Armageddon foi um prenúncio de Michael Bay à bomba-pseudo-obra-prima “Pearl Harbor”. Em Armageddon também temos um romance besta e retardado e um grupo de pessoas tentando salvar a Terra (ou EUA, tanto faz !) de uma ameaça mortal (ou Pilotos Japoneses, tanto faz !). Michael Bay não deve se importar com esses “detalhes”.

Aqui, temos Bruce Willis num papel ridículo (como se ele já não tivesse papéis ridículos o bastante): o de um explorador de jazidas de petróleo que é contatado pela NASA (!!) para perfurar um asteróide em rota de colisão com a Terra (!!!) e inserir ogivas nucleares nele (!!!!!!!!!!!!!!!). Dá pra chorar (de tanto rir ou de raiva mesmo) depois dessa bobeira de roteiro.


Como já disse, há o romancezinho sem-graça, que Bay também usou em Pearl Harbor. Até o canastrão-preferido-das-adolescentes-leitoras-da-revista-Capricho (Ben Affleck) está aqui. Só posso lamentar pela presença da gata Liv Tyler, sub-aproveitada (e fria). Ela merecia algo melhor.

Sim, os efeitos são ótimos (assim como seriam os efeitos de Pearl Harbor), mas não seguram o filme. Há poucas (boas) cenas de ação, como a destruição de um prédio em Nova York e a destruição de Paris, desperdiçadas por um roteiro feito às pressas, que tenta emocionar e segurar o público na cadeira do cinema, mas não consegue.

Aproveite para assistir:

O começo é de uma lentidão tremenda. Depois, há uma cena de ação aqui, outra acolá e um porre de dramalhão. E termina com aquele final meloso, que só vai emocionar fãs de novela mexicana. Se fosse possível editar Armageddon, deixaria o filme com uns 15 minutos (2 horas a menos), poupando algumas cenas de ação e um pouco de humor.

É muito pouco para o filme que foi a maior bilheteria de 1998.


Crítica por:
Diego Sapia Maia

 


 

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE