Alerta: a classificação de 18 anos do filme deve ser levada em consideração mesmo, especialmente se você está tendo dificuldades para lidar com o período de reclusão social mundial. Dito isto, vamos para a crítica.

O Poço’ é um filme louco, que vai pirar tua cabeça e, mesmo com tudo isso que dissemos aqui, ainda assim você só vai conseguir ter uma noção do que de fato é o filme depois que você o assistir. E, mesmo depois, você ainda vai ficar refletindo algumas horas sobre o que acabou de ver, tentando entender o quê exatamente aconteceu.

Goreng (Iván Massagué, grande revelação!) acorda, de repente, numa cama, num cenário muito esquisito: um cômodo, com apenas um buraco no meio. Ao chegar na beira desse buraco, Goreng olha para cima e para baixo e descobre que há outros andares com cômodos iguais ao que ele está, e que este buraco é o que conecta todo mundo. Junto com ele neste cômodo está o misterioso Trimagasi (Óscar Olivier, a melhor coisa nesse filme, simplesmente ótimo!), que lhe dá respostas muito enigmáticas sobre a situação que estão vivendo. Goreng descobre que neste momento estão no 48º nível, mas que amanhã poderão mudar para qualquer um dos outros andares.

O que conecta todos os andares não é exatamente o buraco, mas a plataforma que desce através dele, conduzindo um verdadeiro banquete para todas as pessoas trancafiadas neste local. O problema é que a comida vem de cima, não se sabe quantos andares são, e, a bem da verdade, estamos lidando com seres humanos (que, como podemos comprovar na vida real), que são egoístas, mesquinhos e só pensam no próprio umbigo.

Através da metáfora do poço, o roteiro de David Desola e Pedro Rivero busca debater a bestialidade da condição humana, as divisões de classe e a capacidade que temos de nos despir de todas as nossas convicções frente o desespero da sobrevivência. Os diálogos entre os personagens são interessantíssimos e forçam não só o protagonista a refletir sobre sua situação, mas também a nós, aqui do lado de fora.

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

Dirigido muito de perto por Galder Gaztelu-Urrutia (guardem esse nome, ele deve trazer mais coisa boa pra gente!), ‘O Poço’ satiriza a condição humana com muita alegoria, mostrando a verdadeira face das relações de poder. Comparativamente, podemos relacioná-lo a outros longas de sucesso que bugaram a cabeça do povo, como ‘Mãe!’, ‘Parasita‘, ‘Hereditário’ e ‘Midsommar’.

Mas, vale relembrar: não é um filme esteticamente agradável de se assistir, portanto, às pessoas mais sensíveis é recomendado passar longe de ‘O Poço’ nesse momento de reclusão (e assisti-lo depois, quando tudo passar, pois é um filme que realmente vale a reflexão). E, por toda sua estrutura original, ‘O Poço’ já tem levantado algumas teorias e dúvidas, por isso o CinePOP desenvolveu aqui um vídeo explicando o polêmico final.

Assista nossa crítica em VÍDEO:

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE