Clichês Sem Fim

Clichê: Molde ou vulgaridade que a cada passo se repete com as mesmas palavras. Chavão, Lugar Comum. O novo Amor Sem Fim se encaixa perfeitamente em tais definições. É claro que muita gente não se importa com isso, e que as românticas inveteradas de plantão preferem ver a mesma história repetidas vezes, já acostumadas com a estrutura da cartilha, do que verem apresentado algo que pode não satisfazê-las emocionalmente.

É claro também que quando esta história foi contada pela primeira vez, em 1979, pelo romancista norte-americano Scott Spencer em seu livro, as coisas eram diferentes. A adaptação do livro para as telonas chegava numa época de boom para romances melosos e dramáticos, desses que nos deixam arrasados com o coração doendo ao sairmos da sessão. Love Story havia impactado o público há uma década, e na nova chegavam produções como A Lagoa Azul (1980), filme ícone do romance intenso.

CinePop 2

O tema do romance entre um sujeito de origem humilde se apaixonando por uma jovem da alta sociedade não é novo, no entanto Amor Sem Fim (1981) foi impulsionado fortemente para se tornar um sucesso massificado. Primeiro, contava com a direção do cineasta italiano especialista em Shakespeare, Franco Zeffirelli, responsável por A Megera Domada (1967), Othello (1986) e pela versão mais conhecida de Romeu & Julieta (1968) até então.

Segundo, trazia no elenco a jovem estrela Brooke Shields, que ganhou os holofotes justamente pelo filme A Lagoa Azul, no ano anterior. E terceiro, porque contava com a marcante canção de Lionel Richie e Diana Ross, usada como tema do filme, de mesmo nome. Amor Sem Fim se tornava o grande romance da época nos cinemas. Agora, uma nova versão chega, seguindo a interminável tendência das refilmagens, com a proposta de apresentar a obra para toda uma nova geração. E olhe só, o resultado é, digamos, decepcionante.

Aproveite para assistir:

CinePop 5

Todos reclamam das refilmagens. Simplesmente pelo fato de existirem. O problema não é esse. O que acontece é que a maioria dos filmes que são repaginados, tinham uma razão de ser para suas determinadas épocas, e tinham o que dizer sobre o período de onde vinham. O comportamento simplesmente era outro. Ou seja, muitas das obras reimaginadas precisam de toda uma nova estrutura para caber na atualidade. Não é aceitável apenas mostrar carros novos e interação através de mídias sociais. A ideia por trás precisa ser remodelada.

É justamente o que ocorre com a nova versão de Amor Sem Fim, um filme que parece saído dos anos 1980, ou quem sabe de antes disso até. Tudo é muito antiquado e parece existir somente em seu próprio universo. O erro maior está justamente onde deveria ser sua maior força, o comportamento da dupla principal. O filme seria muito mais eficiente se mostrasse como dois jovens atuais, em pleno ano de 2014, realmente se comportariam em tais situações.

CinePop 6


Alex Pettyfer vive David Elliot, rapaz de origem humilde, que trabalha como manobrista em um restaurante chique, e estuda na mesma escola da solitária Jade Butterfield, vivida pela bela Gabriella Wilde (substituindo Brooke Shields). Embora vindos de mundos diferentes, a afeição dos dois cresce e o relacionamento surge com a perfeição de um comercial de TV, desses que mostram apenas felicidade e sorrisos. A menina de poucos amigos esconde uma tragédia familiar, com a morte de um irmão. O herói apaixonado igualmente precisou lidar com a traição e abandono da mãe.

Agora, a dupla tem pela frente como maior obstáculo de seu amor, o próprio pai da menina, vivido por Bruce Greenwood, que fará de tudo para afastá-los. Amor Sem Fim não chega a comprometer nossa inteligência, nem mesmo é um filme ruim. Tudo é bem elaborado e a dupla de protagonistas até possui química. O maior problema é justamente a grande falta de originalidade, e o roteiro que segue de perto a cartilha de filmes assim (obviamente o casal irá brigar perto do desfecho, somente para depois se reconciliar). O fato faz do remake algo completamente dispensável, e que mesmo sem assisti-lo você poderia saber de todas as cenas, narrado-as antes de acontecerem. Uma parte de todos nós gostaria de viver em tal conto de fadas.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE