Oscar 2019 | Melhor Ator Coadjuvante – Nossos Palpites para os Indicados

Oscar 2019 | Melhor Ator Coadjuvante – Nossos Palpites para os Indicados


Sim, amiguinhos! A temporada de prêmios já está entre nós. 2018 passou voando, como de praxe, e já estamos na reta final do ano. Só nos resta um pouco mais de um mês para que 2019 se forme diante de nossos olhos e mais uma edição do Oscar traga o que de melhor passou pelas telas mundiais. É claro que antes da maior premiação do mundo do cinema, outras de grande importância irão aportar – como os prêmios dos Sindicatos e o Globo de Ouro (ambos fortes termômetros para as indicações nos prêmios da Academia).

Os especialistas já começaram a falar e apontar, e nós do CinePOP também iremos dar nossos pitacos sobre o que pode acontecer no próximo janeiro. Lembrando que até lá ainda tem muito chão e favoritos agora podem perder força, e vice versa. Lembrando também que a maioria destas produções ainda não aportaram em nosso país.

Oscar 2019 | MELHOR ATRIZ – Nossos Palpites para as Indicadas

Sem mais delongas, vamos conhecer os potenciais candidatos para a categoria de Melhor Ator Coadjuvante.



Mahershala Ali

Este parece garantido. Vencedor do Oscar de coadjuvante em 2017 por Moonlight: Sob a Luz do Luar, o talentosíssimo Mahershala Ali deu o pulo do gato em sua carreira. De ator secundário em participações onde já demonstrava sua versatilidade, Ali agora vem entrando no time A, aumentando seu tempo de cena e ganhando destaque como protagonista (como é o caso com a terceira temporada de True Detective).

Em Green Book: O Guia, no entanto, suas chances no Oscar são na mesma categoria que o consagrou. No filme de Peter Farrelly, que já vem sendo chamado de uma versão moderna de Conduzindo Miss Daisy (1989), Ali interpreta um músico norte-americano em uma sociedade ainda muito racista no sul dos EUA na década de 1960. Viggo Mortensen vive seu motorista e está cotado para a categoria de ator. O filme também desperta falatório de indicação e soa como o feel good do ano.

Oscar 2019 | Melhor Ator – Nossos Palpites para os Indicados

Timothée Chalamet

Saindo de um queridinho da Academia para outro. Se Mahershala Ali teve em Moonlight o divisor de águas em sua carreira, o mesmo pode ser dito do menino Chalamet após o estrondoso sucesso do romance Me Chame pelo Seu Nome – que deu o que falar nas premiações deste ano. É inegável que o longa fez o nome do rapaz, e o ator de 22 anos pode chegar forte no próximo ano novamente.

Desta vez, porém, Chalamet encararia a categoria de coadjuvante, ao contrário da principal como este ano. E o filme que poderá coloca-lo novamente junto da nata de Hollywood é Beautiful Boy, no qual atua ao lado de Steve Carell, ator que busca igualmente sua indicação. O curioso do drama é que soa exatamente como o trecho mais comentado de Me Chame pelo Seu Nome (a cena entre pai e filho), alongando para as duas horas de um filme. Beautiful Boy retrata o relacionamento de um pai tentando tirar seu filho do mundo das drogas.

Oscar 2019 | Melhor Atriz Coadjuvante – Nossos Palpites para as Indicadas

Sam Elliott

Outro que parece já ter conquistado seu lugar na categoria é o veterano Sam Elliott. E isso é o mais gostoso do mundo do cinema e das premiações: a diversidade, as misturas. Ver um ator novato chegar no pedaço conquistando seu terreno, e ao mesmo tempo veteranos aparentemente esquecidos dando a volta por cima e retornarem ao topo da cadeia alimentar da profissão. Este é justamente o caso de Elliott, um ator com 99 créditos no currículo, entre séries, minisséries, filmes e produções para a TV, cuja carreira data do final da década de 1960.

Como o mundo nem sempre é justo, esta verdadeira lenda viva nunca foi indicado ao Oscar e pode ter com Nasce uma Estrela sua primeira grande chance, aos 74 anos. No filme dirigido e protagonizado por Bradley Cooper (favorito a esta altura na categoria de ator), Elliott vive justamente o irmão mais velho do personagem principal, e emociona com os embates fraternais.

Adam Driver

Agora começa a parte das incertezas. Se os primeiros três itens da lista são praticamente garantias, a partir de agora tudo pode acontecer. Um dos que pode muito bem entrar é Adam Driver, há tempos considerado um ator para ficarmos de olho. Em Infiltrado na Klan, o ator transparece com exatidão o retrato de um policial correto, enfiado num contexto social ainda muito equivocado, que tenta dentro do possível fazer o certo.

O filme do veterano Spike Lee foi um tremendo sucesso de crítica e público por onde passou e sua indicação na categoria principal já é tida como certa. No terreno das atuações o nome que se destaca é o de Driver, mas ele não vem sozinho e pode ter seu tapete puxado por colegas de elenco. Dois nomes vem à mente na categoria: Topher Grace, que vive o lunático líder da Klan, e o veterano Harry Belafonte – que numa única cena consegue gelar nossas espinhas como poucos intérpretes conseguiriam.

Michael B. Jordan

É inegável que representatividade importa. E poucos filmes este ano foram tão significativos socialmente quanto Pantera Negra. Se a Academia irá reconhecer isto são outros quinhentos. Contra o longa de Ryan Coogler, o fato de ser um filme de super-heróis, ainda recebido com certo desdém pelos votantes da velha guarda. Justamente daí a proposta de criação da categoria dos filmes populares. No entanto, se Pantera Negra e Jordan tiverem que fazer, que façam bonito e entrem nas categorias principais.

No longa, Jordan vive talvez o personagem mais interessante da casa de ideias, um sujeito dúbio, que existe na tênue linha acinzentada entre o bem e o mal. Não existe dúvida aqui do talento do ator e Jordan merece uma indicação. O problema pode ser a concorrência.

Russell Hornsby

Por falar em representatividade, O Ódio que Você Semeia é um dos filmes mais comentados da temporada, que aborda justamente tal tópico. O racismo entra em pauta no longa baseado no livro de sucesso, escrito por Angie Thomas. Quem já pôde conferir afirma ser um dos mais pungentes e necessários de 2018, e com este peso pode figurar entre os indicados ao Oscar dentre as inúmeras categorias.

Das principais, uma que talvez respingue seja a de coadjuvante para o ator Hornsby, que vive o patriarca da família Carter. Na pele de Maverick ‘Mav’, o ator já em sua primeira cena deixa a plateia atônita ao ensinar os filhos negros como proceder caso parados pela polícia. Esta lição virá à tona de forma bem real, já que o principal tema do longa é justamente o racismo e o abuso da força policial. Se o filme crescer nesta reta final, a indicação de Hornsby chega junto.

Richard E. Grant

Um dos nomes menos comentados desta temporada é o do ator britânico, visto ano passado na pele do Dr. Rice no sucesso Logan. O ator, que faz parte do elenco do vindouro Episódio IX de Star Wars, poderá ficar diante de um momento decisivo em sua carreira, com uma possível indicação ao Oscar na temporada que segue. Can You Ever Forgive Me?, ou Poderia me Perdoar? é um drama estrelado por Melissa McCarthy (sim, você leu certo), que relata a história real de uma falsária.

A esta altura, McCarthy tem grandes chances de indicação e quem sabe de vitória. O longa de Marielle Heller marca atualmente 98% de aprovação dos críticos, podendo se mostrar uma das surpresas da próxima edição do Oscar. Na esteira de tal prestígio, Richard E. Grant se destaca na pele de Jack Hock, confidente da escritora Lee Israel (McCarthy).

Russell Crowe

O ator mais consagrado da lista, o australiano Russell Crowe coleciona três indicações ao Oscar (O Informante, Uma Mente Brilhante) e uma vitória por Gladiador (2000). Sumido desde então do radar de premiações, Crowe pode retornar ano que vem ao auge da carreira com uma possível indicação por seu desempenho em Boy Erased: Uma Verdade Anulada, filme sobre a infame cura gay, que traz consigo uma bagagem de muito prestígio. Além do tema necessário e atual, o filme é recheado de talento.

O filme dirigido pelo ator Joel Edgerton – que vem se revelando um diretor de mão cheia, traz performances chamativas de seu elenco principal, o trio encabeçado por Lucas Hedges, Nicole Kidman e Crowe – o que pode fazê-los emplacar nas categorias de ator principal, atriz e ator coadjuvantes. Mas não apenas isso, e o próprio Edgerton é cotado para coadjuvante também.

Daniel Kaluuya

Tá certo que a esta altura ainda não estou nem perto de ter assistido aos principais candidatos a indicações ao Oscar – bem, vamos colocar que não assisti a muitos ainda. Seja como for, um que já tem minha torcida de antemão dentre os que pude conferir é o carismático jovem ator Daniel Kaluuya. Entre suas atuações marcantes em Sicário: Terra de Ninguém (2015), no seriado Black Mirror (2011) ou no fenômeno Corra! (2017), o carismático ator demonstrou versatilidade, mas nada nos prepararia para sua atuação como um dos vilões mais amedrontadores do ano.

Em As Viúvas, de Steve McQueen, o ator vive seu personagem mais ameaçador, o matador Jatemme. O psicótico criminoso está participando de uma campanha política a fim de eleger um mafioso a um cargo público. Seu nível de ameaça e intimidação é equivalente ao de Javier Bardem no neo clássico Onde os Fracos não tem vez (2007), ou seja, não é pouca coisa.

Outras Possibilidades:

Brian Tyree Henry – Se a Rua Beale Falasse
Steve Carell – Vice
Sam Rockwell – Vice
Harry Belafonte – Infiltrado na Klan
Bradley Cooper – A Mula
Michael Peña – A Mula
Jonathan Pryce – The Wife
Oscar Isaac – No Portal da Eternidade
Sebastian Stan – O Peso do Passado
Topher Grace – Infiltrado na Klan
Armie Hammer – On the Basis of Sex
Michael Shannon – What They Had
Lin-Manuel Miranda – O Retorno de Mary Poppins
Nicholas Hoult – A Favorita
Hugh Grant – Paddington 2
Joel Edgerton – Boy Erased: Uma Verdade Anulada
Kyle Chandler – O Primeiro Homem
Jonah Hill – A Pé Ele Não Vai Longe
Matthew McConaughey – White Boy Rick
Stephen James – Se a Rua Beale Falasse
Casey Affleck – The Old Man & the Gun
John C. Reilly – The Sisters Brothers
Josh Hamilton – Eighth Grade





Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » http://goo.gl/mPcJ5c