Halloween Kills: O Terror Continua, o mais recente filme de uma das franquias de terror mais bem sucedidas da história do cinema, tem estreia prometida para esta quinta-feira no Brasil, dia 14 de outubro. A estratégia de lançamento é bem propícia e coincide com o dia das bruxas este mês. Segunda parte de uma nova trilogia, Halloween Kills traz novamente como protagonista a veterana absoluta da franquia Jamie Lee Curtis, e continua os eventos apresentados em Halloween (2018) – grande sucesso de crítica e público. Halloween Kills foi um dos filmes que precisou ser adiado de 2020 para 2021 devido à pandemia do Coronavirus e finalmente irá aportar nos cinemas pelo mundo.

Quem já pôde conferir Halloween Kills afirma que esta continuação segue a linha de excelência do reboot de 2018, e a nova trilogia chegará ao fim (será?) em 2022 com Halloween Ends. É claro, como todos sabem, a saga de Laurie Strode (Curtis) e o maníaco da máscara branca Michael Myers começou lá atrás, antes de grande parte dos fãs atuais sequer sonhar em nascer, em 1978 na obra-prima dirigida pelo mestre John Carpenter, ainda enaltecida não apenas como o “pai” dos filmes slasher adolescentes, como também um dos melhores filmes de terror de todos os tempos. Halloween (2018), passado 40 anos após o original, aliás, se trata de uma continuação direta dele. Mas para a surpresa de muitos, a franquia Halloween teve outros nove (isso mesmo!) filmes neste intervalo de quarenta anos – incluindo um remake e sua continuação.

Os bem mais novinhos talvez não lembrem muito, mas antes da comemoração cultuada de 40 anos, que foi o sucesso Halloween (2018), produzido pela Blumhouse e dirigido por David Gordon Green, a franquia há havia recebido uma celebração de aniversário – igualmente muito querida pelos fãs da geração dos anos 1990. Trata-se de Halloween H20, que desejava em grande estilo o feliz aniversário de vinte anos para a franquia clássica. Na época, no entanto, os parabéns ficaram a cargo de outro estúdio e outros produtores, já que o carismático Jason Blum ainda não estava estabelecido no mercado. Os responsáveis por ciceronear o retorno triunfante de Michael Myers para àquele dia das bruxas foram os hoje malditos irmãos Weinstein (Harvey e Bob), donos da então bombada Miramax – mesmo estúdio responsável pela franquia Pânico – outra bem sucedida série de terror no cinema.



Veio de Harvey a ideia de comemorar o aniversário de vinte anos e logo o mega produtor conseguiu convencer a estrela original Jamie Lee Curtis a retornar ao papel que deu início à sua carreira. Curtis era uma ilustre desconhecida quando protagonizou o original em 1978, tendo como credenciais somente a filiação dos astros Tony Curtis e Janet Leigh. Ela voltaria para estrelar a continuação direta Halloween II – O Pesadelo Continua, de 1981, novamente escrita e produzida (mas não dirigida) por John Carpenter, e cedeu sua voz no telefone para uma cena de Halloween III – A Noite das Bruxas (1982), novamente com forte envolvimento do “pai” de tudo, John Carpenter. Mas foi só o cineasta deixar a franquia, que Curtis tomou o mesmo rumo, se afastando para o mais longe possível dos três filmes seguintes.

Aproveite para assistir:

Ao ser convencida por Harvey Weinstein a retornar, o primeiro passo de Curtis foi ligar para o colega John Carpenter e para a produtora dos filmes originais Debra Hill (igualmente roteirista dos originais) a fim de recrutá-los também para a missão de dar novos ares à franquia no fim dos anos 1990. O argumento usado por Curtis foi: “se passaram vinte anos desde o primeiro Halloween, o primeiro sucesso de nossas vidas, e todos nós ainda estamos trabalhando na área, temos uma carreira inclusive maior agora. Conseguimos escalar e evoluir. Seria muito bom celebrar não apenas esta franquia, mas nossas carreiras ao longo desta trajetória”. Tudo parecia no lugar e Carpenter começou a trabalhar nesta continuação de vinte anos. Porém, um tempo depois ocorreu o desligamento do diretor e por consequência de sua colaboradora Debra Hill. O motivo? Carpenter pedia um salário de US$10 milhões (o diretor ainda cobrava uma dívida do passado com o produtor Moustapha Akkad), sendo que o orçamento de Halloween H20 era de US$17 milhões no total – sendo o mais caro da franquia até então. Para termos uma ideia, o remake de Rob Zombie (2007) custou US$15 milhões e o recente reboot Halloween (2018) custou US$10 milhões.



Sem Carpenter, Hill e com o título inicial de Halloween 7: A Vingança de Laurie Strode, referência ao título do quinto filme (A Vingança de Michael Myers, de 1989), o sétimo longa pretendia à princípio levar todas as continuações da franquia em conta, sendo uma sequência do sexto filme de 1995. Uma nova dupla também entrava em cena para ditar os caminhos do novo capítulo: o diretor Steve Miner, responsável por sucessos de terror dos anos 1980, vide Sexta-Feira 13 Parte 2 e 3, A Casa do Espanto, e que viria a seguir com o filme de crocodilo Pânico no Lago (1999). Ao seu lado, assumindo o roteiro, Kevin Williamson era o novo prodígio de Hollywood e um nome quentíssimo da indústria ao ter revitalizado os slasher com Pânico (1996) e sua continuação Pânico 2 (1997). De fato, Pânico influenciou muito o que vemos em tela em Halloween H20, com este sendo o capítulo mais “Scream” da franquia – autorreferente, repleto de metalinguagem e citações a outras produções do gênero. Mesmo que Williamson no fim das contas não tenha sido creditado como roteirista – somente como produtor. Se casou ou não com o teor mais soturno do que geralmente vemos na franquia, podemos dizer que existem os fãs que gostam (em especial os fãs de Pânico) e os que torcem o nariz (por justamente acreditarem que este tipo de teor mais juvenil e engraçadinho não casa tanto com Halloween).

A premissa traria Laurie Strode novamente como protagonista. Desta vez não mais uma adolescente indefesa, mas uma mulher em seus 40 anos, mãe de um rapaz, completamente traumatizada pelos ocorridos de vinte anos atrás (não somente do primeiro filme, mas também do segundo, para todos os efeitos ocorridos na mesma noite). Na opinião de Jamie Lee Curtis, a vida de Laurie deveria estar completamente em frangalhos, com ela tendo se tornado uma alcoólatra e quase sem sanidade mental. Algo similar com o que vemos em Halloween (2018). Mas Williamson a convenceu de não exagerar, tentando conter a vida da mulher nos eixos dentro do possível. O que prevaleceu foi que Laurie aqui mudou de nome e de cidade, se chamando agora Keri Tate e morando e trabalhando na Califórnia, onde é a diretora de um colégio para jovens ricos. A mulher forjou a própria morte, esquecendo de vez sua vida prévia e deixando o passado trágico para trás.

Era o desejo do próprio Williamson levar em conta todos os filmes da franquia, no entanto, o roteirista teve muita dificuldade de ligar os pontos deixados em aberto, que conectariam em especial os filmes quatro, cinco e seis com este sétimo capítulo. Acontece que com a saída de Curtis da franquia no passado, os produtores resolveram incluir na trama como protagonista sua pequena filha Jamie (papel de Danielle Harris), e para justificar a ausência da mãe o roteiro teve a ideia de matar Laurie num acidente de carro, deixando a pequena órfã para ser criada por outros membros da família. Nessa linha narrativa, acompanhamos os passos da pequena Jamie como a vítima da vez enfrentando seu tio Michael. Até finalmente, em outra decisão polêmica, a jovem ser eliminada (um pouco mais velha) no controverso sexto filme.

Tudo isso foi adereçado por Williamson num roteiro original de Halloween 7, e uma cena inclusive foi gravada com Sarah (Jodi Lyn O’Keefe) lendo em classe seu trabalho sobre uma investigação dos assassinatos de Michael Myers, onde cita Jamie Lloyd (a filha de Laurie), ao que a personagem de Curtis corre para vomitar no banheiro. A cena, entre outros detalhes, considerariam a existência dos três filmes anteriores. No fim das contas, os vestígios sobre isso foram apagados pois Williamson não encontrou um jeito de tornar aceitável o abandono de Laurie em relação à sua pequena filha. Ainda mais se levarmos em conta que agora ela possui outro filho e outra vida, o fato de ter abandonado completamente uma filha pequena tornaria a protagonista uma pessoa simplesmente detestável e acima de qualquer redenção.

Assim, pela primeira vez na franquia, um filme da série iria simplesmente ignorar algumas das continuações como se nunca tivessem existido. Halloween H20, por fim, seria uma sequência direta do segundo longa de 1981, e desconsideraria em sua cronologia os eventos do terceiro ao sexto filmes. Para todos os efeitos, H20 seria o terceiro e tardio episódio da franquia. É claro que o artifício seria utilizado outras duas vezes (no remake de 2007 e no reboot de 2018).



Muitas das ideias foram mantidas na versão final de Halloween H20, como o alcoolismo de Laurie (mesmo que de forma sutil), seu trauma e sua nova identidade fugindo do irmão psicopata. O que não foi levado em conta e não é adereçado no filme, é como Michael Myers sobreviveu ao incêndio no hospital ao desfecho de Halloween II (1981), ou qualquer evento que ligue o psicopata do segundo filme a este. Ele simplesmente aparece em cena, são e disposto, pronto para um novo round de matanças. Aonde ele esteve durante todo esse tempo? O sétimo longa não se dá ao trabalho de explicar. E será que precisava?

Halloween H20 se mostrou um sucesso e se tornou febre na época, pegando carona nos slasher do período, muitos dos quais tinham o dedo de Kevin Williamson – vide Pânico e Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado. Mas para Jamie Lee Curtis a celebração de aniversário não teve o sabor doce que ela havia planejado. Em entrevistas recentes para divulgar Halloween (2018), a atriz afirma que “a intenção de H20 era boa, mas no fim das contas as coisas acabaram não saindo como planejado”. Hoje Curtis se refere ao filme como “um trabalho por dinheiro”. Disse que tem boas coisas nele, em especial quando fala de alcoolismo e trauma, mas que nos finalmente terminou fazendo o filme pelo contracheque e não pela planejada satisfação de comemorar um marco. Parte disso se deve pela teimosia do então dono da franquia, o produtor Moustapha Akkad, em não querer, por bons motivos, colocar um ponto final em sua “galinha dos ovos de ouro”. Era parte do acordo para o retorno da atriz que ela pudesse de uma vez por todas dar cabo do psicopata da máscara branca. Mas em um vídeo que pode ser encontrado na internet, Curtis diz que a “enrolaram” sobre o tópico até a data das filmagens, quando finalmente a foi revelada uma cláusula de Akkad que proibia a morte definitiva de Myers. Curtis ficou possessa subindo pelas tamancas. Para esfriar os ânimos, Williamson teve uma ideia que agradou ambas as partes.

Halloween H20 terminaria de uma forma em que Myers realmente morresse no desfecho – ao menos era o que o público pensaria com a decapitação do maníaco. Ou seja, a explicação estapafúrdia que é dada no início da continuação direta de H20, Halloween: Ressurreição (2002) não foi um coelho tirado da cartola para aquele filme, e sim algo que já havia sido acordado como forma de atender todas as vontades, entre Jamie Lee Curtis, Kevin Williamson e o produtor Moustapha Akkad. Bem, e sabemos o que saiu disso… Ressurreição é tido por muitos como o ponto baixo da franquia e desfaz de certa forma o que de mais brilhante H20 havia conquistado: a morte definitiva de Myers. É claro que sempre podemos agir como se certos filmes nunca tivessem existido…


Comentários

Não deixe de assistir: