A repórter Mariana Valadares Zitto entrevistou a tradutora de textos para dublagem (audiovisual), Cristina Nastasi, para explicar como funciona a dublagem de filmes e seriados de TV, e saciar nossa curiosidade:


1. A área de tradução para dublagem de filmes é pouco conhecida pelo público. Sabe-se que em dublagem os diálogos originais são substituídos por gravações traduzidas em outra língua, procurando respeitar os movimentos labiais, a duração, a entonação das falas. Como é feito esse trabalho?

A dublagem é uma mistura de arte e técnica. É arte porque o dublador é um ator, tem de ser ator, e interpreta apenas com a voz, o que me parece terrivelmente frustrante, pois a maioria, por não ter seu rosto conhecido, não recebe o devido aplauso por seu talento. É técnica, porque o dublador, além da formação artística, precisa saber com perfeição “correr atrás dos lábios de outra pessoa”, isto é, passar a emoção com sincronia, fazendo com que as palavras em português caibam direitinho em lábios que falam inglês ou outro idioma. É preciso ter um timing perfeito, e também é preciso ter um diretor que saiba trabalhar esses dois lados, o artístico, e a técnica de fazer a fala não ficar mais curta ou longa demais na boca do ator na tela.

Nem todo ator sabe dublar; é só ver o caso de certas “celebridades globais” que são convidadas para dublar desenhos famosos só para atrair o público com seu nome e acabam sendo um fiasco nas telas, além de tirar o trabalho de um dublador de verdade, que ganha muito, mas muito menos do que esses não-dubladores ganham. Há casos, inclusive, de uma personagem principal de desenho ser dublada por um profissional de verdade para servir de “guia” para o tal ator famoso imitar sua interpretação, já que não consegue fazê-lo naturalmente. É importante observar que o dublador não tem muito tempo para captar a emoção ou intenção de uma fala. Os bons dubladores geralmente ouvem a fala original uma, duas vezes e, logo em seguida, falam o texto traduzido de tacada, de uma vez, como se fossem verdadeiros “repentistas da interpretação”, como eu costumo chamá-los. No estúdio ficam apenas o dublador (que pode fazer a cena junto com outros colegas ou apenas sozinho, pois a equipe técnica cuida da montagem dos diálogos feitos separadamente), o diretor, uma bancada em que fica o texto traduzido, e o monitor de TV para que possa ver as cenas, geralmente fora de ordem, e assim reproduzi-las em português com perfeição quase instantânea. O Marcos Simões, por exemplo, tem um ritmo impressionante; além da versatilidade vocal e talento artístico, pega a personagem com uma rapidez assustadora (ele fez, por exemplo, o Gênio do desenho Alladim e dublar Robin Williams, cá pra nós, não é pra qualquer um). As pessoas de um modo geral não têm a menor noção de como essa mágica acontece no estúdio. Sempre que explico essas coisas a pessoas que ignoram como tudo é feito ou têm preconceito a respeito, elas acabam ficando fascinadas.
Costumo dizer que a boa dublagem é a aquela que não é comentada, pois o que as pessoas gostam de fazer é criticar quando o trabalho está ruim. Há, inclusive, uma má vontade por parte da imprensa de um modo geral que adora atacar a dublagem brasileira, que – pouca gente sabe – é considerada uma das melhores do mundo. Há dublagens que simplesmente fazem o original ficar muito melhor, como “A Gata e o Rato”, “Primo Cruzado, “Alf, o ETeimoso” e “Família Dinossauro”.
Há também traduções e dublagens atuais sensacionais como “Tal mãe, tal filha” (“Gilmore Girls”) e “Eu, a patroa e as crianças” (“My wife and kids”). Para piorar as coisas, a geração da TV a cabo desvaloriza totalmente esta arte e diz que legenda é melhor. Tudo bem, pelo preço que pagamos pela assinatura, o certo seria termos direito a filmes, séries e documentários tanto legendados como dublados, enfim, opções para todos. Uma parcela mínima de pessoas que sabem inglês (ou pensam que sabem, o que é mais comum) ignora que, além da existência dos cegos, dos idosos que não enxergam muito bem, das crianças que ainda não aprenderam a ler, do cidadão analfabeto pleno, a maior parte da população brasileira é de analfabetos funcionais, isto é, foram à escola, aprenderam a ler, mas não conseguem ler direito, muito menos legendas que ficam tão pouco tempo na tela. No fim das contas, a dublagem é marginalizada, incompreendida e desmerecida. Sequer tem um história registrada, o que faz com que muito de sua memória esteja condenada ao esquecimento. As redublagens, por exemplo, apagam o registro histórico do trabalho de profissionais do passado, e até fico incomodada que a categoria não perceba isso e faça alguma coisa para reverter esta situação. Felizmente estão sendo lançados boxes de DVDs com dublagens originais, o que garante que o talento de dubladores como os falecidos André Filho (ele fazia de tudo, do galã de “Casal 20” ao sotaque delicioso de um Sean Connery) ou Marcos Miranda (Clark Gable) seja preservado para a posteridade.

Aproveite para assistir:

2. Trabalhar com tradução para dublagem. De onde veio seu interesse por essa função?

Sempre fui videomaníaca, desde criança, e também sou de um tempo em que não havia TV a cabo, portanto a programação estrangeira era obrigatoriamente dublada. Cresci vendo filmes e seriados dublados e as vozes brasileiras dos personagens eram as vozes de meus heróis. Com o tempo fui desenvolvendo uma curiosidade a respeito da profissão de dublador , embora nunca tenha tido a pretensão de exercê-la, já que se trata de uma arte e eu não tenho esse talento maravilhoso. Como também sou formada em Jornalismo, vira e mexe na faculdade eu arranjava desculpas para fazer matérias sobre dublagem, geralmente na Herbert Richers. Foi assim que fui gradualmente me envolvendo com a coisa, conhecendo dubladores e diretores de dublagem (quando fui apresentada ao Nelson Batista , dublador do Jerry Lewis, um de meus ídolos, quase enfartei).
Muitos anos depois, escrevi uma carta reclamando da tradução e escolha de vozes do filme “Star Trek IV”, pois, como também sou trekker (fã de “Jornada nas Estrelas”), identifiquei alguns erros inadmísseis. Esta carta ganhou destaque em vários jornais que – embora eu tenha deixado claro que admirava a dublagem brasileira – fizeram questão de publicá-la pelo puro prazer de falar mal da dublagem. A empresa encarregada da dublagem do filme tomou conhecimento disso e gentilmente me convidou para explicar minhas queixas. Com isso, virei uma espécie de assessora da dublagem de Star Trek e, com o tempo, me deram a grata oportunidade de traduzir não apenas “Star Trek”, como outros produtos.
Isso já faz uns 15 anos, portanto, de fã, virei profissional do ramo e assim, além de poder fazer um trabalho que amo de coração, com filmes e séries que adoro (e também muitas “bombas”, o que faz do ofício), tive e tenho a oportunidade de conhecer dubladores maravilhosos, como o recentemente falecido Newton da Matta (a voz insubstituível de Bruce Willis), e outros profissionais igualmente incríveis aos quais tenho a honra de chamar de queridos amigos, como Guilherme Briggs (o Buzz Lightyear, o Freakazóid), Ricardo Juarez (Johnny Bravo) e Márcio Seixas (que fez a nova voz do sr. Spock e empresta seu talento a atores como Charlton Heston e James Garner). Sou uma verdadeira “macaca de auditório” (ou traduzindo para um termo mais moderno, tiete) dos dubladores!

3. De acordo com o escritor, tradutor e blogueiro Alex Castro, qualquer tradução (legendagem/dublagem) por mais bem feita que seja sempre acaba distorcendo o texto original. Qual oferece menos mudança em relação ao texto original: legendagem ou dublagem?

Como dizem os italianos, “tradutori, traditori” (tradutor, traidor)… Com certeza, existem alterações inevitáveis devido a trocadilhos e piadas intraduzíveis e referências culturais muito específicas, que precisam ser adaptadas ou recriadas para tentar salvar seu significado ou preservar seu conteúdo para que o publico entenda, o que nem sempre é possível. E com mais certeza ainda, é a legendagem que causa as maiores modificações do original, por suas restrições de espaço, já que você tem de passar todo uma idéia falada com apenas duas frases por tela, formadas por 30 a 36 caracteres, que dá o tempo mínimo suficiente para o espectador conseguir ler o que está sendo dito no programa. No cinema, que naturalmente tem a tela maior, o numero de caracteres aumenta um pouco. No caso da dublagem, o conteúdo do que é dito é totalmente expresso, salvo raras exceções em que você precisa encurtar a frase, já que o inglês é um idioma mais sintético e o português é mais extenso. Quando a personagem diz apenas uma palavra de uma ou duas sílabas em inglês que só tem como correspondente em português uma palavra de mais de quarto sílabas, aí você se vira e “distorce” o original de forma a caber na bocada. Numa frase, esse problema é compensado com uma palavra que se tira aqui e ali ou pela interpretação do dublador, que pode “correr” ou “demorar” mais ao falar a frase, sem, é claro, a interpretação do original.

4. Que filme você fez a tradução para dublagem que “deu mais trabalho” para manter fidelidade textual?

Todos os filmes dão trabalho, por melhor ou pior, por mais fáceis ou mais difíceis que sejam. Às vezes pode ser uma produção B, bem simples, que se passa no Bronx ou no Brooklyn, por exemplo, e os personagens falam muitos palavrões e gírias locais que você precisa abrandar por causa da censura imposta pelos clientes. Num filme desse tipo a coisa complica porque você tem que passar o tom marginal, mas camuflando a linguagem chula, o que, na maioria das vezes, torna o resultado ridículo. Um bandido fala “merda” e se a gente substitui por “droga”, é até risível. Por isso, dependendo da produção, pede-se autorização ao cliente para sermos mais explícitos no linguajar.
Os filmes hoje também tendem a ser muito técnicos, por isso é preciso ter um bom acervo de dicionários de tudo que se possa imaginar, ciências sociais, medicas e físicas em geral, e também a sorte de possuir amigos com conhecimento em diversas áreas para nos ajudar na apuração de termos mais específicos.
Ou então dar uma de doido e ligar aleatoriamente para um médico, um advogado, o que seja, para perguntar como se fala em português determinada palavra ou expressão em inglês. Já tive de ligar para o Butantã para descrever uma cobra indiana e ver se o biólogo, na boa vontade, saberia me dizer o nome desse espécime em português, ou para o hipódromo para tentar identificar o nome de determinada peça da sela de um cavalo de corridas. A ficção científica, por exemplo, é dificílima, pois é um gênero que usa neologias a partir de elementos científicos reais. Filmes de época também requerem muito cuidado, pois é preciso se ater aos maneirismos do período, a palavras adequadas ao tempo em questão, sejam gírias dos anos 60 ou palavras mais rebuscadas de séculos passados, para que não se cometa o erro de falar um “tᔠnum filme que se passa na Inglaterra do século XVIII, por exemplo. Enfim, dá trabalho de qualquer maneira, e inclusive é preciso ter uma boa cultura geral, cultura pop, que seja, para identificar referências a fatos históricos ou contemporâneos, títulos de livros e filmes etc. Por exemplo, num desenho muito conhecido o personagem fala sobre a banda “Smashing pumpkins” e o tradutor não hesitou em tascar um “Abóboras amassadas”… Um exemplo de filme que traduzi recentemente e que me deu certo trabalho foi “Orgulho e preconceito” (dublagem para DVD), primeiro porque é um texto clássico e precioso de Jane Austen e, segundo, porque me apaixonei enlouquecidamente pelo filme e quis ser, mais do que sempre procuro ser, fiel à qualidade dos diálogos.

5. Há diferença (s) entre traduzir diálogos para TV e traduzir diálogos para cinema? Se sim, qual (is)?

Quanto à dublagem, no cinema você às vezes tem mais liberdade de expressão, não sofre tanta censura quanto na televisão (e ambas dublagens podem ou não ser aproveitadas em outros meios, pois também há a dublagem para DVD ou para filmes que passam em avião). Há poucos filmes dublados para cinema e os que chegam às telonas geralmente são desenhos de estúdios extremamente exigentes quanto à qualidade final, portanto a tradução ganha um pouco mais de tempo para ser bem trabalhada. Quanto à legendagem, como já expliquei, o espaço limitado por caracteres contadinhos fazem com que muito do texto original seja reduzido, tenha sua idéia simplificada para caber no espaço determinado, fazendo que características e sutilezas do texto se percam.


6. Existe uma grande parcela de pessoas que difamam filmes dublados e legendados. Adoram encontrar erros em traduções para criticar depois. Você foi vítima dessas pessoas por causa da tradução do texto de Jornada nas Estrelas? Como você encarou isso?

As pessoas costumam falar mal do trabalho dos outros, trabalho que não conhecem e que costumam simplificar, achando que não há mistério em exercê-lo. O tradutor sempre luta com muitas dificuldades (principalmente na dublagem), dificuldades que essas pessoas desconhecem ou não fazem questão de conhecer. O tradutor nem sempre tem condições de fazer o trabalho como acredita que deveria ser feito por diversos motivos, geralmente impostos pelos empregadores. A rapidez com que temos de traduzir um filme é um dos nossos maiores obstáculos. Mas, dentro do possível, tirando os tradutores desleixados ou incompetentes (afinal há bons e maus profissionais em todos os setores), tentamos fazer o melhor ao nosso alcance. Sendo assim, as críticas acabam sendo inevitáveis, mesmo que na maioria das vezes sejam injustas e até mesmo engraçadas e sem sentido. Eu mesma comecei nessa profissão porque critiquei uma tradução cheia de erros, portanto entendo perfeitamente se alguém reclama de meu trabalho.
Mas ignoro solenemente as reclamações absurdas. Mas uma crítica construtiva é sempre muito bem-vinda.

7. Hoje, como é o mercado de trabalho nessa área?

Como em todas as áreas de trabalho, o mercado de dublagem também anda complicado, mesmo nestes tempos em que quase toda a produção americana e muita coisa européia está chegando ao Brasil via TV a cabo. Acontece que, ao mesmo tempo, os tradutores tradicionais descobriram esse novo nicho da profissão (dublagem e legendagem) e correram atrás da coisa. Hoje existe, inclusive, cursos para tradução para dublagem e legendagem. Pra cada tradutor desse gênero, a média é de uns 15 outros querendo pegar o lugar, mas nem todo tradutor se adapta a esse tipo específico de tradução. Alguns são muito “duros” e não se adequam ao trabalho e alguns traduzem só pra ganhar dinheiro, sem curtir verdadeiramente essa forma mais específica de traduzir, ou por considerá-la uma modalidade menor da profissão.


Alguns filmes e séries traduzidos para dublagem por ela:

Ana e o Rei
– O Jardineiro Fiel
– Orgulho e Preconceito (DVD)
– Star Trek (série)
– Chicago Hope (série)
– Alias (série)
– Arquivo X (série)

 

Fonte: http://www.poucaseboasdamari.blogspot.com/


 

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE