Quando ‘Matrix Resurrections‘ foi anunciado, os fãs tiveram a triste notícia de que Laurence Fishburne não voltaria a interpretar Morpheus.

Além disso, entre os membros originais de destaque, apenas Keanu Reeves e Carrie-Anne Moss retornam para reprisar seus papéis como Neo e Trinity.

Na trama, o elenco é majoritariamente formado por novatos na franquia.

Mesmo assim, Morpheus está presente, só que interpretado por Yahya Abdul-Mateen II (‘Aquaman’).



A revelação acabou chocando o público e até mesmo o próprio Fishburne, mas há uma explicação bem plausível para essa mudança… Vamos lá!

No início de ‘Matrix Resurrections‘, as coisas começam de forma semelhante ao filme de 1999, com um misterioso telefonema misterioso e até mesmo uma mulher que se assemelha a Trinity sendo atacada pela polícia.

Aproveite para assistir:

A personagem de Jessica Henwick, Bugs, é quem percebe tudo isso, chegando à conclusão que esse estranho loop é causado por um código da antiga Matrix e funciona como um transporte dentro da versão atualizada da Matrix.

Ela percebe que esta é a história de Neo e Trinity se desenrolando, mas há diferenças sutis, como as alterações nas memórias e na própria realidade.



Outro programa importante capturado nesta atualização é um Agente Smith, também interpretado por Yahya Abdul-Mateen II.

Após Bugs ser descoberta por outros agentes e tentar fugir, ela é pega por Smith, que a carrega por uma porta dos fundos para uma sala que reproduz o apartamento de Neo da Matrix original.

Bugs revela ao ‘Agente Smith’ que ele está em um transporte, uma simulação usada para desenvolver programas, mas é interrompida pela chegada de mais agentes.

Então ela conta a Smith como Neo a inspirou e libertou sua mente, fazendo-o revelar que também foi inspirado depois de perceber o código da Matrix no espelho de sua casa, acreditando que é uma atualização do Morpheus original e que seu propósito é encontrar Neo.

Apesar de ser um programa (ou ‘Sentinela Digital’ como eles gostam de ser chamados agora), Bugs é capaz de extrair Morpheus para o mundo real e dar a ele uma forma física.

No filme, a explicação para isso é que eles usam ‘oscilação paramagnética’ para assumir uma forma no mundo real… Como se fossem munições de chumbinho capazes de se modelar como quiserem.

Depois de ser libertado, e antes de obter seu corpo magnético, Morpheus permanece no limbo, aprendendo mais sobre “si mesmo”, aprendendo mais sobre a vida de Morpheus e seu relacionamento com Neo.



Mas você deve estar se perguntando: “Como um programa baseado no Agente Smith pode acabar se tranformando em Morpheus?”

Ao longo da trama, é explicado que o transporte em que Morpheus estava foi programado por Neo, algo que ele executou como um teste.

O Morpheus/Agente Smith de Yahya foi um programa criado por Neo quando ele tentava entender a origem de seu propósito na Matrix.

É explicado que Neo só se tornou o escolhido por conta de uma “reflexão algorítmica de duas forças que o ajudaram a ser tornar quem ele deveria ser”, e essas duas forças foram o Morpheus e o Agente Smith da trilogia original.

Basicamente, o personagem de Yahya é a conexão dos códigos de Smith e Morpheus, e o código de Morpheus acabou prevalecendo em sua composição.


Mas o que aconteceu com o verdadeiro Morpheus?

É revelado que nos mais de sessenta anos desde ‘Matrix Revolutions‘, Morpheus foi eleito Presidente do Conselho, mas após rumores de um novo poder na Matrix, ele ignorou sua posição certo de que o sacrifício de Neo não seria desfeito.

O filme não diz abertamente o que aconteceu com ele, mas é quase certo que ele morreu.

Concluindo, Laurence Fishburne ainda é o Morpheus original, enquanto o personagem de Yahya Abdul-Mateen II é apenas uma versão digital dele criada por Neo a partir de suas memórias.

Lembrando que o filme já está em exibição nos cinemas nacionais.

Assista a nossa crítica:

No Rotten Tomatoes, o novo filme abriu com 66% de aprovação, a partir de 77 críticas.

Até o momento, foram 51 positivas e 26 negativas.

O comentários do Chicago Sun Times ainda descreve o filme como um tributo ao passado que não consegue trazer ousadia ou uma trama inovadora.

Por outro lado, o Globe and Mail diz que 2021 não poderia ser encerrado de forma melhor por conta da estreia do longa.

Felizmente, parece que o carisma de Keanu Reeves e Carrie-Anne Moss continua agradando como Neo e Trinity e esbanjam química ao longo da trama.

Confira as principais críticas:

“Embora a épica trilogia de ficção científica seja reiniciada depois de quase 20 anos de forma inteligente, ela não consegue sustentar a energia ou entusiasmo do original, transformando-se em algo cansativo e datado.” – The Film Yap.

“‘Matrix Resurrections‘ luta com seu legado e coloca uma autoconsciência existencial no verdadeiro estilo ‘Matrix‘. Só que desta vez, a diretora e co-roteirista Lana Wachowski ficou muito mais pessoal e sentimental, trazendo humor surpreendente para a mistura.” – Bloody Disgusting.

“‘Matrix Resurrections‘ poderia ter sido uma tentativa completamente cínica de nos fazer gastar dinheiro. Ou, tão ruim quanto, um exercício de arrogância [de Lana Wachowski]. Uau! Mas ela consegue se esquivar de todas essas balas.” – London Evening Standard.

“Por mais empolgante que sua chegada possa ser, ‘Matrix Resurrections‘ recria muitas das ideias do primeiro filme com apenas uma aparente autoconsciência como proteção contra sua falta de originalidade.” – WhatToWatch.

“‘Matrix Resucrrections‘ mostra que há mais do que apenas uma falha na Matrix. Esse filme nos dá a sensação de que todo o servidor está fora do ar.” – Detroit News.

“‘Matrix Resurrections‘ parece tentar aproveitar o sucesso da trilogia original, assim como aconteceu em ‘Star Wars: O Despertar da Força‘, cruzando a linha entre a nostalgia e uma reinicialização que (provavelmente) dará início a uma série inteiramente nova de filmes.” – Insider.

“‘Matrix Resurrections‘ volta ao código-fonte integral que tornou o original tão cativante. E Keanu Reeves e Carrie-Anne Moss são novamente um par com bastante química na tela.” – Movie Web.

Assista nossa crítica e siga o CinePOP no YouTube:

Crítica | Matrix Resurrections vale pena nostalgia, mas é um blockbuster genérico….

Lembrando que ‘Matrix Resurrections‘ é uma continuação da história estabelecida no primeiro filme MATRIX.

Na trama, Reeves e Moss retornam como os ícones cinematográficos Neo & Trinity em uma expansão de sua história que se aventura de volta à Matrix e ainda mais fundo na toca do coelho.

Uma nova aventura alucinante com ação e escala épica, que se passa em um mundo familiar, mas ainda mais provocativo, onde a realidade é mais subjetiva do que nunca e tudo o que é necessário para ver a verdade é libertar sua mente.

20 anos após o primeiro filme, a franquia que ajudou a definir a cultura pop na virada do século está de volta para uma continuação e extensão do filme original. Matrix permanece no zeitgeist como um filme que mudou a forma como olhamos o cinema e a própria realidade. Com sua ação e efeitos visuais revolucionários, Matrix ajudou a pavimentar o caminho para os filmes que viriam. 

Além de Reeves e Moss, o elenco conta com Jada Pinkett-Smith (Niobe), Daniel Bernhardt (Agente Johnson), Yahya Abdul-Mateen II, Neil Patrick Harris, Christina Ricci e Priyanka Chopra.

Matrix’ foi lançado em 1999 e aclamado pelo mundo por conta dos efeitos visuais pioneiros. O original ganhou quatro Oscars e arrecadou 463 milhões de dólares em todo o mundo.

Seguiram-se duas continuações, ‘Matrix: Reloaded’ e ‘Matrix: Revolutions’, ambas lançadas nos cinemas em 2003.

Ao todo, a trilogia arrecadou US$ 1.6 bilhão de dólares para a Warner Bros Pictures.

</a

COMENTÁRIOS

Não deixe de assistir: