Melhores Filmes de Terror Psicológico da Década

Melhores Filmes de Terror Psicológico da Década



Do mesmo jeito que gostamos de nos divertir com boas histórias, também temos um apreço inegável pelo susto e pela tensão. Não é surpresa que grande parte do público seja aficionado por filmes e séries de terror e de suspense, envolvendo-se cada vez mais com uma narrativa cujo principal objetivo é nos deixar de boca aberta.

Desde os primórdios do entretenimento, diversos cineastas fundiam em um mesmo lugar os diversos gêneros mencionados acima como forma de nos vender algo original, competente e que nos tirasse algumas horas de sono depois dos créditos finais.

Hoje em dia, o terror psicológico parece ter voltado aos holofotes e permeia com raras exceções cada filmografia contemporânea – e, ainda que certas obras falhem em entregar o que prometem, algumas ganham patamar honrável e disputam lugar no ranking das melhores iterações já produzidas na história.

Por essa razão, separamos doze dos melhores filmes de terror psicológico da década (explorando os longas lançados entre 2010 e 2019, é claro). Confira abaixo as nossas escolhas e conte para nós qual o seu thriller favorito.

12. mãe! (2017)

‘mãe!’ é talvez um dos filmes mais subestimados de todos os tempos justamente por não se prender a nenhum convencionalismo narrativo e arquitetar uma jornada épica, bíblica e de tirar o fôlego em absolutamente cada uma das suas sequências.

Aproveite para assistir:


Funcionando como mais uma bela alegoria de Darren Aronofsky para a mitologia católica que está presente em nossa cultura há mais de dois mil anos, o longa se assemelha a um agonizante pesadelo que foca na conturbada relação da personagem-titular (Jennifer Lawrence) e de seu marido (Javier Bardem), na qual ela se submete das mais diversas formas às loucuras do patriarca da família enquanto observa impotente sua casa se desmoronar à sua volta.

11. Aniquilação (2018)

Natalie Portman é conhecida por diversos papéis marcantes na indústria cinematográfica, e Aniquilação pode ser encarado como seu projeto mais ambicioso. No thriller sci-fi, a atriz dá vida à bióloga Lena, que procura por respostas depois do desaparecimento do marido e se une a um grupo de mulher para investigar o “The Shimmer”, área selada pelo governo e classificada como zona de desastre químico.

Apesar das críticas negativas, a produção recuperou as glórias da ficção científica de terror e construiu um cosmos intelectual e complicado demais para o público da Netflix. Entretanto, com um pouco mais de atenção, é bem fácil entender o motivo da obra ser uma pequena joia do entretenimento contemporâneo – ainda mais pela competente atuação de seu elenco protagonista.

10. Nós (2019)

O diretor Jordan Peele ganhou aclame universal alguns anos antes com o lançamento de Corra!’, levando para casa o Oscar de Melhor Roteiro Original. E com Nós, ele voltaria aos holofotes com um competente terror psicológico liderado pela sempre ótima Lupita Nyong’o.

Apesar dos claros deslizes, o longa se arrisca em território quase nunca antes explorado, arquitetando uma agonizante aventura que mescla a ácida comédia de suas produções com um hábil thriller em que uma família é forçada a enfrentar seus doppelgängers (ou seja, suas cópias idênticas e muito mais perigosas).

9. Precisamos Falar sobre o Kevin (2011)

Baseado no romance homônimo de Lionel Shriver, Precisamos Falar sobre o Kevin é uma produção que não se importa em ser cruel e visceral, explorando ao máximo sequências de tensão entre seus personagens principais e atrocidades que tangencia as patologias sociopatas de seu personagem-titular.

A história gira em torno da traumatizada Eva (Tilda Swinton), que tenta retomar as rédeas de vida após uma tragédia familiar. Com o nascimento de seu primogênito, Kevin (Ezra Miller), a mãe e escritora percebe que seu filho nutre uma hostilidade assustadora por ela e a transforma em alguém infeliz e marcada pelo terror.

8. Rua Cloverfield 10 (2016)

‘Cloverfield – Monstro’ reviveu os filmes em found-footage com uma interessante, ainda que convencional, história de monstros – mas não seria até sua inesperada sequência que a franquia ganharia aclame considerável por parte do público e da crítica.

Anunciado em uma surpresa bem-vinda pelo produtora J.J. Abrams, Rua Cloverfield 10é a segunda parte da trilogia cinematográfica que gira em torno da jovem Michelle (encarnada por Mary Elizabeth Winstead), a qual sofre um grave acidente de carro e acorda acorrentada num bunker pelo misterioso Howard (John Goodman). Após entender que ela, na verdade, foi resgata de uma invasão alienígena, Michelle começa a se perguntar se tudo aquilo é real ou se é uma ilusão criada por um psicótico e complexado homem.

7. A Bruxa (2015)

Ao longo dos séculos, as mística e perigosas criaturas conhecidas como bruxas permearam o imaginário popular e foram revisitadas diversas vezes tanto pelo cinema quanto pela televisão. Em 2015, o diretor Robert Eggers procurava fornecer uma perspectiva nova para o que se tornaria uma das grandes obras do ano: A Bruxa.

O terror de arte é ambientado no século XVI, num vilarejo movido pelo medo e pela inquisição religiosa em que qualquer coisa fora do norma era encarada como satanismo. As coisas ficam ainda mais perigosas quando uma família exilada presencia eventos aterrorizantes na beira de uma floresta, levando-os à loucura e a um massacre visceral e chocante.

6. Contágio (2011)

Assim como as bruxas, epidemias virais e mortais também já foram tema exaustivo de diversos thrillers – o que poderia no levar em uma direção subestimada de Contágio, encabeçado por Steven Soderbergh. Felizmente, o positivo resultado recuperou as glórias desse suis-generis e tornou-se uma das histórias mais tensas da década.

Além de seu elenco de ponta (com nomes como Jude Law, Marion Cotillard, Gwyneth Paltrow e Matt Damon), o longa se construiu em um estilo multi-narrativo um tenso conto que explorou a perda do sentido social a partir de uma pandemia incontrolável que, eventualmente, encontra uma vacina em uma conclusão de tirar o fôlego.

5. Corra! (2017)

A estreia diretorial de Peele não poderia vir em hora melhor – e não é surpresa que tenha sido aclamado pela crítica especializada e levado para casa diversos prêmios. Em uma simples, porém competente narrativa, o cineasta mergulhou no mais puro do terror e ainda teve espaço de sobra para analisar as questões raciais que até hoje são necessárias para a compreensão da configuração social contemporânea.

O longa gira em torno de Chris (Daniel Kaluuya), um jovem rapaz que viaja até a casa de sua namorada Rose (Allison Williams) para conhecer os sogros e descobre que a família tem um terrível segredo e um senso se superioridade branca extremamente perigoso. A obra foi considerada uma versão bem mais tensa do thriller satírico Mulheres Perfeitas (2004).

4. Ilha do Medo (2010)

Martin Scorsese não costuma nos decepcionar em suas investidas cinematográficas – e isso não seria diferente com o terror psicológico neo-noir Ilha do Medo, estrelado por Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo e Michelle Williams.

Baseado no romance homônimo de Dennie Lehane, o filme gira em torno de Edward “Teddy” Daniels (DiCaprio), um agente do serviço secreto estadunidense que investiga uma clínica psiquiátrica numa remota ilha depois que um dos pacientes desaparece; entretanto, os segredos daquele lugar são mais obscuros do que se possa imaginar, arrastando Teddy para uma luta contra a loucura e pela sua vida.

3. Cisne Negro (2010)

Aronofsky é cineasta sem qualquer tipo de filtro cinematográfico, razão pela qual é um dos melhores de sua geração. Desde ‘Réquiem para um Sonho’ até o subestimado ‘Noé’, o diretor explora temas da psique humana como ninguém – e não pensa duas vezes antes de deixar bem claro que o destino de todos é a tragédia.

Em Cisne Negro, Aronofsky explora os cruéis bastidores do ballet clássico ao recontar a história do Lago dos Cisnes. Aqui, a jovem e introvertida bailarina Nina (Portman) enfrenta sua mãe (Barbara Hershey) e seus demônio interiores para ascender ao papel principal da peça, estando disposta ao impensável para conseguir o que quer.

2. Animais Noturnos (2016)

Tom Ford retornou aos holofotes nos últimos anos ao deixar um pouco de lado seu império da moda e criar um dos melhores (e menos reconhecidos) longas-metragens da década: Animais Noturnos.

Ford mostra seu apreço pelas narrativas neo-noir ao arquitetar um tour-de-force intimista que arranca uma das melhores atuações de Amy Adams como a curadora Susan Morrow, que recebe a primeira versão do romance assinado por seu ex-marido (Jake Gyllenhaal) e começa a perceber similaridades entre ele e seu conturbado relacionamento, chegando a acreditar que ele, na verdade, a queria morta por ter quebrado seu coração.

1. Garota Exemplar (2014)

Ambientado em Missouri, Garota Exemplar conta a história de Nick (Ben Affleck), que se torna o principal suspeito do desaparecimento de sua esposa, Amy (Rosamund Pike). O thriller encabeça uma das melhores investidas de mistério e une diversos gêneros em um único lugar – típico da capacidade cinematográfica indiscutível do diretor David Fincher.

O longa é baseado no romance homônimo de Gillian Flynn e recebeu aclame universal por parte da crítica especializada e por parte do público. A condução da história e a aplaudível atuação de seu elenco se tornaram alguns dos aspectos mais notáveis da investida fílmica, o que explica o número exponencial de prêmios que levou para casa.

Pike foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz, enquanto Fincher foi nomeado à categoria de Melhor Diretor na 72ª edição do Globo de Ouro. Como se não bastasse, a trilha sonora composta por Trent Reznor e Atticus Ross também marcou presença na premiação do Grammy, por Melhor Trilha Sonora.



COMENTÁRIOS