Há poucas histórias de amor que, quando adaptadas para o cinema, não se tornam melodramáticas ou clichês. Felizmente, esse não é o caso de Carol, longa-metragem do diretor Todd Haynes.

Baseado no livro O Preço do Sal’, de Patricia Highsmith, a história gira em torno de duas personagens principais: Carol Aird, interpretada com sutileza e perfeição por Cate Blanchett, e Therese “Terry” Belivet, vivida com exímia cautela por Rooney Mara.

Therese trabalha numa loja de departamentos em Nova York, na qual sempre realiza as mesmas funções e se porta da mesma maneira. Um cenário claustrofóbico povoado por mães atadas às suas crianças e pacotes e mais pacotes cheios de brinquedos. É possível inclusive sentir a angústia da própria personagem toda vez que as portas se abrem e mais um dia de trabalho se inicia.


Mas tudo muda quando, ao fundo, uma figura que destoa das demais, principalmente pela escolha de cores que compõe seu figurino: é Carol. Therese se interessa imediatamente por ela. E nós nos interessamos pela provável história das duas – ainda mais pelo fato do filme se iniciar com uma dúbia cena de jantar entre elas, com falas soltas e uma atmosfera tensa.

As protagonistas se conhecem num estilo aparentemente clichê: Carol se aproxima da funcionária para comprar uma boneca, mas ela a convence a comprar um trenzinho para a filha – algo um pouco chocante para a época em que a história se passa (1952). E assim que todos os detalhes estão resolvidos, nos deparamos com o fantasioso incidente incitante à la Cinderela: a freguesa deixa seu par de luvas bem à frente de Therese. E nesse momento sabemos que a história acabou de começar.

Aproveite para assistir:



A princípio, notamos a clara diferença entre as protagonistas, a qual, de algum modo – e devido à ótima química entre Blanchett e Mara – as completa. Enquanto esta usa roupas com tons mais escuros e menos chamativas, aquela opta pelo vermelho-berrante e por casacos e echarpes bufantes que realçam sua beleza. Uma diferença óbvia, mas que, com o passar do tempo, dá um toque especial na relação que constroem.


Assim que o segundo encontro das duas acontece, sentimos que talvez Carol tenha se precipitado. Apesar dos magníficos diálogos serem dinâmicos e profundos, Terry ainda se porta como uma boneca de porcelana prestes a se quebrar. Podemos quase perceber que a confiança da personagem de Blanchett assusta sua companheira, deixando-a até um pouco confusa.

Mas com o passar do tempo, a relação das duas vai se tornando mais forte. Os encontros se tornam mais frequentes e passamos a conhecer suas backstories. Terry tem uma paixão secreta por fotografia, a qual pratica às escuras por não ter os aparatos necessários para se especializar, visto que se sente pressionada pelo namorado Richard (Jake Lacy) a se casar com ele e viajar para a França. Enquanto isso, Carol tenta equilibrar suas emoções enquanto enfrenta o divórcio não-consensual com Harge Aird (Kyle Chandler) e tenta fazer o máximo para conseguir a custódia da filha.

O mais incrível é a multiplicidade de referências que encontramos no longa. Caroltorna-se incrível por conseguir refletir o cotidiano das personagens em suas relações, ao mesmo tempo que cria uma realidade paralela em plena década de 1950 em que o amor lésbico não possui obstáculos. E do mesmo jeito que vemos em Thelma e Louise’, Carol e Terry deixam tudo para trás e entram numa viagem Oeste adentro, consumando sua relação amorosa.

O clímax principal vem de forma abrupta. Quando pensamos que o clichê mais famoso de todos – o “felizes para sempre” – finalmente chegou para nosso casal, Carol descobre que seu ex-marido pode não ter entendido muito bem o conceito de divórcio e manda um espião coletar evidências da relação homossexual que mantém com Terry a fim de provar que não é mentalmente capaz de cuidar da filha.


É aí que vemos a genialidade do filme. Enquanto pensávamos estar assistindo à construção de uma relação entre elementos opostos, vemos, no momento da virada que marca o fim do segundo ato, que os papéis se inverteram. Carol, a mais madura e “superior” mostra o seu interior frágil e desamparado, enquanto Terry passa a segurar as pontas.

Mas obviamente a saga não poderia terminar por aí. Temos a presença de um quinto elemento na trama que serve como um guia. Interpretada pela fantástica Sarah Paulson, a qual não precisa de muitas falas para mostrar a importância de seu papel durante o longa, temos a amiga de infância de Carol, Abby Gerhard. Através de cenas meticulosamente arquitetadas, serve como a guia de ambas as personagens. Possui uma história passada com Carol, a qual não terminou bem, e ampara Terry quando sua amiga a abandona.

O melodrama escolhido por Haynes configura-se como uma épica história de amor que não força os limites do clichê, mas sim que mostra de forma comovente a história de duas mulheres que tiveram de lutar para ficarem juntas numa sociedade que não aceitava relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo.

E, conforme nos aproximamos do final, toda a jornada de Carol e Terry se junta à primeira cena, onde tudo o que pensávamos estava errado. Onde tínhamos certeza de que a “boneca de porcelana” estava prestes a rachar ao meio e a equilibrada “deusa” mantinha total controle, na verdade estávamos olhando para o contrário.


Caroltornou-se um dos filmes mais promissores de 2015. Sua sutileza e a forma como arranja música e atuações mostra a simplicidade do diretor em transformar uma história a priori polêmica – o livro foi recusado por diversas editoras na época em que foi escrito – em algo tocante. A pureza das atuações e a química de todos os personagens não faz nada além de contribuir para a construção dessa maravilhosa obra de arte.

Não deixe de assistir: