FOREST… WHITAKER – O MORDOMO DA HISTÓRIA

Levemente inspirado na vida real de Eugene Allen, O Mordomo da Casa Branca traz o vencedor do Oscar Forest Whitaker em busca de mais uma indicação na pele de Cecil Gaines. O personagem é o mordomo do título. Nascido numa plantação de algodão, o protagonista ainda menino viu seu pai ser assassinado por um homem branco, e sua mãe ficar louca. O elenco da obra é um dos maiores já apresentados, não só nesse ano, mas em qualquer outro. Logo nessa cena inicial da infância do protagonista temos a participação de gente como a veterana Vanessa Redgrave (Anônimos), do novato Alex Pettyfer (Magic Mike), e dos cantores Mariah Carey (Preciosa) e David Banner.

Depois de uma breve educação dada pela senhoria da casa (Redgrave), o protagonista foge, e completa seus ensinamentos em servidão com o primeiro homem a realmente lhe estender a mão, e lhe dar um emprego, papel de Clarence Williams III (O Gângster). Já como um mordomo estabelecido num luxuoso hotel, Cecil é um mestre absoluto em submissão, e dessa forma sustenta a sua família, a esposa vivida pela apresentadora Oprah Winfrey e os dois filhos pequenos. Esse é o primeiro papel de Oprah, uma das mulheres mais poderosas e influentes da América do Norte, que começou a carreira como atriz, em 15 anos.

6


Oprah interpreta a problemática mulher do protagonista, que se sente renegada pelo marido em nome do trabalho, mesmo compreendendo que dessa forma ele pode oferecer-lhes uma vida melhor. O protagonista recebe uma ligação para trabalhar na Casa Branca, e por lá fica durante a presidência de muitas importantes figuras da história recente americana. Da década de 1950, com o governo do presidente Dwight D. Einsenhower (vivido pelo ator Robin Williams) até o fim da década de 1980, com o governo Reagan (Alan Rickman, de Um Golpe Perfeito), Cecil Gaines esteve presente observando de perto, e muitas vezes servindo como ombro para confissões.

Dentre o vasto elenco, temos o desfile de presidentes com, além dos citados, John Cusack (Obsessão) como Nixon, James Marsden (Dose Dupla) como Kennedy, e Liev Schreiber (Fading Gigolo) como Lyndon Johnson; Gerald Ford aparece apenas como imagem de arquivo, e Jimmy Carter não é citado. Além do grandioso elenco ser um forte atrativo para O Mordomo da Casa Branca, a estrutura do filme funciona um pouco como a de Forrest Gump, na qual um homem comum passa por alguns dos maiores eventos da história americana recente, muito de perto, participando e interagindo com eles. Mas ao contrário do filme de Robert Zemeckis, essa obra possui um teor mais dramático, amargo, e ao mesmo tempo triunfante.

Aproveite para assistir:

7

O Mordomo da Casa Branca é o novo filme do diretor Lee Daniels, que em 2009 tomou o mundo do cinema de assalto com Preciosa, produção indicada para seis prêmios no Oscar, incluindo melhor filme, e vencedora de dois. Caminho esse que O Mordomo da Casa Branca deve seguir de perto, já que é cotado desde seu lançamento como forte candidato para indicações. Embora manipulativo e como dizem “isca de Oscar”, a nova obra de Daniels consegue superar produções recentes indicadas ao prêmio máximo, como Cavalo de Guerra e Tão Forte e Tão Perto, simplesmente por sua importância histórica e social.

Assim como os últimos filmes do diretor (incluindo Obsessão, que faz parte do Festival do Rio 2013 também), O Mordomo da Casa Branca tem como tema central toda a transformação social que afrodescendentes passaram na América, culminando com a segregação racial da década de 1960, até finalmente Barack Obama tomar posse como o presidente em 2009. Parte desse aspecto é trazido por uma das melhores coisas da obra, o ator David Oyelowo, que interpreta o filho do protagonista, disposto a participar de forma mais ativa para a mudança, e que serve de contraponto perfeito para a submissão de seu pai. Fato que os coloca durante quase uma vida em confronto.

8

O Mordomo da Casa Branca pode não ser o melhor filme do ano, mas é um dos mais corretos, e não desaponta. Garantido de agradar a gregos e troianos. Embora tais elogios possam guiar de forma errada algumas pessoas, é seguro dizer que o filme possui muito mais a oferecer além de sua fórmula pouco original. São ideias por trás de um conceito. Pontos de vistas bem formulados e prontos para serem discutidos, por visões de vida diferentes. Com atuações eficientes que são a cereja no topo do bolo. Não é original ou muito criativo, mas serve para ensinar, educar e edificar. Missão de bons filmes também.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE