O horror nosso de cada dia nos dai hoje

Adaptar para as telas uma obra literária é uma tarefa dificílima. Por isso, os bem sucedidos, mesmo que alterem bastante seu material original, merecem todos os louros do mundo. Quando falamos de obras complexas, repletas de personagens e com linhas narrativas distintas, como é o caso com este O Diabo de Cada Dia (baseado no livro homônimo escrito por Donald Ray Pollock em 2011 – que também fornece a narração), tudo fica ainda mais arriscado. Uma adaptação cinematográfica precisa criar conexão com seu espectador para além do já estabelecido público-alvo, e no caso deste longa – e bota longa nisso, com 2h20min de projeção – termina com um resultado pouco memorável.

A ideia por trás do roteiro adaptado por Paulo Campos e Antonio Campos (também diretor do filme e filho do veterano jornalista brasileiro Lucas Mendes) é a de uma crítica ferrenha ao fanatismo religioso. A todas as atrocidades cometidas pelo homem em nome de Deus, e a um senso moral incrivelmente deturpado, que somente esconde e valida ações de indivíduos altamente desequilibrados. Justamente servindo a este tapa na cara em relação a tal fé cega, o título em português chega bem acertado e mais eficiente do que sua versão original em inglês.


Aqui, o cineasta aponta para o quão desprezíveis são os que se envolvem num manto santificado para liberar toda a sua monstruosidade, na ilusão de realmente estarem acima do bem e do mal. Num delírio íntimo de se encontrarem como um canalizador da voz divina. Mas igualmente enfatiza o perigo de uma crença acima de qualquer suspeita, deixando para trás avaliações lúcidas, nas quais os fiéis são facilmente manipulados e levados a cometer atrocidades. Tudo, novamente, em nome de Deus.

O Diabo de Cada Dia funciona de forma episódica, com diversas subtramas (ou micro histórias) que vão se entrelaçando ao longo da trajetória, e no final se afunilam para uma conclusão. Assim, a obra se torna quase uma antologia – como A Balada de Buster Scruggs (2018), dos irmãos Coen, por exemplo -, aqui costurando todos os contos com a temática da falsa ideologia religiosa e o fanatismo. Tudo começa com Bill Skarsgard (o palhaço Pennywise dos novos It: A Coisa), um jovem veterano de guerra retornando para casa na sua pequena cidadezinha rural. Ah sim, devo mencionar também que todas as histórias são ambientadas durante a década de 1950, e que o elenco é simplesmente estelar, e um dos melhores, definitivamente, dos últimos anos. O filme é produzido pelo ator Jake Gyllenhaal – ou seja, talento não falta na frente e atrás das câmeras.

Aproveite para assistir:

Voltando para Skarsgard, ele se casa com a personagem da gracinha Haley Bennett (ainda exibindo o inchaço pós-gravidez de seu primeiro filho com o diretor Joe Wright), e logo depois chega a cria do casal, o menino Arvin. Quando a mulher adoece, o patriarca vai aos poucos deixando florescer os traumas de guerra nunca enterrados, em especial sobre um colega crucificado e esfolado vivo pelos japoneses. Deus é visto por ele como uma entidade cruel, com quem precisa barganhar vidas. Assim, a tragédia se abate por completo sobre esta família. A esta altura vale dizer que O Diabo de Cada Dia é um filme altamente depressivo, trágico, sem qualquer vislumbre de alegria. É a ira de Deus, a tempestade sem a bonança.

O que o grande público irá querer ver ao acessar o ícone do filme na Netflix, no entanto, são as presenças de dois jovens astros do momento, cujos nomes são capazes de arrastar multidões: Robert Pattinson e Tom Holland. Da dupla, é Holland quem tem o protagonismo, interpretando a segunda fase, mais velha, de Arvin. E assim como Peter Parker, o órfão é criado por uma figura materna (aqui a avó), combate valentões no colégio e faz de seu trabalho eliminar “vilões” – aqui, de forma muito mais intensa e visceral. Mas quem rouba o show, apesar do elenco pra lá de eficiente e harmonioso de forma geral, é mesmo Pattinson em mais um desafio em sua filmografia. O vindouro intérprete do Batman escolhe para si o que é o personagem mais asqueroso de sua carreira: um pastor egocêntrico, que usa sua fala mansa e através da articulação da palavra bíblica abusa da boa fé de seu rebanho. E como adoramos odiá-lo no papel.


Ainda sobram tramas para Jason Clarke (Cemitério Maldito, 2009) e Riley Keough (Mad Max: Estrada da Fúria) – a neta de Elvis Presley – como um casal de degenerados; Sebastian Stan (o Soldado Invernal da Marvel), num papel que seria do colega Chris Evans, como um xerife corrupto; Eliza Scanlen (Adoráveis Mulheres) como uma inocente carola; Harry Melling (sócio da Netflix, de filmes como Buster Scruggs e o recente Old Guard) se destacando como um pastor caído em desgraça; e Mia Wasikowska como uma vítima das circunstâncias, numa participação piscou, perdeu. Ou seja, “só gente boa”, nesta verdadeira sinfonia da miséria humana. Todos ligados pelo pecado de amar demais a Deus, ou ao menos corromper completamente seus ensinamentos.

A crítica funciona, a mensagem é passada de forma clara, e estes elementos estão entre os acertos do longa. Assim como a reconstrução mais que eficiente da época, e atuações de alto nível, em especial as de Pattinson, Melling e Keough. Porém, para um filme transcender sua intenção e o próprio assunto a que se propõe a discutir é preciso algo mais. E em sua maioria os personagens não obtém destaque ao ponto de realmente nos identificarmos e começarmos a nos importar com eles. Em muitos momentos, seja pela falta de diálogos mais fervorosos (para acompanhar o tema) ou pela confecção de cenas mais chamativas (ou artisticamente ousadas), sentimos como se O Diabo de Cada Dia fosse apenas uma sucessão de eventos muito ruins e violentos ocorrendo constantemente de forma genérica, sem grande apelo. Apesar de suas qualidades, é pouco provável que o longa possua a resiliência de permanecer marcado em nossas mentes.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE