CAMINHOS PERIGOSOS

Tido como a melhor obra exibida no Festival de Sundance no início do ano, tendo passado por Cannes, e já estreado nos Estados Unidos, Fruitvale Station chega ao Festival do Rio 2013. Esse é um dos filmes proeminentes de 2013 do cinema independente americano. Na exibição do Festival, a editora do filme, a brasileira Claudia Castello, deu algumas palavras sobre a importância da produção. Claudia está acompanhando de perto as manifestações no Rio de Janeiro, e as documentando, já que existe grande semelhança entre a brutalidade policial em nossa cidade, com a apresentada na produção americana.

Baseado em fatos reais, o filme conta a história do errante Oscar Grant, vivido de forma arrebatadora pelo novato Michael B. Jordan (Poder Sem Limites). Ele é um jovem de 22 anos, com mulher e filha pequena, recém-saído da cadeia por tráfico de drogas. Decidido a recomeçar sua vida, o protagonista arruma emprego num supermercado. Porém, numa maré de azar perde o trabalho, e agora precisa saber o que fará, já que necessita do dinheiro. O momento decisório, no entanto, é a fatídica noite de réveillon de 2008, quando Oscar, sua esposa e amigos pegam o metrô para assistirem a queima de fogos da virada.

6


As imagens do trágico ocorrido foram registradas por diversas pessoas em seus celulares na época, e os vídeos estão disponíveis para serem assistidos. O caso chocou os Estados Unidos, e a cena que abre Fruitvale Station é justamente uma imagem real capturada por um espectador da situação. Produzido por Forest Whitaker (um dos fortes nomes desse ano por O Mordomo da Casa Branca) e por Octavia Spencer (vencedora do Oscar por Histórias Cruzadas), que também participa do filme como a mãe do protagonista, Fruitvale Station tem na direção o jovem de 27 anos, Ryan Coogler. Estreando na direção de longas-metragens, Coogler realiza um trabalho primoroso, de um verdadeiro veterano.

Também assinando o roteiro, Coogler cria uma história honesta, recheada de momentos emocionantes que funcionam perfeitamente. Sua direção faz uso de uma narrativa dinâmica que consegue traduzir em apenas 85 minutos de projeção a vida de personagens de forma mais satisfatória do que muitos blockbusters de mais de duas horas. O diretor entrega um filme, com um baixo orçamento, que vem encantando o público por onde é exibido, e já gera expectativa para a época de premiações, sendo comparado a Indomável Sonhadora. A obra funciona como uma montanha russa, cria a tensão necessária para o seu ápice congelante, que sabemos que ocorrerá em breve, assim que adentramos o filme.

Aproveite para assistir:

7

No percurso, o cineasta iniciante constrói com a ajuda de seus atores, alguns dos personagens mais críveis e realísticos do ano. De fácil identificação, somos capturados e cativados pela história logo nos primeiros momentos, o que torna o seu clímax um tanto quanto mais impactante. Os atores são um caso a parte, e merecem todo o reconhecimento. Michael B. Jordan merece ser lembrado em época de premiações. O ator desempenha um personagem conflituoso em busca de redenção, de forma extremamente satisfatória. Meu outro destaque vai para Melonie Diaz (Rebobine, Por Favor), que interpreta a esposa de Oscar, Sophina.

8

Filmes como Fruitvale Station criam uma estética de imagem mais realística, e um clima mais intimista, que de certa forma o aproxima de uma veracidade maior. Parecemos realmente estar assistindo a uma fatia da vida, e não a um filme. Sem uma grande estrutura montada por trás, e com a câmera mais próxima dos atores, a coisa fica mais pessoal. Isso acaba permitindo com que os atores trabalhem de forma mais honesta, já que o cenário é montado para que se sintam mais à vontade para se abrirem, como num documentário. E esse é o clima perfeito para se criar um dos melhores e mais reflexivos filmes de 2013.


Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE