Continuando nossa série de matérias especiais sobre a icônica voz do R&B Alicia Keys, separamos uma breve lista com seus dez melhores videoclipes.

Para tanto, levamos em consideração todas as iterações em que Keys aparece ao menos como colaboração – colocando-as em ordem cronológica em vez de ranqueá-las.

Confira abaixo nossas escolhas e conte para nós qual o seu favorito:



FALLIN’

Há vinte anos, Keys fazia sua estupenda e massiva estreia no mundo da música com o single “Fallin'”, acompanhado de um dos seus videoclipes mais icônicos. Dirigido por Chris RobinsonAndrew Young, a obra se afasta das outras iterações R&B e prefere focar apenas na cantora e em seu piano, sem danças. A narrativa a mostra em direção a uma prisão para visitar seu namorado.

A WOMAN’S WORTH

O videoclipe de “A Woman’s Worth” é continuação do single de estreia da artista. Trazendo Robinson de volta à direção, a obra é composta por todos os elementos clássicos da estética dos anos 2000, incluindo os enquadramentos em close-up e as câmeras lentas. Aqui, Keys ajuda seu namorado a tomar as rédeas de sua vida depois de ser liberado do encarceramento.

YOU DON’T KNOW MY NAME

Aproveite para assistir:





O primeiro curta-metragem da carreira de Alicia Keys foi comandado (sim, você acertou) por Robinson mais uma vez, um frequente colaborador que ajudou a colocá-la no centro dos holofotes. Girando em torno de um amor platônico, a artista interpreta uma garçonete que passa seus dias sonhando com um cliente que nem ao menos sabe seu nome – eventualmente conseguindo conversar com ele.

IF I AIN’T GOT YOU

Inspirada pela morte da icônica Aaliyah“If I Ain’t Got You” é uma das músicas mais conhecidas de Keys – e não poderia deixar de ter um clássico videoclipe. Com uma imagética mais madura que suas incursões anteriores, o clipe foi dirigido por Diane Martel e ganhou o mundo por sua simplicidade e sua química ao lado do rapper e ator Method Man.

NO ONE

Outra iteração clássica da discografia de Alicia Keys, a semi-balada “No One” é acompanhado de um sofisticado videoclipe encabeçado por Justin Francis que, em comparação com a lírica romântica, resolve colocá-la em ativa simbiose com os múltiplos instrumentos que sabe tocar, incluindo o piano.



EMPIRE STATE OF MIND

“Empire State of Mind” pode ter trazido Keys como colaboração de uma das entradas mais famosas do rapper Jay-Z, mas integra sua discografia com um peso considerável. A estética vintage e frenética arquitetada por Hype Williams é irretocável, ainda mais pelo filtro preto e branco e pela celebração altiva de uma das cidades mais icônicas do mundo, Nova York.

UN-THINKABLE (I’M READY)

Dirigido por Jake Nava, Alicia resolveu colocar o tema dos relacionamentos interraciais em voga ao se apaixonar por Chad Michael Murray nessa breve narrativa. Aqui, a performer encarna diversas versões de si mesma, desde os anos 1950 com figurinos clássicos da época até o presente em uma ode espiritista à reencarnação.

GIRL ON FIRE

Elogiado pela impactante paleta de cores e pela comedida condução de Sophie Muller“Girl on Fire” colhe frutos de seu impacto na música e na própria carreira de Alicia Keys até hoje. Unindo sensualidade e drama em uma história sobre maternidade e sobre empoderamento feminino, Keys traça relações com os filhos e com a própria mãe no clipe, exaltando a importância multigeracional do amor e do respeito – e um breve flerte com o clássico ‘Mary Poppins’.



BRAND NEW ME

Servindo como contraponto para “Girl on Fire”, “Brand New Me” retomou a colaboração de Keys com Martel para ainda assim uma nova reinvenção artística. Diferente das cores triunfantes do videoclipe anterior, a sóbria e minimalista estética é uma metáfora para relacionamentos abusivos, sejam eles amorosos ou profissionais, colocando-a numa jornada pelo autodescobrimento.

UNDERDOG

Como parte de um de seus mais importantes álbuns, ‘ALICIA’, Keys resolveu continuar as incursões sociopolíticas que vinha arquitetando em ‘HERE’ (sua magnum opus). Para tanto, ela aliou o upbeat da canção “Underdog” a uma reflexiva mensagem visual que celebra os oprimidos, dançando em diversos cenários como forma de dizer que tudo vai ficar bem.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE