Charli XCX ganhou fama no começo dos anos 2010 e, desde então, tornou-se um dos principais (ainda que subestimados) nomes do futuro da música pop no cenário mainstream. Ainda que ofuscada por figuras de maior fama, a cantora e compositora, de fato, é um vetor de extrema importância para o que a indústria fonográfica irá parecer daqui a alguns anos – do mesmo modo que Björk insurgiu nos anos 1980 e 1990. Encarada como uma das principais representantes do avant-pop e do PC music, Charli lançou um dos melhores álbuns do ano passado e, pouco tempo depois, desenvolveu ao longo de cinco semanas (e um isolamento social sem precedentes) ‘how i’m feeling’.

Se pensávamos que a artista não poderia infundir seus fãs com viagens ainda mais alucinantes através de escopos instrumentais nada convencionais e extremamente robóticos (no melhor sentido da palavra, diga-se de passagem), estávamos completamente enganados. A nova investida musical é uma obra dilacerante e narcótica que poderia muito bem servir como sucessor do aclamado EP Pop 2, lançado três anos atrás. Rendendo-se, por vezes, a uma esfera mercadológica que afasta-se da independência lírica e sonora de CDs anteriores, Charli busca se aproximar com um público que exala as preferências pelo trance, pelo electro-trip e pelo EDM com 11 músicas que, apesar de deslizes pontuais, são muito construídas com exímia habilidade – e letras mergulhadas em metáforas originais e interessantes.

O álbum começa com o estrondoso “pink diamond”, uma das melhores canções da carreira da performer. Aqui, os sintetizadores e moduladores constroem-se com essência imprescindível e propositalmente dissonante – tangenciando as tendências contemporâneas do dark-pop e do goth-pop com guitarras gritantes. Charli recua para uma espécie de balada pinceladas com elementos dos videogames com “forever”, cujo experimentalismo pode soar estranho àqueles que não estão acostumados com sua única identidade, mesclada com enigmáticas composições lineares que escondem suas verdadeiras mensagens (neste caso, uma declaração de amor quase obsessiva guiada por desconcertantes versos).

No geral, a cantora alcança sucesso em manter-se estritamente fiel àquilo que deseja dar vida: o curto período de gestação de ‘how i’m feeling’ poderia ser uma faca de dois gumes, roubando os holofotes de uma semana transbordando de aguardadas estreias, incluindo o retorno da popstar Katy Perry e da colaboração inesperada de Bonnie Tyler e Lorraine Crosby – mas também tinha chances de tornar-se um fracasso sem qualquer coesão ou narrativa aparentes. Felizmente, Charli honrou sua ascendente discografia e conseguiu fazer o que poucas conseguem – misturar práticas empíricas com arquiteturas envolventes e memoráveis o bastante para serem ouvidas mais de uma vez. Mesmo voltando-se para o rudimentar espectro do trap eletrônico em “7 years” e o dreampop da cíclica “party 4 u”, ela sempre volta para suas raízes e permanece atada à sua necessidade de revolucionar a si mesma.

Aproveite para assistir:

A artista revisita suas iterações predecessoras e, dessa forma, faz constantes homenagens às estéticas mais rebeldes dos anos 1980 e 1990 (incluindo uma repaginação contemporânea do synth-pop e do new wave), como podemos ver na retumbante “i finally understand” – uma faixa que serve como subtítulo consequente para o nome do álbum. Afinal, estamos lidando com um vibrante intimismo que vem à tona pela primeira vez, confinado em uma prisão sem grades e que encontrou liberdade apenas agora. Não é por acaso que ela se valha de asserções psíquicas muito bem mascaradas de primitivas e irracionais emoções humanas, traduzindo-as, contraditoriamente, do modo mais inumano possível.

Charli também faz algumas incursões interessantes para as pistas de dança dos anos 1970, mas não da forma esperada: ela coloca os espectros sonoros em um pano de fundo regado por sintetizadores, como é o caso de “anthems”, que abusa de todos os elementos da época em questão e que ganharam mais força a partir de 2012 e 2013. E, quando pensamos que entendemos qual a ideia por trás dessa fervorosa mente criativa, ela estende a si mesma, contrai-se e se põe virada do avesso com ambiências oníricas (“enemy”), fundidas entre minimalismo e praticidade (“detonate”) ou dançantes ao melhor estilo anos 2000 (“visions”). De qualquer forma, não podemos fazer vista grossa quanto à repetitividade excessiva de algumas faixas – anteriormente incumbidas de certas necessidades especiais ou justificativas premeditadas pela própria construção.

Mais uma vez, a cantora toma as rédeas de sua carreira e faz o que bem entender com as músicas que lhe inspiraram, trabalhando numa forte parceria ao lado de produtores como Dijon Duenas, A.G. Cook e BJ Burton (colaboradores de longa data que parecem sempre encontrar uma brecha para superarem a si próprios). De um lado, sua presença ganha força descomunal a cada ano sem esbarrar nas ruínas de uma monotonia fatigante; de outro, soa fora dos padrões e pode ser recebido com repulsa ou ignorância por aqueles mais acostumados com o “pop chiclete” que vem regendo 2020 desde os primeiros dias do ano.

No final das contas, ‘how i’m feeling now’ apenas prova a estigmatizada importância de Charli XCX para o futuro da música – seja por suas composições dissonantes, seja pelo que ela representa dentro de um nicho que ainda há muito para ser explorado.

Nota por faixa:

  • pink diamond – 5/5
  • forever – 4,5/5
  • claws – 4/5
  • 7 years – 3,5/5
  • detonate – 4,5/5
  • enemy – 5/5
  • i finally understand – 5/5
  • c2.0 – 5/5
  • party 4 u – 3,5/5
  • anthems – 4/5
  • visions – 5/5

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE