Conhecido pela direção de ‘Superman – O Retorno’, ‘X-Mene ‘Jack, o Caçador de Gigantes‘, o diretor Bryan Singer foi alvo de diversas acusações de abuso sexual contra menores entre 2013 e 2017.

As acusações apontam que o cineasta abusou de duas vítimas entre 2003 e 2004, mas foram anuladas depois que ele assinou um acordo e pagou US$ 150.000 ao envolvidos.

No entanto, mais um polêmica veio à tona…

Em um longo relato publicado pela Variety, Blake Stuerman, um ex-assistente do diretor, revelou os anos traumatizantes que passou ao lado dele.



Atualmente com 30 anos de idade, Stuerman conta que conheceu Singer em 2009 na cidade de Nova York quando tinha 18 anos e iniciou uma relação sexual com ele logo depois.

Stuerman e Singer em 2009

Na época, Singer tinha 43 anos e, desde o início da relação, era abusivo e traumático, mas Stuerman tinha medo de sofrer represálias ao se afastar dele.

Aproveite para assistir:

O cineasta até chegou a agredir uma pessoa na frente de Stuerman por ciúmes, o que levou o jovem a temer sua companhia.

De qualquer forma, seu tempo juntos acabou depois que Stuerman foi demitido da função de assistente de Singer em junho de 2013, enquanto trabalhavam no filme ‘X-Men: Dias de Futuro Esquecido‘.



Antes disso, Stuerman detalha que viveu um verdadeiro inferno enquanto estava com ele e que só agora decidiu expor a situação porque tinha medo de não conseguir mais emprego na indústria cinematográfica se revelasse os comportamentos de Singer.

Ele conta que Singer o manipulou com viagens, presentes caros e promessas de uma vida melhor, até que começou a se sentir atraído por ele e descobrir que o diretor já tinha fama de correr atrás de jovens do sexo masculino.

Pelo visto, o ex-assistente só se deu conta de que havia caído numa enrascada quando percebeu que não era ‘especial’ para Singer, apenas mais um em sua lista de conquistas… Foi aí que o envolvimento entre eles começou a desandar.

Durante a apuração do depoimento de Stuerman, o portal entrevistou cerca de 20 pessoas relacionadas à história, das quais 18 assinaram um termo de anonimato também para evitar qualquer tipo de represália.

Através de documentos, fotografias, e-mails e mensagens de texto fornecidos por Stuerman e colegas do próprio Singer, toda a veracidade do relato foi verificada e comprovada.

Por outro lado, o advogado de Singer, Andrew Brettler, respondeu em uma carta de quatro páginas dizendo que as alegações de Stuerman eram “exageradas, difamatórias e que não poderiam ser legítimas” e que o jovem “simplesmente queria ‘ferrar’ Singer devido ao término da relação”.

Mesmo assim, Brettler não desmentiu que ambos haviam se relacionado desde que Stuerman tinha 18 anos e preferiu não comentar a alegação de que Singer agrediu alguém por ciúme.



Vale lembrar que Singer nunca foi preso ou acusado formalmente de um crime relacionado a abuso sexuais e fez questão de negar todas as polêmicas em que esteve envolvido.

O mais estranho é que ele causou problemas na maioria das produções em que trabalhou, tanto que foi substituído por Dexter Fletcher após gerar um caos no set de ‘Bohemian Rhapsody… Depois disso, ele nunca mais dirigiu nenhum filme.

Após o lançamento do filme, Rami Malek, que deu vida a Freddie Mercury, contou ao The Guardian que “foi insuportável continuar as gravações de lidar com o ego de Singer.”

Brancon Routh, protagonista de ‘Superman – O Retorno‘ também disse ao Screen Rant que:

“No geral, os bastidores do filme tinha um clima agradável. Mas de vez em quando [Bryan] Singer surtava. Por mais que ele fosse gentil comigo, eu via como ele tratava os outros e não era algo fácil de lidar.”


Anos mais tarde, Sophie Turner, intérprete de Jean Grey em ‘X-Men: Apocalipse‘, conversou com a Rolling Stone e admitiu que guarda péssimas lembranças de Singer por causa de seu temperamento explosivo durante as gravações.

COMENTÁRIOS

Não deixe de assistir: