Alguém lembra quando Hollywood parou de apostar em ideias originais para seus filmes? Muitos irão dizer que ainda hoje existem aqueles que preferem investir neste ineditismo. Mas sejamos sinceros, estes desbravadores são a grande minoria. E quando falamos em premissas recicladas, o movimento que mais salta aos olhos são as chamadas refilmagens. Nada contra, o problema foi quando os produtores da maior indústria do cinema resolveram querer “refazer” clássicos que sempre estiveram na mente do público.

Essa “reimaginação” sempre é mais interessante quando se dá em relação a uma produção obscura, ou muito antiga, que não ressoa mais com a audiência atual. Algo como um realizador do porte de Guillermo del Toro vem fazendo. Primeiro, ele homenageou os filmes de monstros clássicos – em especial O Monstro da Lagoa Negra (1954) -, com A Forma da Água (2017), que nem mesmo era uma refilmagem. E esse ano o cineasta dará sua visão ao clássico O Beco das Almas Perdidas, lançado originalmente em 1947. Ou seja, prato cheio para um remake.

Quando pensamos em remake, porém, nenhuma outra década chama tanto atenção quando os anos 2000. Em especial os meados da década. O fato foi inclusive satirizado com muita esperteza por Pânico 4 (2011), quando um dos personagens cita com fugacidade as “trocentas” refilmagens de terror dos últimos anos para escapar com vida. Quando falamos de terror, a coisa fica ainda mais crítica, pois pouquíssimas obras resistem sem serem refeitas ao público de hoje. Nesta seara chega nossa nova matéria, voltada aos remakes lançados há exatos 15 anos, época de auge para estes projetos receberem sinal verde. Confira abaixo e assista neste dia das bruxas – se tiver coragem.

A Profecia



A Profecia (1976), de Richard Donner, completa 45 anos em 2021 e há muito se encontra no panteão dos clássicos do terror sobrenatural. O longa faz parte do que eu gosto de chamar de “tríade” sobre crianças endemoniadas – ao lado de O Bebê de Rosemary (1968) e O Exorcista (1973). A Profecia, porém, foi o primeiro a receber uma refilmagem. No entanto, uma que foi rapidamente varrida para debaixo do tapete. Afinal, você ouve falar nela atualmente? Mas sim, ela existiu e era lançada nos cinemas há 15 anos, protagonizada por Liev Schreiber, Julia Stiles e a mesma Mia Farrow de O Bebê de Rosemary. Um dos problemas aqui foi a escalação do menino Seamus Davey-Fitzpatrick como Damien, que não possui a dualidade entre a fofura e ameaça como no original.

Viagem Maldita

Aproveite para assistir:

Essa até foi uma pedida melhor do que a refilmagem do clássico atemporal A Profecia. Isso porque Quadrilha de Sádicos (1977), terror no qual este é baseado, embora seja o segundo filme do renomadíssimo Wes Craven, se tornou uma produção cult, desconhecida do grande público. Ou seja, era terror de nicho, assim cabendo aos produtores o repaginarem para a nova geração. E quando digo produtores, o próprio Craven está entre os responsáveis pelo longa. fora isso, um cineasta talentoso na direção: o francês Alexandre Aja. No elenco, um dos chamarizes era a presença de Emilie de Ravin, muito popular na época devido ao seu papel da grávida Claire, no fenômeno Lost (2004-2010).

O Sacrifício



Muitos consideram este filme o ponto de virada na carreira do então astro Nicolas Cage. A intenção do ator, porém, era das melhores. E ao lado do então igualmente promissor cineasta Neil LaBute, escavaram o remake do cult O Homem de Palha (1973), clássico do horror britânico sobre seitas rurais – de onde o polêmico Midsommer (2019) tirou muitas de suas inspirações. A proposta da refilmagem era audaciosa e interessante, ao trocar o sexo não apenas da líder da seita (agora uma mulher, Ellen Burstyn), mas também colocar o feminino como foco central da narrativa. Do resultado, infelizmente, as pessoas só lembram da fantasia de urso de Cage e da infame cena das abelhas, com o surto do ator.

Natal Negro

Antes de Sexta-Feira 13, antes de A Hora do Pesadelo e antes mesmo de Halloween – A Noite do Terror, existiu Black Christmas – Noite do Terror (1974). O filme é considerado por muitos como um dos primeiros do subgênero terror adolescente e contava sobre uma casa de irmandade de jovens mulheres estudantes sendo aterrorizadas por um maníaco que faz ligações obscenas. O sujeito está escondido no sótão de sua casa, sem que nenhuma das moças saibam. E aos poucos, vai pegando uma a uma durante o feriado de natal. Ainda hoje é um clássico cult do gênero. Assim, há 15 anos estreava o remake, muito mais voltado ao clima teen espertinho surgido após Pânico – esse com dez anos de atraso, mas que poderia facilmente ter ocorrido ainda no fim dos anos 90. O atrativo eram os nomes das jovens promissores que vendiam o longa no cartaz, como Mary Elizabeth Winstead, Michelle Trachtenberg, Lacey Chabert e Katie Cassidy. Mas não parou por aí, e em 2019, a Universal e a Blumhouse apostaram num terror feminista que esqueceu de dar medo e apenas martelou sua mensagem óbvia e panfletária.

O Massacre da Serra Elétrica: O Início

Por falar em obras clássicas do terror lançadas em 1974, indiscutivelmente a que mais se destaca é O Massacre da Serra Elétrica, considerado um dos primeiros slashers do cinema. O filme fez sucesso e se tornou cult, porém, era tão visceral e explícito que terminou sendo banido de várias praças de exibição pelo mundo, ao contrário do mais contido e repleto de suspense Halloween, que se tornaria um clássico muito bem sucedido financeiramente. A continuação do Massacre só ocorreria mais de dez anos depois, num filme mais voltado ao humor sombrio. Mais duas continuações, em 1990 e 1994, e a franquia seria colocada no gelo. Isso é, até em 2003 um remake bem sucedido ser lançado, contendo a revelação de Jessica Biel em seu elenco. Aquele filme, no entanto, terminava de uma forma que simplesmente não podia ser continuado – tanto que nada o seguiu em sua linha narrativa até hoje. Assim, a opção dos realizadores foi por uma prequel, que ao invés de continuar, antecedia os fatos mostrados em 2003.

Quando um Estranho Chama

Terminando a lista de clássicos americanos saídos da década de 1970, When a Stranger Calls foi lançado em 1979, e trazia Carol Kane (que depois ficaria mais ligada à papeis em comédias) como protagonista. Aqui, todo o mote para a trama teve certamente influência do citado Halloween, lançado no ano anterior. Ambos possuem jovens mulheres ainda na fase adolescente trabalhando como babás para famílias, tomando conta de crianças. Uma prática comum nos EUA. Em todos os casos, elas terminam sendo perseguidas por um maníaco. A diferença aqui, e que serve como mote, é que o psicopata deste filme faz ligações para atormentar a jovem vítima, e quando a polícia finalmente rastreia estas ligações, descobre que elas estão sendo feitas de dentro da casa. O remake já incorporava os telefones celulares em sua narrativa e contava como Camilla Belle como protagonista, e Katie Cassidy (novamente) e uma Tessa Thompson ainda menina no elenco.



Pulse

Agora entramos no terreno das refilmagens de produções asiáticas. Kairo (2001) seguia de perto O Chamado e O Grito (as versões originais) pegando a onda de filmes sobrenaturais que fizeram muito sucesso no Japão entre o fim dos anos 90 e início de 2000. O mote é até interessante e usa a internet como porta de entrada de espíritos malignos em nosso plano. Há 15 anos, em 2006, a internet estava mais difundida pelo mundo e era uma realidade de nosso dia a dia. Assim, a versão norte-americana  chegava, com a loirinha Kristen Bell como a protagonista assombrada – outra atriz mais acostumada a comédias.

O Grito 2

O Grito original japonês, ou Ju-On (no idioma do país), é uma produção de 2002, lançada no mesmo ano em que a versão americana de O Chamado fazia muito sucesso nos EUA. Assim, os produtores americanos não perdiam tempo em levar apenas dois anos depois sua própria versão desta história também, com O Grito (2004). Dentre estes produtores estava o renomado Sam Raimi. Estrelado pela eterna Buffy, Sarah Michelle Gellar, o terror obteve um sucesso moderado. Assim, dois anos depois chegava a continuação, há exatos 15 anos. Essa sequência, porém, passava completamente fora de todos os radares – com muitos sequer sabendo de sua existência. Em 2020, os produtores tentaram novamente com uma versão mais séria e dramática da história, igualmente sem sucesso.

Não deixe de assistir: