Sim, a gente sabe, o ano ainda não acabou, aliás, ainda vamos ter suas super estreias em dezembro com Homem-Aranha 3: Sem Volta para Casa (15) e Matrix Ressurrections (22). Ou seja, até lá tudo pode mudar, assim como essa lista. Do mesmo modo, desde o ano passado com a chegada da pandemia, os números relacionados às bilheterias do cinema são pra lá de atípicos, com 2020 basicamente inexistindo e 2021 tendo uma crescente somente após o segundo semestre – pelo menos nos EUA. Algo que, obviamente, está ligado a aplicação das vacinas e a volta do público aos shoppings e multiplex.

No entanto, mesmo nesse curto espaço de tempo, algumas produções conseguiram se sobressair e atingir números admiráveis, nos levando a crer que a normalidade deve voltar até o próximo ano – isso se novas variantes não surgirem, é claro. Em todo caso, é realmente impressionante a quantidade de filmes que conseguiram quase chegar na casa do bilhão, mesmo nesse momento em que todo mundo tem se organizado financeiramente. O mais surpreendente é que as primeiras colocações não foram ocupadas pelos famosos blockbusters de Hollywood, mas sim produções orientais que pouco gente viu ou sequer teve acesso aqui no Brasil, por exemplo. Deixando várias grandes produções americanas pra trás.

Confira então nossa lista com os números detalhados de todos esses filmes que marcaram esse ano de recomeço e foram falados até quando não podia mais. Aliás, após saírem do cinema, muitas dessas obras passaram a ser ainda mais comentadas quando chegaram nos streamings. É sempre bom lembrar que a janela de transição do cinema para o home video está cada vez menor, isso quando não estreiam juntos, o caso de alguns títulos que saíram em serviços como Disney+, HBO Max e derivados. Comenta se vocês viram todos citados ou curtiram pelo menos alguns deles. Ah, os valores das bilheterias serão representados através da moeda do dólar americano.



10 – Duna (outubro – EUA)

Aproveite para assistir:

Começando por Duna, sem duvidas a maior produção do ano em termos de realização e grandiosidade de projeto, e que novamente coloca Denis Villeneuve numa situação delicada no que se refere a bilheteria. Em Blade Runner 2049, outro filme de escala colossal, Villeneuve recebeu bastante elogios por parte da crítica, mas patinou nas bilheterias. Duna seguiu quase o mesmo caminho faturando a duras penas um valor que deve ter só pagado o custo de orçamento, porém ganhou sinal verde para sua continuação.

Bilheteria mundial: $382,709,010



09 – Eternos (novembro – EUA)

A oscarizada diretora Chloé Zhao recebeu, de maneira inédita no estúdio, uma recepção bastante negativa por parte da crítica e do público após o lançamento do seu Eternos. O filme é um ser estranho dentre as demais produções da Marvel, tentando criar um ambiente sério, repleto de conceitos culturais e religiosos com heróis que parecem ícones na Terra – bem ao estilo da DC. O longa não é de todo ruim, mas está longe de parecer aquilo que os fãs da Marvel esperam. No entanto ainda conseguiu uma grana legal, ficando na frente até de Duna.

Bilheteria mundial: $385,057,010

08 – Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis (setembro – EUA)

Shang-Chi seguiu a formula de sempre e foi muito bem, obrigado, sendo querido tanto pela crítica quanto pelo público alvo. É um filme descompromissado, repleto de boas cenas de ação e muito humor. O resultado foi mostrado com os números expressivos em bilheteria e a confirmação de que teremos mais aventuras do novo herói oriental do estúdio.



Bilheteria mundial: $431,956,458

07 – Godzilla vs Kong (março – EUA)

Pra falar a verdade, o aguardado encontro atual entre os dois monstros gigantes mais famosos do cinema, Godzilla e Kong, ficou devendo no que refere a uma história mais interessante – a trama que inserem ali pela metade do filme é sonífera. Porém, quando vamos falar de efeitos visuais e cenas de ação, Godzilla vs. Kong e recheado de set pieces gigantescas e entraves incessantes. Sobretudo pela surpresa mecânica que aparece pra confrontar a dupla. Mesmo em plena pandemia o filme arrasou quarteirões.

Bilheteria mundial: $467,863,133


06 – Venom: Tempo de Carnificina (outubro – EUA)

Quem diria que a maior bilheteria dos filmes de super-heróis do ano não seria de um filme da Marvel, mas, sim, de um herói do selo, Venom: Tempo de Carnificina, que foi distribuído pela Sony Pictures e parece ter conquistado o público de vez. Certamente o terceiro Homem-Aranha vai superar esses números, porém, qualidades à parte, é preciso reconhecer o feito da dona do Playstation e admitir que eles estão, mesmo que aos trancos e barrancos, construindo o seu próprio universo nos cinemas. O link dos créditos finais então explodiu a cabeça dos fãs.

Bilheteria mundial: $483,257,490

05 – Detetive Chinatown 3 (fevereiro – China)

Começa aqui o primeiro caso da lista onde um título chinês aparece, mercado esse que consegue se sustentar sozinho e alcançar números além de expressivos. Detetive Chinatown 3 é um filme de comédia e aventura com a dupla Qin Feng e Tang Ren que, depois de passar por Bangcoc e Nova York, parte pra um novo destino em Tóquio. Assim, com um novo crime pra analisar, os dois não medem esforços para encontrar o culpado e solucionar esse outro mistério. O filme chegou no Brasil apenas pelo Telecineplay e quase ninguém viu, mas a bilheteria foi surreal.

Bilheteria mundial: $686,257,563

04 – Velozes e Furiosos 9 (junho – EUA)

É incrível como a cada filme a franquia Velozes e Furiosos vai ficando cada vez mais absurda e igualmente divertida. Nesse 9º título da série, que se passa no espaço (!), vemos que não há limites para os realizadores de Velozes e suas ideias insanas. Os fãs aliás se amarram em toda loucura e mostram sua força de sempre nas bilheterias. Os lucros sempre elencam as listas das produções mais rentáveis do ano.

Bilheteria mundial: $726,229,501

03 – 007Sem Tempo para Morrer (setembro – UK – EUA)

Esse ano tivemos a despedida de Daniel Craig no papel do agente 007, num dos momentos mais emocionantes, corajosos e dolorosos da franquia com o sensacional Sem Tempo para Morrer. James Bond nunca foi tão implacável, também nunca foi tão humano. Mesmo num momento delicado de pandemia, todo mundo foi pro cinema conferir o desfecho com chave de ouro e tornar esse capítulo a maior bilheteria de uma produção norte-americana em 2021 – até o momento!

Bilheteria mundial: $726,229,501

02 – Hi Mom (fevereiro – China)

Essa é mais uma comédia chinesa que pouca gente do ocidente viu, mas que foi um verdadeiro fenômeno por lá. Ainda inédito no Brasil, Hi Mom foi escrito, dirigido e estrelado pela famosa comediante local Jia Ling, e contou com os atores parceiros Shen Teng, Chen He e Zhang Xiaofei. O filme foi lançado em 12 de fevereiro de 2021 na China e conquistou a todos falando sobre o amor familiar e as demais facetas do tema.

Bilheteria mundial: $822,009,764

01 – The Battle at Lake Changjin (setembro – China)

E o primeiro lugar da maior bilheteria registrada esse ano vai pra The Battle at Lake Changjin – outro filme chinês ainda inédito por aqui. Este não é um filme de comédia, mas sobre guerra, sendo dirigido pelo trio Chen Kaige, Tsui Hark e Dante Lam e escrito pela dupla Lan Xiaolong e Huang Jianxin, além de contar com Wu Jing e Jackson Yee nos papéis dos protagonistas. Até o dia 5 de dezembro The Battle at Lake Changjin tinha arrecadado um total de quase 900 milhões de dólares. É o filme que possui a maior bilheteria da história da China. Só nos dois primeiros dias de lançamento, o longa arrecadou um total de 82 milhões de dólares e atingiu 1,012 bilhões de yuans ($ 155,12 milhões) até o dia 2 de outubro. Realmente impressionante tudo isso.

Bilheteria mundial: $899,259,751

COMENTÁRIOS

Não deixe de assistir: