Sabadão. Dia mais que perfeito para os cinéfilos maratonarem bons filmes em casa. Seja com familiares, com os(as) companheiro(a)s, aquela pessoa especial ou até mesmo sozinho. Mas é aí que lembramos de um motivo a mais para a alegria: o feriadão prolongado até terça-feira. Tradução: mais filmes para corrermos atrás e colocarmos em dia. Não poderia ser mais perfeito. Fazendo a nossa parte e procurando ajudar você, nosso querido leitor, nessa missão, começaremos aqui uma série de matérias de dicas com alguns filmes bem interessantes nas mais variadas plataformas disponíveis aqui no Brasil. E para dar o pontapé inicial, começaremos com a mais popular e maior de todas elas, a Netflix. Confira abaixo os longas que selecionamos e não esqueça de comentar.

Justiça em Família

Começamos a lista de dicas com uma forte aposta da Netflix para esta temporada. Produção original da casa, a plataforma investe no carisma de Jason Momoa (Aquaman/Game of Thrones) como protagonista. Essa é uma pedida para os aficionados por ação, adrenalina e suspense. Na trama, Momoa é um pai de família indo contra uma gigante da indústria farmacêutica que negligenciou o tratamento de câncer de sua esposa resultando em sua morte. Com essa briga, ele termina por virar alvo de poderosos e colocar sua filha em perigo. A jovem é interpretada por Isabela Merced – intérprete igualmente promissora.

Alvo Duplo



Por falar em Jason Momoa, seguimos com outro filme policial de ação, que desta vez traz o ator como vilão. Quem protagoniza é o veterano Sylvester Stallone, na época em alta devido ao sucesso de Os Mercenários e sua continuação. No filme, Stallone é dirigido pela primeira vez em sua carreira pelo icônico cineasta especialista no gênero, Walter Hill. O astro protagoniza como um matador precisando se unir a um policial (Sung Kang – o Han da franquia Velozes e Furiosos) depois que seu parceiro é morto no trabalho. Momoa vive um capanga envolvido num esquema imobiliário fraudulento com a cidade. Se para mais nada o filme já vale pelo duelo de Stallone e Momoa no final. Coisa Boa.

Sicario – Terra de Ninguém

Aproveite para assistir:

Continuando pelo terreno da ação, aqui temos um filme com um teor bem mais sério e dramático, além de muitos elementos de suspense. Fora isso, o sucesso Sicario tem direção de ninguém menos que o talentosíssimo Denis Villeneuve, cujo mais recente trabalho Duna acaba de ser aplaudido de pé por sete minutos no Festival de Veneza. Voltando seis anos no tempo, o diretor já ganhava muitos elogios aqui nesta história sobre uma agente federal idealista embarcando na guerra americana contra os cartéis de drogas no México. Quem protagoniza é a menina de ouro Emily Blunt (em cartaz atualmente com os sucessos Jungle Cruise e Um Lugar Silencioso 2). A continuação, inferior, mas ainda eficiente (Sicario: Dia do Soldado), também está na plataforma.

Boy Erased – Uma Verdade Anulada



Pulamos agora para dramas com prestígio de prêmios. Esse filme deu o que falar em sua época de lançamento por usar como tema a infame “cura gay” e ser solenemente ignorado no Brasil, lançado diretamente em home vídeo numa época pré-pandemia. O fato fez muitos acreditarem em boicote por parte do governo brasileiro devido ao tema. O que a distribuidora admite não ter sido o caso. Seja como for, apesar de não ter conseguido emplacar no Oscar, o longa conta com desempenhos impactantes de um trio que tem renome para dar e vender, e são velhos conhecidos da Academia. Nicole Kidman e Russell Crowe (ambos vencedores do Oscar) são os pais de um jovem (Lucas Hedges – indicado ao Oscar) que decidem alista-lo num programa que tem como objetivo reverter sua opção sexual.

Desobediência

Ainda pelos caminhos do drama e abordando o assunto da representatividade LGBTQ+, este é um dos filmes mais interessantes e belos atualmente na plataforma da Netflix. Sucesso em sua estreia no Festival de Toronto, o filme traz as duas Rachel: Weisz e McAdams como as protagonistas de um amor proibido. Weisz é uma mulher que deixou sua comunidade judaica por não se enquadrar nos padrões e foi viver como fotógrafa em Nova York. Após a morte do pai, ela retorna e vê reacender seu amor pela personagem de McAdams, uma mulher casada que retribui o afeto. Quem dirige é Sebastián Lelio (Gloria / Uma Mulher Fantástica).

O Homem que Matou Dom Quixote

Aqui temos um dos casos mais curiosos do cinema em anos recentes. O cineasta Terry Gilliam é um velho conhecido dos cinéfilos tendo obras marcantes com fortes tons de surrealismo e ficção científica em sua carreira, vide Brazil – O Filme e Os 12 Macacos. Mas este que é seu último trabalho como diretor até o momento, demorou nada menos que dezessete anos para ficar pronto, se equivalendo a Boyhood e ao nacional Chatô, e se mostrando uma verdadeira produção infernal. Muita coisa aconteceu desde 2000, todo tipo de problema imaginável, mas Gilliam finalmente concluiu sua obra e a lançou. Na trama, Adam Driver vive um diretor de cinema tragado para um mundo de fantasia, sem conseguir distinguir mais entre sonhos e realidade. Ou seja, a loucura usual do cineasta.

The Art of Self-Defense

Ainda seguindo pelo tom do surrealismo nonsense, este filme pode ser encontrado na plataforma por seu título original – esse acima – mas também é conhecido por sua tradução literal, “A Arte da Autodefesa”. Um filme para lá de esquisito, mas em doses cômicas acentuadas de forma igual. Saído do Festival South by Southwest, quem protagoniza aqui é Jesse Eisenberg e seu estilo assustado e pouco confiante de ser. Ele é um sujeito tímido que após ser atacado, resolve iniciar numa classe de artes marciais para aprender defesa pessoal. Porém, no local irá se envolver com o desajustado professor, cujos métodos são, digamos, não muito ortodoxos.



Halloween

Agora iniciamos o último gênero da lista, um que sabemos que vocês adoram: o terror e suspense. E começamos logo com um verdadeiro clássico revisitado. Este ano o aguardadíssimo Halloween Kills: O Terror Continua será finalmente lançado e poderemos ver o que irá acontecer com o maníaco da máscara branca Michael Myers quando sua cidade se voltar contra ele, o que inclui o trio de mulheres da mesma família encabeçadas por Jamie Lee Curtis e sua Laurie. Desta forma, nada melhor do que ir aquecendo os motores com o filme anterior, este Halloween (2018), para lembrar de todos os detalhes e prestar atenção no que havíamos deixado passar da primeira vez. Sem dúvida será importante. Ah sim, a Netflix disponibilizou também (bem recentemente) o primeirão lá de 1978 e sua continuação direta. Verdadeiros clássicos.

Trilogia Rua do Medo

Tudo bem, admitimos que a Netflix nem sempre acerta em suas produções originais. No entanto, a plataforma marcou um golaço este ano ao lançar a trilogia Rua do Medo, baseado nos livros do celebrado autor do gênero R.L. Stine. Os louros, porém, vão para o canal de streaming e para a diretora da trilogia Leigh Janiak, que transformaram o material para crianças em algo para maiores de idade, com filmes donos de violência extrema e temas mais pesados. Um grande acerto. A trilogia começa em 1994, e homenageia no primeiro um estilo mais Pânico. Depois volta para 1978 e cria um terror de acampamento no estilo Sexta-Feira 13. A terceira parte se encerra como um horror mais clássico voltando para 1666. Você precisa conferir.

Upgrade – Atualização


Encerramos a lista de dicas com este terror da Blumhouse. O estúdio é outro que nem sempre acerta, mas quando acerta entrega verdadeiras obras-primas. Na época de seu lançamento, foi muito dito pelos críticos que Upgrade era o verdadeiro “filme do Venom”. Aqui, um sujeito precisa aprender a conviver, hospedando outro organismo em seu corpo, porém aqui um tecnológico, após passar, bem, por um upgrade. Quem dirige é a prata da casa Leigh Whannell que aqui ensaiava em menor escala para seu filme mais elogiado na carreira até o momento, o terror sobre abuso doméstico, O Homem Invisível. Whannell no momento filma um longa de lobisomem com Ryan Gosling e promete novamente revolucionar.

Comentários

Não deixe de assistir: