Crítica | O Duelo

Crítica | O Duelo

COMPARTILHE!

Comédia nacional bem representada

O Duelo é um filme convencional, um filme à moda antiga. Parece feito em outra época, longe de qualquer modernidade, o que inclui a narrativa. Sua amenidade, o que será um trunfo na visão de muitos (já que passa longe do mau gosto, piadas de baixo calão e bobeiras de qualquer tipo, que costumam dominar o gênero no cinema nacional), também poderá ser considerada seu calcanhar de Aquiles para tantos outros.

É muito bom ver cinema brasileiro de qualidade. É melhor ainda ver uma comédia nacional de qualidade. Em geral, o gênero ainda permanece como o mais marginalizado de críticas favoráveis – pertinentemente, diga-se. É muito bom ver num fim de semana, estreias como Meus Dois Amores, baseado no texto “Corpo Fechado”, de Guimarães Rosa, e este O Duelo, baseado no texto “Os Velhos Marinheiros”, de Jorge Amado.

patricia-pillar-e-joaquim-de-almeida-no-filme-o-duelo-original

É exatamente isto que ganhamos a partir desta quinta-feira nos cinemas brasileiros, duas produções baseadas em dois dos mais cultuados autores de nossa pátria. Distribuído pela Warner, o filme traz o português Joaquim de Almeida na pele do pomposo Capitão Vasco Moscoso de Aragão. O sujeito honrado e cheio de si chega para mudar a pequena cidade costeira de Periperi, Salvador, Bahia, como seu novo morador.

Participe do nosso GRUPO ESPECIAL do Facebook » https://goo.gl/kg8NYU

     

Não demora, para que o protagonista faça amizades e comece a enaltecer os ouvidos dos humildes e simplórios residentes com suas histórias ricas de aventuras pelo mundo, e repletas de ardentes paixões. Logo, o sujeito se torna o mais ilustre morador o local.  Isto é, até a volta de Chico Pacheco (vivido pelo saudoso José Wilker) para a cidade, que enciumado pela atenção que Vasco vem recebendo, começa a duvidar de suas realçadas proezas.

2012.04.16-O-Duelo-00602222

O teor do filme casa perfeitamente com a história narrada, ao ponto de não conseguirmos distinguir a época apresentada. Esta poderia muito bem ser uma trama passada na década de 1950, se não a for. Essa qualidade de história antiga, quase não contada nos dias cínicos de hoje, é uma das coisas que mais atraem em O Duelo. É sabido que tal integridade, ou a pretensão dela, é algo perdido no tempo.

Voltando para a trama, a inveja fala mais alto e o personagem de Wilker se vê decidido a provar que o protagonista é nada mais do que uma fraude. Neste momento, ganhamos o backstory do personagem principal, ao que o filme se divide em dois, contado agora através de um longo flashback. Existe ainda na trama o último terço do todo, o terceiro ato, que divide mais uma vez a obra em um filme particular, com o protagonista precisando viajar no comando de um grande cruzeiro.

bastidores-de-o-duelo-um-dos-ultimos-filmes-com-jose-wilker-no-elenco-com-estreia-prevista-para-segundo-semestre-filme-e-baseado-em-os-velhos-marinheiros-romance-de-jorge-amado-1397144110186_956x500

O ar de “filme feito para a TV”, ou “especial de TV” é um argumento válido. Também não está equivocado o sentimento de estranheza em relação aos fragmentos que a obra possui, que como dito, transforma o filme em três, sem tanta coesão. São apenas dois momentos de brilho técnico, que tiram o comando da obra do automático. Um giro de 360 graus envelhece o protagonista até seu estado atual, e um jogo de pôquer termina com sabor mais agradável devido ao estilo visual impresso, com closes pausados de expressões faciais, pelo diretor.

Marcos Jorge, do elogiadíssimo Estômago (2007), é o cineasta por trás da obra. E aqui entrega uma produção completamente diferente, menos ousada, porém, mais palatável ao grande público. Isso sem comprometer a integridade do texto de Amado, ou sequer a qualidade geral do teor simples, mas não dispensável. Joaquim de Almeida atrai instantaneamente, e nos faz acompanhar de perto, sem querer tirar os olhos, a fascinante jornada deste, nem sempre correto, líder. O Duelo possui qualidades de sobra, entre elas uma despedida digna para o veterano Wilker. Se formos levar em conta o resultado da maioria das comédias nacionais, aí sim é que esta produção ganha ainda mais força.

 


As Duas Cenas Pós-Créditos de Liga da Justiça


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.