sexta-feira, julho 12, 2024

Os paralelos entre as histórias de ‘Arremesso Final’ e ‘Space Jam: O Jogo do Século’

Space Jam: Um Novo Legado chegou aos cinemas na última semana, fazendo com que o interesse pelo longa original aumentasse. No Brasil, esse interesse cresceu em 2020, com o lançamento de Arremesso Final, produção original da Netflix em parceria com a ESPN, que contou a história da Era Dourada do Chicago Bulls e o surgimento do ícone Michael Jordan, incluindo um episódio que abordava as gravações de Space Jam: O Jogo do Século. Nos Estados Unidos, por exemplo, a série estreou com recorde de audiência, batendo mais de 6.3 milhões de espectadores na ESPN.

Tomando conhecimento dos casos de bastidores daquele histórico elenco do Bulls e das polêmicas pessoais que Jordan teve ao longo da carreira, mas que não chegaram com tanta força aos noticiários brasileiros, os fãs começaram a traçar paralelos entre os acontecimentos retratados no Space Jam original com casos da vida real, fazendo com que O Jogo do Século fosse praticamente uma biografia não autorizada de Michael Jordan muito antes da série da Netflix chegar ao público.

Por exemplo, ao longo da série, o público tem acesso aos controversos jogos de golfe que Michael disputava. As partidas não eram apenas para relaxar, já que a sede por vencer em tudo o levou a fazer diversas apostas, envolvendo dinheiro e apostadores envolvidos em esquemas ilegais. Acontecimento que causou um arranhão no status de divindade que Michael Jordan tinha. Em Space Jam, Jordan é sequestrado pelos Looney Tunes por um buraco de golfe, durante uma partida em que apostava com os amigos, causando um choque no mundo do basquete.

Além disso, a trama de Space Jam é baseada na história real de Jordan, que decidiu se aposentar do basquete logo após o tricampeonato da NBA com o Chicago Bulls e tentar uma carreira no Baseball, para tentar realizar um sonho antigo do pai, que foi assassinado pouco tempo antes. Michael assinou com a franquia Chicago White Sox, mas ele não conseguiu repetir o sucesso das quadras, e acabou jogando a temporada de 1994 pelo Birmingham Barons, time “C” do White Sox. Assim como é retratado no filme, os estádios ficaram lotados naquela temporada para ver Michael Jordan, que não correspondeu às expectativas. Em 1995, ele retorna para a NBA, os Bulls são eliminados pelo Orlando Magic, mas depois engatam mais um tricampeonato.

Com desempenho abaixo dos padrões da liga, Jordan foi uma decepção em campo

Em certa cena, o assessor/publicitário Stan Podolak (Wayne Knight) entra no quarto de Michael Jordan e diz a seguinte frase: “Come on, Michael, it’s game time. Get your hanes on, grab your Wheaties and your Gatorade. We’ll pick up a Big Mac on the way to the ball park”. É uma das linhas com maior número de patrocinadores citados na história do cinema. Até hoje, mesmo já estando aposentados há muito tempo, Michael Jordan ainda é o astro que mais fatura no mundo da NBA. Atualmente, Jordan é dono da franquia Charlotte Hornets, que rende um bom lucro. Mas ainda assim, a bolha publicitária que acompanhou Michael ao longo da carreira foi alvo de incontáveis debates nas “mesas redondas” dos Estados Unidos. Essa frase inserida no filme foi um grande deboche aos críticos.

Michael Jordan foi um dos garotos propaganda do Big Mac

Por fim, nenhum paralelo ficou tão evidente quanto Jerry Krause e o Sr. Swackhammer (Danny DeVito). O grande vilão da trama é um alien baixinho, gordinho, sempre ostentando um charuto na boca e dono de um parque de diversões em decadência, chamado Montanha Bobolândia. Vendo que as atrações do parque ainda funcionavam, mas estavam com os dias contados, ele chama seus empregados para sequestrarem uma nova geração de atrações: os Looney Tunes. Mais tarde no filme, o Sr. Swackhammer faz uma aposta com Michael Jordan: se ele perder, ficará na Montanha Bobolândia como escravo para sempre, distribuindo autógrafos, perdendo jogos de propósito e tirando fotos com fãs.

Krause teve muito sucesso como dirigente, mas não escapou das polêmicas

Conforme mostrado na série, Jerry Krause foi o gerente-geral dos Chicago Bulls na dinastia dos anos 90. Responsável pela montagem do elenco hexacampeão da NBA, Krause foi um executivo de muito sucesso, mas colecionou uma série de polêmicas com os jogadores, principalmente com o grande astro da equipe: Michael Jordan. Jerry Krause queria mostrar quem era o chefe da equipe, e Michael, que era amado pelos torcedores e referência para os jogadores, não aceitava a imagem de chefão que Krause tentava impor.

Ou seja, além de questão financeira – já que Krause se recusava a pagar salários mais altos, conforme alguns jogadores solicitavam -, era uma questão de ego. Trabalhando sempre visando a parte financeira e comercial, que era afinal sua função no clube, Jerry fez contratações que mexeram com o vestiário e causaram mágoas que perduram até hoje, mesmo com o dirigente tendo falecido em 2017, como a situação envolvendo Scott Pippen.

A imprensa americana dizia que Krause se referia aos jogadores, nos bastidores, como: “aqueles idiotas”

Desafeto de Jordan, Jerry Krause era baixinho, gordinho e tinha um jeitão de empresário. Ele também considerou que a franquia do Chicago Bulls estava envelhecida e precisava de renovação após aquela série de títulos conquistados, o que causou a revolta do elenco e culminou na saída de Jordan. Por isso a associação repentina de Jerry Krause ao Sr. Swackhammer.

Não deixe de assistir:

Arremesso Final está disponível no catálogo da Netflix. Space Jam: O Jogo do Século está no catálogo do HBO Max e Space Jam: Um Novo Legado está em cartaz nos cinemas do Brasil.

Mais notícias...

Pedro Sobreirohttp://cinepop.com.br/
Jornalista apaixonado por entretenimento, com passagens por sites, revistas e emissoras como repórter, crítico e produtor.

Siga-nos!

2,000,000FãsCurtir
370,000SeguidoresSeguir
1,500,000SeguidoresSeguir
183,000SeguidoresSeguir
158,000InscritosInscrever

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MATÉRIAS

CRÍTICAS