fica abaixo do vivo e perspicaz segundo episódio. Talvez só um pouco abaixo. Com um visual de cair o queixo, o fim da saga de Jackson deverá conquistar indicações de efeitos no próximo Oscar. E para finalizar, alguém poderia nos comentários abaixo explicar o porque do título, já que contamos apenas quatro exércitos (dos anões, dos humanos, dos elfos e dos orcs).

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE