Para a alegria de todos, ou certamente dos amantes do estilo, um dos realizadores mais respeitados da atualidade no cenário do terror mainstream americano, James Wan, está de volta ao gênero que o consagrou. Dessa vez com Maligno, que estreia nos cinemas no início de setembro e promete fazer o público gelar a espinha. Sempre sinônimo de lucro e colecionando obras que tiveram êxito por parte da crítica especializada, James Wan expandiu horizontes e se aventurou em outros projetos de propostas absolutamente diferentes do habitual, conseguindo ir ainda mais longe e rendendo bilheterias que ultrapassaram a marca de um bilhão de dólares com Velozes & Furiosos 7 (2015) e Aquaman (2018), se tornando assim um dos cineastas mais pleiteados da indústria.

Primeiramente conhecido por criar excelentes obras de horror que acabaram virando franquias de sucesso e dataram tendências, o caso de Jogos Mortais (2004) e Invocação do Mal (2013), Wan aposta agora num subgênero ou movimento pouco explorado no cinema norte-americano, os chamados filmes Giallo. Característica que já era perceptível pelo trailer de Maligno e foi confirmado pelo próprio diretor em entrevistas recentes – aliás, não deixe de conferir a nossa entrevista exclusiva que fizemos com ele aqui no CinePOP.

Mas, afinal, o que são esses tais giallo movies e por que tanta gente adora e faz referência até hoje? Provavelmente, muitos de vocês conhecem as chamadas pulp fictions – termo que foi amplamente popularizado após a estreia do longa de mesmo nome, de Quentin Tarantino. Para quem ainda não sabe, as pulp fictions eram revistas baratinhas publicadas nos EUA, no início do século passado, que traziam contos de ficção cientifica, fantasia, terror e as mais variadas aventuras. Naquela época, os autores que publicavam nessas revistas não eram muito estimados, já que a vertente era considerada subliteratura. No entanto, algumas décadas depois, esses escritores passaram a ser considerados verdadeiros mestres, saindo de lá, por exemplo, gigantes como Lovecraft, Isaac Asimov e Agatha Christie.



Na Itália fascista, entre as décadas de 1920 e 1930, as revistas giallo representavam basicamente a mesma coisa das pulp’s, ainda que focassem principalmente em histórias de detetive e assassinos em série. Anos depois, a partir da década de 1960, alguns cineastas italianos tomaram esses contos como referência e criaram, meio que naturalmente, uma espécie de movimento dentro do cinema de horror. Seguindo as formulas, adaptando tudo aquilo que liam nas giallo e inserindo uma estética mais obscura e expressiva, com inimigos bem definidos que mais tarde iriam inspirar os filmes slashers, a exemplo de Sexta-Feira 13 e Halloween. Dario Argento e Mario Bava ainda são os mais conhecidos do cinema giallo, entretanto vários outros realizadores como Lucio Fulci, Ruggero Deodat, Luigi Bazzoni, foram tão importantes quanto e influenciaram artistas ao redor do mundo. E é justamente sobre os clássicos desses mestres do terror europeu que falaremos aqui. Uma lista com dez filmaços do estilo que vão te fazer ficar na ponta do sofá e se preparar para aguardada estreia de Maligno.

  1. Uma Lagartixa num Corpo de Mulher (1971)

Aproveite para assistir:

Começando com Lucio Fulci, no seu segundo giallo, onde o primeiro foi Uma Sobre a Outra (1969), e em Uma Lagartixa num Corpo de Mulher vemos a filha de um influente político britânico que, depois de consecutivas alucinações constantes e pesadelos terríveis, se vê presa na própria dúvida de ter ou não matado uma pessoa. Consultando-se regularmente com um psicanalista, ela descobre que possui um transtorno de dupla personalidade, porém, num determinado momento, percebe que pode estar tramando algo contra si mesma. O grande destaque aqui vai para o roteiro complexo que se aventura por um novo tipo de narrativa dentro do gênero.

  1. O Pássaro Sangrento (1987)



No caso de O Pássaro Sangrento, de Michele Soavi, temos um giallo que apareceu muitos anos depois do movimento, em 1987, e é considerado por muitos apenas um filme slasher, no entanto podemos observar diversas particularidades dos giallo não apenas no roteiro, mas em conceitos estéticos e narrativos. Nele vemos um diretor de teatro decadente que planeja atrair a atenção da mídia encenando um musical que narra a vida de Irving Wallace, um assassino em série. O grupo então se reúne num depósito para ensaios noturnos, sem saber que quem está no palco, interpretando o psicopata que usa uma máscara de coruja, não é apenas um ator, mas sim o verdadeiro Irving Wallace, que havia fugido de um manicômio.

  1. Tenebre (1982)

Já um pouco distante dos clássicos giallo que havia realizado, Dario Argento traz em Tenebre uma narrativa elegante e diferente, que iria sofisticar ainda mais em filmes futuros. Todavia Tenebre possui vários atributos que o constitui como um giallo, como a própria trama em que vemos um autor que começa a ser perseguido por um serial killer – este que diz ser fã do seu trabalho. O assassino misterioso vai até as últimas consequências e começa a matar todos os envolvidos que participaram das obras do escrito.

  1. Torso (1973)

Mesmo que Mario Bava com Banho de Sangue (1971) tenha sido a principal fonte de inspiração para os chamados slashers, este Torso, de Sergio Martino, possui ainda mais elementos que foram utilizados em filmes como Sexta-Feira 13. A história se passa numa cidadezinha do interior da Itália, onde os jovens estão assustados com a onda de mortes e violência que vem acontecendo com os estudantes. Quatro garotas decidem tirar um tempo para descansar e esquecer em uma casa de campo, no entanto, por lá, passam a ser perseguidas pelo maníaco que atacava o lugar.

  1. Vestida para Matar (1980)

Esta é uma indicação a parte se compara as demais, pois se trata de um filme americano dirigido por uma cineasta também ianque muito conhecido, Brian De Palma, que mesmo bebendo de Hitchcock, sempre flertou com os giallo. Principalmente em Vestida para Matar, que possui todos elementos do subgênero como o assassino desconhecido, as luvas negras, cenas com muito sangue e aborda questões psicológicas centradas na sexualidade. Se você não está habituado com a narrativa europeia, essa é uma boa porta de entrada para conhecer um pouco do estilo.



  1. O Estranho Segredo do Bosque dos Sonhos (1972)

Aqui mais um filme do Lucio Fulci, considerado um dos pais do gore no terror europeu e com uma filmografia multifacetada, mas O Estranho Segredo do Bosque dos Sonhos é um dos poucos citados dentre os seus trabalhos. Todavia, acredite, esta é uma obra soturna, misteriosa e com uma trama completamente única que foi baseada em fatos reais. Onde um maníaco realiza uma série de assassinatos envolvendo um grupo de crianças num vilarejo da Sicília, Itália. A cidade inteira fica desesperada e todos os moradores passam a ser suspeitos. Acompanhamos então um jornalista que tenta desvendar esses casos e acaba se envolvendo em intrigas, gerando ainda mais violência para pessoas inocentes.

  1. Seis Mulheres para o Assassino (1964)

Há quem diga que Mario Bava já havia dado iniciado aos giallo movies com A Maldição do Demônio, em 1960, mas Olhos Diabólicos, de 1963, é oficialmente creditado como o primeiro filme a possuir as características solidas do estilo. Porém, foi um ano depois, com Seis Mulheres para o Assassino, que Bava moldou o estilo giallo durante os próximos anos. A história acontece numa casa de moda, onde modelos estão sendo perseguidas e apanhadas por um assaltante misterioso que chega até matar algumas das suas vítimas. Aqui o cineasta estabelece o padrão de mistério de assassinato sempre encharcado de cores berrantes que os filmes de Argento iriam “pegar emprestado”.

  1. O Pássaro das Plumas de Cristal (1970)

 


E falando em Dario Argento, o diretor estreou em grande estilo com O Pássaro das Plumas de Cristal, que era nitidamente mais refinado e melhor construído que os giallo que haviam saído até ali. Muito por Argento trazer um pouco do dinamismo narrativo do mestre Alfred Hitchcock, e juntar com as cores expressivas dos filmes do próprio Bavo. A aventura começa quando o escritor Sam Dalmas testemunha uma tentativa de assassinato cometida por um misterioso homem vestido de preto. A vítima sobrevive, mas como a polícia não consegue descobrir quem é o assassino, Sam decide investigar por conta própria.

  1. Banho de Sangue (1971)

Não tem jeito, Banho de Sangue é historicamente considerado o template dos filmes slasher, a começar pela trama, onde vários assassinatos acontecem numa baía paradisíaca, começando pela condessa Donati, a proprietária do local. Nele vemos vários adolescentes com os hormônios em ebulição, que por serem moradores das redondezas e herdeiros da propriedade, tornam-se também vítimas de um assassino em série, embora alguns membros do grupo pareçam ter intenções de matar seus próprios colegas. O desfecho então parece ainda mais incrível. No longa temos as clássicas luvas pretas, as cores gritantes e o trabalho de câmera alucinado, soando terrivelmente belo e hipnótico.

  1. Prelúdio Para Matar (1975)

Sim, Mario Bava começou tudo e deve ser reconhecido como o criador dos giallo movies, mas o também fã de Bava, Dario Argento, aperfeiçoou sua criação e elevou a outro patamar. E mesmo que Argento possua outros filmes mais conhecidos, vide Suspiria, Prelúdio Para Matar é o seu trabalho mais notável e considerado o melhor giallo já feito. Seguindo a formula do mestre, o cineasta mistura o clima de mistério aos elementos de terror para criar a ferramenta do “quem matou?”. Um filme extremamente violento, com muito suspense e personagens ameaçados por um assassino “invisível” maluco. E mesmo tudo parecendo surreal pelas influências expressionistas e reviravoltas, o espectador compra a trama até o final. Esta que traz o pianista Marcus Daly que testemunha um brutal assassinato de uma médium, mas não é capaz de reconhecer o rosto do criminoso. Com isso na cabeça, ele decide investigar o crime com a ajuda de uma repórter e mergulha num submundo perigoso, correndo cada vez mais riscos à medida em que se aproximam da verdade, pois a dupla é constantemente observada pelo assassino.

Bônus: Suspiria (1977)

Suspiria é sem dúvidas o maior expoente do terror italiano, o longa mais famoso de Dario Argento (que ganhou até um remake nos últimos anos), além de ser frequentemente descrito como um filme giallo, mas há controvérsias sobre essa definição. Se formos pegar as principais características do subgênero, pelo menos na base literal que ele foi criado, seguindo as histórias de detetive, o filme não poderia se enquadrar no estilo. No entanto, como vemos nos títulos anteriormente citados, a vertente ganhou novos contornos e passou a ser algo que iria muito além dessa estrutura. Todo apelo estético e conceito visual, o estilo narrativo inquieto, as tramas insanas ou mesmo a abordagem dos personagens são particularidades que acabam se sobressaindo. E Suspiria possui todas elas, ainda que seja um filme gótico mergulhado no horror sobrenatural. Então, é possível sim considerar Suspiria não apenas como um filme giallo, mas a evolução ou a expressão artística máxima do tal subgênero.

Comentários

Não deixe de assistir: