Com a enxurrada de estreias diárias nas plataformas de aluguel sob demanda no Brasil, nós, meros espectadores, por vezes deixamos passar alguns bons filmes, que chegam na surdina, sem barulho, e que acabam sendo ocultados por lançamentos de maior peso. É o caso de ‘Palmer’, filme lançado este ano aos assinantes da Apple TV+.

Palmer (Justin Timberlake) acabou de sair da prisão, após doze anos de confinamento. Ele está tentando dar jeito na sua vida, por isso vai morar com a avó, Vivian (June Squibb), na sua cidade natal no interior dos Estados Unidos. Mas logo de cara percebe que a avó tem uma relação curiosa com o filho pequeno de sua vizinha, e passa a maior parte do tempo cuidando do pequeno Sam (Ryder Allen). Aos poucos, Palmer começa a notar que o menino tem uma percepção de mundo diferente da dele, e, sem que consiga se dar conta, aos poucos os dois vão criando um laço de amizade profunda. Porém, Sam é filho de Shelly (Juno Temple), uma viciada em drogas que desapareceu há um tempo, mas que pode voltar a qualquer instante e reivindicar o filho de volta.



Numa primeira olhada, nos trinta minutos iniciais de ‘Palmer’, temos a impressão de que o filme é mais um desses que conta a história do pobre menino branco injustiçado na vida. Entretanto, após a reviravolta na trama, o roteiro de Cheryl Guerriero vai sutilmente reconfigurando sua trama para o verdadeiro foco do longa: o embate entre o homem másculo e sua redenção ao afeto de uma criança, que, por sua vez, explicitamente busca sua identidade de gênero. Ao construir esses dois mundos opostos – o adulto, brucutu, ex-detento, com um menino doce, delicado e amoroso –, ‘Palmer’ convida o espectador a repensar as estruturas sociais que nos fazem aceitar como certo apenas o sistema binário homem-mulher, sem interseção, e repensar a toxicidade a que os meninos e homens são submetidos por conta de uma sociedade que exige deles o papel de macho dominante.



A direção de Fisher Stevens se adapta à transformação de seu protagonista: no início, sua câmera foca nessa adaptação de Palmer ao novo espaço – ele e a casa, ele e a liberdade noturna; em seguida, a câmera se concentra no rosto de Justin Timberlake, suas inquietações e dúvidas diante das desconfianças que vai surgindo em sua cabeça, sem nunca expressá-las verbalmente. Através de Palmer, nos deparamos com a questão de gênero sem nem estarmos preparados, e, junto com ele, vamos pensando alternativas  mais afetuosas para incluir essas outras possibilidades não-binárias nas comunidades nas quais estamos inseridos.

Aproveite para assistir:



Palmer’ é um filme sensível que não carrega demasiado no drama e encontra um bom equilíbrio entre abordagem de pauta importante sem cair no didatismo. Com um Justin Timberlake firme e bem no papel, ‘Palmer’ é uma pequena joia escondida no catálogo da Apple TV+.

Comentários

Não deixe de assistir:

🚨 INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE 🚨http://bit.ly/CinePOP_Inscreva

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE