Recentemente, Ray Fisher publicou uma série de tuítes para acender a chama sobre as polêmicas envolvendo a investigação interna da WarnerMedia por conta de comportamentos abusivos no set de ‘Liga da Justiça‘.

O intérprete do Ciborgue reforçou que o produtor Geoff Johns seria o próximo a ser demitido da companhia após a saída de Whedon. No entanto, o contrato de Johns permanece estável, contrariando as expectativas do astro.

Por conta disso, ele afirma que a WarnerMedia está protegendo Johns e abafando sua culpa… Há alguns meses, ele até exigiu a troca da equipe investigação.



No entanto, o jornalista Umberto Gonzalez (The Wrap) divulgou alguns detalhes sobre o caso, esclarecendo que toda a operação foi conduzida por uma firma de advocacia externa, indicando que a Warner não poderia interferir.

Em seu perfil do Twitter, o jornalista reproduziu um comunicado do estúdio, que diz:

Aproveite para assistir:



“‘A investigação foi conduzida por uma firma de advocacia externa e liderada por um ex-juiz federal. Mais de 80 pessoas foram entrevistadas’, disse a WarnerMedia em um comunicado sobre as investigações. ‘Temos total confiança em sua eficácia e integridade, e medidas corretivas já foram tomadas. A investigação foi concluída e é hora de seguir em frente’.”

Confira:



Anteriormente,  Fisher disse que Walter Hamada, presidente da DC Films, também compactuou com os abusos de Johns e Whedon.

Por conta disso, ele criticou a renovação de contrato de Hamada.

Fisher parecia irritado ao afirmar que a Warner “esqueceu de mencionar que Hamada estava trabalhando com Johns no mesmo período das refilmagens de ‘Liga da Justiça‘, quando os episódios de abusos foram denunciados.

Confira:

“É estranho como esses anúncios reacionários da Warner Bros sempre esquecem de mencionar que Walter Hamada estava trabalhando diretamente com Geoff Johns e Toby Emmerich (em ‘Shazam!‘) DURANTE as refilmagens de ‘Liga da Justiça‘. Mais em breve.”



Antes disso, o ator disse que nunca mais vai trabalhar com Hamada devido às suas mentiras.

Walter Hamada é o tipo mais perigoso que existe de mentiroso. Suas mentiras e o contato de 4 de setembro da assessoria de imprensa da Warner Bros pretendiam prejudicar as questões reais por trás da investigação sobre Liga da Justiça. Não participarei de nenhum filme produzido por ele”, afirmou.



Entenda o caso

O ator Ray Fisher fez sérias acusações contra o diretor Joss Whedon, alegando que os produtores-executivos Geoff Johns e Jon Berg permitiram um comportamento “nojento e abusivo” durante as filmagens de ‘Liga da Justiça‘.

“O tratamento de Joss Whedon no set com o elenco e na equipe da ‘Liga da Justiça’ foi nojento, abusivo, pouco profissional e completamente inaceitável. Isso foi permitido, de várias maneiras, por Geoff Johns e Jon Berg. Responsabilidade> Entretenimento”, afirmou.

Pouco depois, o diretor Kevin Smith apoiou o ator Ray Fisher e revelou mais detalhes sobre o comportamento de Joss Whedon no set de ‘Liga da Justiça‘.



Segundo ele, já existiam histórias nos bastidores de que Joss Whedon estava “desmerecendo” o trabalho do Zack Snyder.

No episódio mais recente do podcast Fatman Beyond, Kevin Smith endorsou os comentários de Fisher:

“Um dia eu visitei o set de A Ascensão Skywalker, e fiquei conversando com pessoas que tinham trabalhado nas duas versões de Liga da Justiça. O pessoal dos efeitos especiais disse que Joss tinha o hábito de falar mal da versão de Zack [Snyder]. Ele cortava, descartava e era negativo quanto à versão de Zack, que ele havia assistido e que todas aquelas pessoas haviam feito juntas. Eles disseram que o set ficou bem tóxico”, afirmou. 

O ator que viveu o Ciborgue chegou até a alegar que o produtor-executivo Geoff Johns chegou a ameaçar sua carreira.  Após a denúncia, a Warner Bros. começou uma investigação para descobrir a verdade por trás das alegações.

Whedon e Johns permaneceram em silêncio após as alegações de Fisher em julho.


Porém, recentemente a Warner Bros. afirmou que o ator não está colaborando com as investigações.

Leia a declaração completa da Warner Bros.:

Em julho, os representantes de Ray Fisher pediram ao presidente da DC Films, Walter Hamada, que conversasse com o Sr. Fisher sobre suas preocupações durante a produção de ‘Liga da Justiça’. Os dois já haviam se falado quando o Sr. Hamada pediu que ele repetisse seu papel como Ciborgue em Flash, juntamente com outros membros da Liga da Justiça. Em sua conversa de julho, o Sr. Fisher relatou divergências que teve com a equipe de criação do filme em relação à sua interpretação de Ciborgue, e reclamou que as revisões sugeridas do roteiro não foram adotadas. O Sr. Hamada explicou que diferenças criativas são uma parte normal do processo de produção e que o roteirista / diretor de um filme deve, em última instância, ser responsável por esses assuntos. Notavelmente, o Sr. Hamada também disse ao Sr. Fisher que elevaria suas preocupações à WarnerMedia para que eles pudessem conduzir uma investigação.

Embora o Sr. Fisher nunca tenha alegado qualquer conduta indevida contra ele, a WarnerMedia, no entanto, iniciou uma investigação sobre as preocupações que ele havia levantado sobre a representação de seu personagem. Ainda não satisfeito, Fisher insistiu que a WarnerMedia contratasse um investigador independente. Este investigador tentou várias vezes se encontrar com o Sr. Fisher para discutir suas preocupações, mas, até o momento, o Sr. Fisher recusou-se a falar com o investigador. A Warner Bros. continua comprometida com a responsabilidade e o bem-estar de cada elenco e membro da equipe em cada uma de suas produções. Ele também continua empenhado em investigar qualquer alegação específica e confiável de má conduta, que até agora o Sr. Fisher não forneceu.

Vale lembrar que o papel do Ciborgue foi drasticamente reduzido nas refilmagens de Whedon, mas Zack Snyder prometeu que dará ao personagem o destaque merecido no novo corte do filme, que tem previsão de estreia para 2021 na HBO Max

Confira as imagens promocionais:

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE