Demorou três anos, mas Madonna mostrou estar disposta a se reinventar mais uma vez, talvez para apagar da memória uma incursão extremamente problemática que se intitulou MDNA, cujas boas intenções acabaram não valendo a pena e, quando aspiravam a uma centelha de esperança, não combinavam com o teor e com a estética da obra. No final de 2014, a artista começava a promover seu 13º álbum de estúdio, o subestimado Rebel Heart, procurando misturar aspectos contemporâneos e clássicos de sua própria discografia, num estilo proprioceptivo que é ausente em diversas carreiras da atualidade. Em março de 2015, o CD nascia e, apesar de ter tido uma recepção sólida por parte da crítica e um sucesso comercial considerável, ainda não representava o retorno à forma da rainha do pop; não obstante, merecia maior reconhecimento do que teve, principalmente por servir de influências para jovens cantores e compositores que dominavam a cenário fonográfico.

Diferente de suas duas iterações predecessoras, a performer retoma as rédeas de sua arte com força descomunal e, apesar dos claros deslizes que se destrincham em certas faixas (como a repetição exaustiva de construções sonoras e de interjeições vocálicas), o resultado é bastante positivo e ganha requinte conforme os anos passam por seu progressivo tom e pela manutenção da originalidade das músicas. Ainda com o impressionante número de colaboradores – que, contando com a lead singer, alcança as duas dezenas -, Rebel Heart é coeso o suficiente para nos fazer ansiar por mais e por nos deixar animados para os capítulos que virão dentro de uma discografia nada menos que icônico. E, visto que estamos analisando a versão deluxe, nada mais justo que deixar claro que as dezenove faixas desenrolam-se em um piscar de olhos.


A princípio, o escopo instrumental é bastante familiar, principalmente a meados da década de 2010, que começava a fornecer para a esfera musical um apreço mais experimental (coisa que Madonna faria com mais ousadia em seu próximo capítulo, Madame X). Temos a presença constante dos sintetizadores, aqui aliados aos drills do novo século e mascarados com o piano elétrico e com um místico baixo que parece se transmutar em vários elementos diferentes em uma mesma canção. “Living for Love” é uma incrível abertura para o álbum, refrescante em cada acorde propositalmente unidimensional e criando um ecoante e bem estruturado pano de fundo – tudo isso conforme é pincelado com camadas vocais secundárias on point e um beat-drop comedido e funcional; o mesmo acontece com “Unapologetic Bitch”, que usa elementos do reggae para agregar certa sensualidade, eventualmente se tornando repetitivo; em “Illuminati”, uma aventura divertida e crítica dentro de seus limites, nota-se o electro-synth embebido em uma arquitetura mais dark e dissonante.

No geral, a cantora e compositora destina sua atenção para alguns detalhes em detrimentos de outro – e deixa que produtores secundários tenham uma voz maior, o que, de fato, explica certos exageros e redundâncias. Em “Bitch I’m Madonna, o epílogo é tão desnecessário e pedante que acaba manchando as compactas bases apresentadas nos atos anteriores; “Body Shop” se transforma numa rendição infantil demais quando colocada ao lado do restante das faixas, retomando os problemas de MDNA, mas não deixando que eles controlem o decorrer da narrativa; “Best Night” força um conceito que estende suas raízes para as melodias orientais e não consegue se reencontrar em momento algum, representando um dos declives da obra; “S.E.X.” é uma homenagem frustrada ao revolucionário Erotica e tenta misturar os tabus da década de 1990 com a libertação do corpo dos dias de hoje.

Aproveite para assistir:

Nenhum aspecto fora de contexto é gritante a ponto de manchar o que Madonna pretende entregar para seus fãs – e, como já mencionado, o saldo positivo fala mais alto e deixa de se isolar na profusão desmedida, adornando basicamente todas as tracks. É claro que a performer não retornou ao auge prometido, valendo-se de forma contínua de vícios de linguagem reminiscentes de antigas eras; ela não chega a criar uma colcha de retalhos dançante como Music, mas também não instiga reflexões intimistas como Bedtime Stories. De qualquer forma, as partes se fundem em um painel competente e despontado pelo brilhantismo da semi-balada “Ghosttown”, a críptica e sensorial viagem promovida por “Iconic” e a teatral e épica orquestra de “Messiah”.

A artista também é sagaz ao criar retratos íntimos de sua própria carreira, seja na forma de construções recuadas e movidas pelo classicismo do piano, como a poética e marchante “HeartBreakCity” (que viria a influenciar Mark Ronson anos mais tarde) ou o country-dance da faixa-título, que merecia maior reconhecimento por sua simplicidade comovente e por sua mensagem inspiradora. Madonna também viaja para os anos 1960, remodelando a memorável “House of the Rising Sun” às modernizações sintéticas do novo século e, enfim, gerando a narcótica e blasfema “Devil Pray”. Com menos clareza, ela também desconstrói os preceitos elegíacos engessados na música para acrescentar comoção e emoção a “Wash All Over Me”.


Retomando o caminho da redenção, mas ainda não exatamente atingindo o potencial que sabemos que tem, Rebel Heart merecia mais atenção à época de seu lançamento e, talvez com o passar dos anos, continue a ser redescoberto da maneira digna.

Nota por faixa:

  • Living For Love – 4,5/5
  • Devil Pray – 4,5/5
  • Ghosttown – 5/5
  • Unapologetic Bitch – 3,5/5
  • Illuminati – 3,5/5
  • Bitch I’m Madonna – 2,5/5
  • Hold Tight – 3,5/5
  • Joan Of Arc – 3,5/5
  • Iconic – 4/5
  • HeartBreakCity – 4,5/5
  • Body Shop – 1,5/5
  • Holy Water – 3/5
  • Inside Out – 2,5/5
  • Wash All Over Me – 4,5/5
  • Best Night – 2/5
  • Veni Vidi Vici – 3/5
  • S.E.X. – 3/5
  • Messiah – 3,5/5
  • Rebel Heart – 4/5
Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE