No final do ano passado, os membros do Porta dos Fundos se envolveram em uma polêmica por conta do especial de Natal intitulado ‘A Primeira Tentação de Cristo‘.

Para quem não assistiu, a trama acompanha a comemoração do 30º aniversário de Jesus e causou revolta entre a comunidade cristã por retratar o filho de Deus como um personagem gay.

Na ocasião, os humoristas foram duramente criticados e a sede da companhia artística sofreu um atentado que terminou em incêndio, destruindo grande parte do local.

Além de gay, Jesus foi representado como um mau-caráter no especial… Mas o que choca é que as críticas não foram direcionadas ao comportamento dele, e sim à sua opção sexual.



Um ano após o ocorrido, os membros da equipe refletiram sobre o assunto durante uma entrevista para o Uol.

Antonio Tabet, um dos fundadores do grupo disse que os estragos só não foram piores porque não colocaram Jesus como um homem negro no especial.

Aproveite para assistir:

“Eu tenho certeza de que só jogaram as bombas no Porta porque Jesus era gay no especial do ano passado. Acho que só estamos vivos porque Jesus não era gay e preto; senão, seriam ainda mais bombas”, disse ele.

Para o ano de 2020, o Porta dos Fundos decidiu se esquivar das polêmicas religiosas e focar na temática política.



Desta vez, o especial preparado por eles foi intitulado ‘Teocracia em Vertigem‘, em referência ao documentário ‘Democracia em Vertigem’, dirigido por Petra Costa em 2019.

As referências não fica só no título, já que eventos como o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e a ascensão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) também viraram piadas na trama.

No entanto, eles decidiram fazer o novo especial sabendo que a produção iria gerar tanta intriga quanto o antecessor… E aproveitaram para incluir falas que fizessem conexão com a polêmica do ano passado.

Fábio Porchat, um dos rostos mais conhecidos do grupo, disse que:

“Eu não acho que a gente pegou mais leve. O personagem do Gregorio Duvivier fala que é um Deus que ‘senta’, um Deus ‘bicha’. Ano passado, a revolta de alguns foi por homofobia. Isso diz muito mais sobre as pessoas que se revoltaram do que sobre o especial.”

Ele continuou:

“‘Foi bem feito a bomba’, ‘quero ver fazer piada com mitologia romana’, ‘se Jesus voltar, eu mato de novo’. Essas são frases como as que a gente recebeu. Botei muitas frases dos ‘minions’ [no roteiro], dos terraplanistas… Tem muita referência no clipe que encerra nosso especial.”



Apesar do susto em 2019, os artistas disseram que não tiveram medo de continuar tocando em assuntos que pudessem despertar os ânimos dos mais críticos.

Questionados se pensaram em desistir do especial de 2020, todos disseram que NÃO.

O ator João Vicente de Castro comentou que a tristeza de viver em um país intolerante foi muito mais marcante do que o medo.

“Os acontecimentos nos deixaram mais tristes do que com medo, por morarmos em um país radical… Aí ficou comprovado mesmo que as pessoas são muito malucas. Mas a gente nunca pensou em não lançar o especial. A gente sempre gostou muito dessa cereja do fim do ano.”

Apesar do especial não chegar ao catálogo da Netflix este ano, o presidente do Porta dos Fundos, Christian Rôças, deixou claro que:


“A gente optou por tirar o especial da Netflix e trazer para o nosso canal em comum acordo com a plataforma. Combina mais com o nosso canal por ser mesmo o DNA da marca, por ser o momento de reforçar o que o Porta é como tom de voz.”

Dirigido por Rodrigo Van Der Put, ‘Teocracia em Vertigem‘ conta com as participações Petra Costa, Emicida, Thati Lopes, Clarice Falcão, Daniel Furlan, Emicida, Gabriel Louchard, Hélio de la Peña, Marcos Palmeira, Raphael Logam, Renato Góes, Teresa Cristina, Yuri Marçal e Marco Gonçalves, entre outros artistas.

A estreia está marcada para amanhã, 10 de dezembro, no canal do Porta dos Fundos.

Assista ao trailer:

Comentários

Não deixe de assistir: