O universo das comédias é bastante amplo. Há tipos de humor para os mais diversos gostos. As paródias costumam ser mais agressivas e sexistas, o que costuma afastar muita gente. Os filmes “escrachados” também usam bastante de piadas grosseiras e situações como mortes e machucados para fazer graça. Tem o humor inocente, que faz bastante sucesso independentemente da faixa etária.

As comédias do Adam Sandler, que apostam no carisma do protagonista – assim como nos filmes do Didi, e na nostalgia dos anos 80. Tem o chamado “humor britânico”, que é conhecido por ser mais ácido e repleto de críticas.

E, claro, tem os filmes que humor que se preocupam com mais do que apenas fazer o público rir. Nesta lista, separamos algumas comédias dos últimos anos que mais do que boas piadas, possuem atrativos e trazem um certo frescor cinematográfico para encher os olhos de qualquer um. Confira!

A Noite do Jogo (2018)Estrelado por Jason Bateman e Rachel McAdams, o filme traz a dupla como o casal Max e Annie. Eles se conhecem e se apaixonam em uma noite de jogos em um bar. A competitividade e o vício em jogos de tabuleiros faz deles o casal perfeito.

Depois que o irmão de Max, Brooks (Kyle Chandler), sugere um jogo mais elaborado, envolvendo atores e uma trama de sequestro, Max, Annie e os amigos precisam solucionar o caso para vencer. O que eles não esperavam é que Brooks estivesse envolvido em uma trama de tráfico internacional e acabasse sendo sequestrado de verdade.

O filme é ridiculamente criativo, trazendo uma situação mais absurda que a outra de forma extremamente natural. A direção é fantástica, usando cortes rápidos e ângulos incomuns para filmes de comédia. A montagem proporciona cenas dinâmicas e aumenta a diversão, enquanto flerta com o suspense. A trilha sonora é um show a parte e o elenco esbanja química. É um filme completo, praticamente sem defeitos e que está disponível no Telecine Play.

 

Aproveite para assistir:

Jojo Rabbit (2019)Dirigido por Taika Waititi e vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Adaptado, Jojo Rabbit foi vendido como uma grande sátira da Alemanha nazista, mas entrega bem mais que um humor sem noção. Na trama, acompanhamos Jojo (Roman Griffin Davis), um menino alemão que tem como melhor amigo imaginário ninguém menos que o desprezível Adolf Hitler (Taika Waititi).

Junto à mãe (Scarlett Johansson), Jojo vive seus dias tentando encontrar seu lugar no mundo e sendo constantemente repreendido por Hitler. O longa promete muito humor e entrega junto muito drama. O ponto de vista infantil das atrocidades feitas pelo extremismo geram situações engraçadas e tensas ao mesmo tempo. É como se Taika te fizesse rir, e na cena seguinte te desse um soco no estômago pra mostrar o tamanho do absurdo do qual você acabou de gargalhar.

O elenco se entende de forma magistral, e a dupla Jojo e Yorki (Archie Yates) é garantia de sorriso. Jojo Rabbit pode ser alugado no Google Play ou ser comprado em DVD ou Blu-ray.

 

Casal Improvável (2019)Fred Flarsky (Seth Rogen) é um jornalista frustrado, que acaba sendo contratado pela sua babá/ paixão de infância, Charlotte Field (Charlize Theron), que está na corrida para ser presidente dos Estados Unidos. O filme é como uma versão moderna da Cinderela. Com a diferença que, dessa vez, a Gata Borralheira é o Seth Rogen.

A direção de Jonathan Levine consegue extrair o melhor da dupla protagonista e aposta em visuais com cores saturadas, expandindo a sensação de novidade que Fred e Charlotte vão vivendo conforme vão se reencontrando. Charlize é a alma do filme. A atriz, que não tem muitas comédias na bagagem, está um verdadeiro espetáculo. Ela flerta entre a seriedade e o humor de forma magistral. E a forma como ela vai se adaptando as extravagâncias de Rogen (e vice-versa) criam um desenvolvimento de personagens de encher os olhos.

Casal Improvável, que está disponível no Amazon Prime Video, é uma reinvenção da comédia romântica, que não poupa brincar com estereótipos e fazer críticas sociais e políticas sem perder o bom humor.

 

Fora de Série (2019)Marcando a estreia de Olivia Wilde na direção, Fora de Série é uma comédia adolescente sobre amizade. A premissa é maravilhosa. Após se formarem no Ensino Médio, a dupla de nerds Amy (Kaitlyn Dever) e Molly (Beanie Feldstein) descobre que os alunos mais largados e populares da escola também se formaram e passaram para boas faculdades, mesmo tendo ido à festas e, bem, curtido bastante a adolescência, em vez de só ficarem no quarto estudando e se comprometendo friamente com a escola.

Revoltadas, elas decidem então tocar o terror e irem à última festa da escola. Só que diversas confusões acontecem no caminho até que elas enfim encontrem o endereço da festa. O grande destaque desse filme é justamente a abordagem que é dada no tratamento das protagonistas.

Em comédias estreladas por mulheres, costuma haver sempre rivalidade entre elas, como se estivessem sempre competindo uma com a outra. Aqui é diferente. Elas são melhores amigas e mesmo sendo bastante diferentes, se entendem e motivam o tempo todo. Molly é mais incisiva, enquanto Amy é mais tímida, e ver essas características aflorando enquanto elas tentam chegar à festa é incrível.

Olivia Wilde consegue fazer um trabalho primoroso trazendo humor para ajudar na aceitação de características diversas e sem precisar apelar para estereótipos típicos de filmes adolescentes. Fora de Série pode ser conferido no Telecine Play.

 

Um Cadáver Para Sobreviver (2016)

Depois de MUITA insistência, esse filme conseguiu enfim ver a luz do dia. Lançado e disponível no catálogo da Netflix, essa comédia dramática traz Hank (Paul Dano) como um jovem perdido há muito tempo em uma praia. Completamente desesperançoso, ele decide se matar, até que encontra um cadáver na areia (Daniel Radcliffe) e sua vida muda de vez.

Acompanhado do morto, Hank percebe que o cadáver se comunica por meio de puns e pode acabar sendo uma companhia útil. E acaba sendo mesmo. O título original é Swiss Army Man, algo como “O  Canivete Suíço Humano”, isso porque o corpo acaba ajudando Hank a sobreviver. Esse é, muito provavelmente, o filme mais estranho e original da década, isso porque eles subvertem a escatologia como algo utilizado exclusivamente para o humor. Quer dizer, os puns passam a ter significado e chegam a momentos que beiram a poesia, enquanto Hank se submete a situações humanamente degradantes e acaba descobrindo aspectos de sua personalidade que ele mesmo não sabia ter.

É um longa que flerta com o humor e o drama acerca da mente humana e se sai muito bom em ambas as empreitadas.

 

Todo Mundo Quase Morto (2004)Primeiro capítulo da Trilogia Cornetto, Todo Mundo Quase Morto mostra a mudança na vida de Shaun (Simon Pegg) e Ed (Nick Frost), dois amigos largadões que dividem um apartamento em meio a um apocalipse zumbi. Grande parte do humor vem da direção de Edgar Wright, que parece sincronizar todos os elementos em tela, como se fosse uma grande coreografia cinematográfica, além das suas já famosas sequências montadas a partir de cortes rápidos, criando sequências hilárias de Shaun idealizando seu plano de fuga junto aos amigos.

A interação entre Simon e Nick, uma das parcerias mais célebres do humor britânico, também faz muita diferença. Eles se entendem bem demais, então fica muito mais fácil comprar a amizade inocente e sacana que eles nutrem. É nesse ritmo que o filme se desenvolve, trazendo críticas sociais, humor pastel, humor sem graça, zumbis, um pouco de amadurecimento e situações realmente inusitadas.

A “trilogia Cornetto” está disponível no Amazon Prime Video.

 

Te Peguei! (2018)Baseado em uma história real, o filme é a prova de que brincadeira é coisa séria. A trama acompanha uma repórter do The Wall Street Journal enquanto ela cobre uma tradição incomum para um grupo de adultos: uma brincadeira de pique-pega.

Estrelado por Jeremy Renner e Ed Helms, o longa conta ainda com Jon Hamm, Isla Fisher e Annabelle Wallis. O roteiro é bem simples, mas muito divertido. Ele reúne os amigos para um último ano da brincadeira, já que o invencível Jerry (Jeremy Renner) anuncia que vai casar e esse será seu último ano participando do pique-pega. Jerry eleva o jogo a níveis absurdo, parece até que é o Gavião Arqueiro brincando com os amigos.

É justamente nas cenas de ação que Te Peguei! se destaca dos demais. Elas são feitas com muita fluidez e a direção dá um tom muito dinâmico. E se o roteiro não preza por se aprofundar muito nos temas debatidos ao longo da trama, o elenco compensa dando um show. Helms está hilário, Hamm exala carisma e Renner leva seu personagem muito a sério, tanto que ele acabou quebrando os dois braços ao mesmo tempo durante as gravações de uma cena de ação. Essa combinação resulta em uma divertida e cativante comédia sobre a vida adulta levada de um jeito menos sério.

O filme ficou pouco tempo em cartaz, foi lançado em uma tiragem limitada de DVD, mas pode ser conferido no HBO GO.

Comentários