Crescer não é fácil. Quem já passou por isso olha pra trás rindo das memórias do período da adolescência, mas a verdade é que quando ainda se é adolescente as experiências se intensificam, tudo parece ser agora ou nunca. Esse universo nebuloso pelo qual todos atravessam é o universo que a escritora infanto-juvenil Thalita Rebouças traz em seus livros, os quais nos últimos anos vem sendo adaptados com competência aos cinemas brasileiros. Esse é o mote que encontramos em ‘Ela disse, ele disse’.

Rosa (a fofa Duda Matte) é uma menina tímida que entra para uma nova escola no 9º ano. Insegura sobre como agir, como se vestir e como conquistar novos amigos, ela se sente completamente invisível no primeiro dia de aula. Mas, então, o super descolado e também novato Léo (Marcus Bessa) puxa assunto com ela, e Rosa imediatamente passa a se sentir notada – além de começar a desenvolver um crush pelo novo amigo.



Aos poucos o dia a dia na nova escola vai revelando novas amizades com as besties Carol e Luana (as engraçadas Giulia Ayumi e Cecília Warpe, em perfeita sintonia) e com a garota mais popular da escola, Júlia (Maisa Silva, que chega até a cantar na última cena), fixante do Rafa Confusão (Matheus Lustosa). Só que à medida que o interesse de Rosa por Léo aumenta, Júlia resolve se intrometer na história e cobiçar o menino. Vale aqui uma nota especial para a jovem Maisa, que se mostra muito mais amadurecida profissionalmente e completamente à vontade no papel da antagonista. É, sem dúvida, seu melhor papel até hoje.

Aproveite para assistir:

Além do núcleo principal, o filme conta ainda com participações especialíssimas, como da apresentadora Fernanda Gentil no papel da mãe de Rosa, mostrando-se uma atriz nata; da Youtuber Bianca Andrade, conhecida como Boca Rosa, revelando-se no papel da professora Fátima; da apresentadora Ana Maria Braga; e da própria Thalita Rebouças, que já pegou o costume de aparecer nos próprios filmes.



Ela disse, ele disse’ é a primeira história de Thalita Rebouças com um protagonista masculino e um de seus livros mais vendidos. Tanto no livro quanto no filme a narrativa é dividida pelo ponto de vista de Rosa e de Léo, mostrando que meninos e meninas experienciam a mesma coisa, porém são impactados de maneira diferente, e também pensam e agem de maneira diferente diante das mesmas situações. A alternância do ponto de vista foi mantida no filme e funcionou perfeitamente para imergir o espectador dentro da trama, pois toda vez que um dos protagonistas quebra a quarta parede e olha para a câmera, nós, espectadores, nos sentimos confidentes deles. Mérito do roteiro cuidadoso de Tati Ingrid Adão e Thalita Rebouças que conversou intrinsicamente com a direção de Claudia Castro. Aliás, esse é um dos pontos altos desse filme: ele é dirigido, produzido, escrito, roteirizado e protagonizado por mulheres. Bravo!

Apesar do uso de clichês – que, cá entre nós, é necessário em comédias românticas – o filme cumpre seu papel de entreter, divertir e, ao mesmo tempo, passar uma boa mensagem de amizade e de amadurecimento, que é, no final das contas, do que se trata o filme. Ou seja, para contar uma boa história adolescente é claro que alguns elementos lugar-comum farão parte do enredo, o que não significa, entretanto, que eles precisam ser o foco da história. E a escritora Thalita Rebouças tem plena compreensão da sutil diferença entre as ambas perspectivas, por isso relê suas próprias história e as repagina para os tempos atuais, sem medo de alterar ou atualizar conceitos anteriormente abordados por ela, mas que hoje já não têm mais lugar. A isso damos o nome de responsabilidade social, algo que Thalita vem cumprindo muito bem ao dialogar diretamente com um público sedento por ver seus próprios dilemas abordados nos filmes.



Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE