O CinePOP traz uma entrevista EXCLUSIVA com o astro Ian McShane, que estrela ‘Deadwood: O Filme‘ – sequência da aclamada série.

A estreia na HBO Brasil acontece nessa sexta-feira, dia 21, às 21 horas.

Confira:

Passaram-se 13 anos após o fim da série. Como foi voltar à história depois de tanto tempo?

Voltar a esta história foi como estar em um sonho bem ensaiado. Quando estávamos filmando, eu olhava para o Timothy Olyphant (“Seth Bullock”) ou para o John Hawkes (“Sol Star”) ou para a Paula Malcomson (“Trixie”) e pensava: “Meu Deus, lá vamos nós de novo”.

Era um sentimento único. A filmagem foi estranha no sentido de que era muito nostálgica organicamente. Era como há dez anos, só que dez anos depois, porque estávamos mais velhos, mas usávamos o mesmo vestuário, com os mesmos atores incríveis e fazendo cenas semelhantes.

Eu espero que nós estejamos tão bem quanto há 13 anos ou melhor. Não se trata de descansar no sucesso de Deadwood – eu espero que seja o tributo que a série merece e um carinhoso adeus a uma série muito amada.

A passagem do tempo foi generosa com os personagens?

O meu personagem, Al Swearengen, está um pouco encolhido fisicamente, mas tem a mesma cabeça, a mesma atitude, ele é o mesmo dentro do possível. Mas o tempo não foi generoso com ele. Não se pode beber tanto e esperar que o tempo seja generoso. Mas isso só aumenta a determinação dele de ter o máximo de astúcia possível e manter as questões dele dentro de certa ordem, porque ele não é bobo.

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

O Bullock também está mais velho. Todos estão mais velhos e, eu espero, um pouco mais sábios – alguns nem tanto. Mas eu acho que o David Milch (roteirista do filme e criador da série) carinhosamente dá a cada um seu repertório completo, e esperamos que a maioria das pessoas goste.

O Al Swearengen ajudou a construir o caminho para protagonistas mais complexos na televisão, que tornam menos clara a divisão entre o bem e o mal?

Vemos mais protagonistas assim desde o James Gandolfini, da “Família Soprano”, o Al em “Deadwood” e os complexos personagens de “The Wire”. Temos pessoas cada vez mais complicadas na TV. Talvez o Al tenha sido o primeiro, mas com certeza não foi o último.

Eu o vejo como uma espécie de Fagin [personagem de Charles Dickens]: ele pega todos os párias da sociedade e os coloca ao seu lado, como a Trixie, a Jewel (Geri Jewell) – que foi agredida e paralisada – e o idiota do Johnny Burns (Sean Bridgers). Todos eles encontraram um lugar com o Swearengen. É a família estranha que ele forma.

O que tornou a série cult?

Eu acho que foi a época. A série estreou logo após a Guerra do Iraque em 2003, e Deadwood abordou questões como imigração e ilegalidade, e o que acontece quando as leis locais não estão à altura de uma sociedade que cresceu. Mas a paixão pela série tem a ver com as pessoas que moram na cidade.

De que você sentiu mais falta do personagem Al nesses 13 anos? E por que este é o momento certo de interpretá-lo de novo?

Eu acho que eu senti falta da facilidade do figurino: colocar a velha ceroula e o terno listrado, brilhantina no cabelo e pronto! E era a maquiagem mais fácil do mundo, porque eu não usava nenhuma maquiagem para interpretar o Al. Era eu mesmo.

Também senti falta dos textos do David. Eu acho que todos nós sentimos. Mas todos nós voltamos; ele e seus textos também.

Eu acho que ele escreveu um ótimo filme de duas horas, e por isso estamos aqui de volta. A HBO não teria feito um filme velho, só por nostalgia. Tinha que ser o filme certo, e eles encontraram o roteiro certo.

Com esse personagem você ganhou o Globo de Ouro de Melhor Ator de Série Dramática para a TV em 2005, e foi indicado ao Emmy. O que mais ele representou para a sua carreira?

Fazer Deadwood foi muito bom para mim e me apresentou a um determinado tipo de público americano. Na primeira vez que eu li o roteiro eu percebi que o Al tinha alguma coisa especial. Interpretar este personagem tão bem escrito durante três anos foi maravilhoso, e voltar depois de 13 anos é fantástico. Também é fantástico trabalhar com o David Milch de novo.

Eu acho que o filme é uma homenagem à série, que para mim como ator representou três anos incríveis – três anos de criatividade, aprendizado e sentimentos.

Deadwood‘ contou com três temporadas, que foram exibidas pela HBO entre 2004 e 2006. A trama contava com os atores Ian McShane, Timothy Olyphant e Molly Parker entre os protagonistas.

 

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE