sexta-feira, julho 12, 2024

Crítica Sundance | Dream Horse: Cinebiografia com Toni Collette combina drama e comédia em história cativante

Filme assistido no Festival de Sundance 2020

Bem distante dos olhos do mundo, um pequeno vilarejo galês viu sua história se transformar graças a um singelo cavalo. Treinado para corridas, o competidor menos provável – Dream Alliance – traçou uma meteórica jornada de sucesso, que o levou a conquistar o aclamado Welsh Grand National. A história de Dream veio a público pelas lentes de Louise Osmond em Dark Horse, documentário lançado no Festival de Sundance 2015 e que arrebatou os cinéfilos, levando a estatueta de Escolha da Audiência, na Competição de Documentários Cinematográficos Mundiais. Cinco anos se passaram e a narrativa outra vez mais ganha os holofotes em Dream Horse, cinebiografia estrelada por Toni Collette e Damian Lewis. Encontrando uma nova geração de fãs nas telonas de Sundance, o drama de Euros Lyn é uma ode a essa pequena comunidade, transformada por um valente cavalo.

Não é necessário se atentar às corridas de cavalos para se apaixonar por Dream Horse. Simples em sua direção, a produção – baseada no documentário de 2015 – direciona os nossos olhos para Collette e seu sotaque arrastado impresso em uma voz mansa e doce. Diferente do seu mais recente papel nas telinhas – na minissérie Inacreditável, a vencedora do Critic’s Choice Award brilha por sua irreverência quase camaleônica em saber se transformar diante da audiência, de acordo com o papel que recebe. E aqui, ela dá vida à Jan Vokes, uma bartender que decide ingressar nesse particular universo, atraindo outros membros de sua comunidade para essa mesma jornada.

Estampando uma afeição inesperada por cavalos e suas corridas, a cinebiografia apresenta um contexto social absolutamente diferente ao qual pertencemos. Sabendo dessa dificuldade de identificação a partir de seu background, o longa roteirizado por Neil McKay opta por ir no âmago emocional das circunstâncias abordadas na trama, acertando o coração de sua audiência. Independente de seu grau de envolvimento (ou não) com a atmosfera na qual a trama se desenvolve, tudo que você precisa saber é que a união de uma comunidade por um mesmo objetivo é capaz de resgatar seu vigor e valor. E Dream Horse busca justamente honrar a história dessas tantas pessoas impactadas pelas habilidades de um cavalo que – aos olhos dos experts do ramo – seria a vitória mais improvável.

Fazendo uma combinação cativante entre humor e drama, a produção ainda resgata os maneirismos do povo galês mais tradicional, sabendo ainda equilibrar a tensão nas cenas de maior impacto, contrastando-as com uma comédia leve e ideal para o público familiar. E embora a narrativa não seja arrebatadora como Mustang e seu impacto cinematográfico pareça ser efêmero, a produção consegue sustentar o seu brilho. Divertido e emocionante, Dream Horse acerta em cheio em seu tom, homenageia os responsáveis por essa promissora jornada de sucesso e inspira o público ao convidá-lo a se desafiar a sonhar algo novo, independente da idade e contexto social.

 

Mais notícias...

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS

Filme assistido no Festival de Sundance 2020 Bem distante dos olhos do mundo, um pequeno vilarejo galês viu sua história se transformar graças a um singelo cavalo. Treinado para corridas, o competidor menos provável - Dream Alliance - traçou uma meteórica jornada de sucesso, que...Crítica Sundance | Dream Horse: Cinebiografia com Toni Collette combina drama e comédia em história cativante