Crítica | Presságios de um Crime

Crítica | Presságios de um Crime

COMPARTILHE!

Todo mundo é capaz de dominar uma dor, exceto quem a sente. Em seu primeiro trabalho em Hollywood, o cineasta brasileiro Afonso Poyart (Dois Coelhos) se exercita no gênero do suspense/drama sem perder suas características estéticas de direção no peculiar Presságios de um Crime. Protagonizado pelo mestre Anthony Hopkins, pelo sósia de Bardem (Jeffrey Dean Morgan), pela musa australiana Abbie Cornish e pelo ator Colin Farrell, o longa-metragem, que custou perto dos 30 Milhões de dólares, fala do inconsciente, quase um exercício Nolaniano. A exploração desse tema com certeza deixa o filme mais interessante, principalmente quando percebemos estar em um duelo de Médiuns Videntes.

solace_8

Na trama, conhecemos dois agentes do FBI, Joe Merriweather (Jeffrey Dean Morgan) e Katherine Cowles (Abbie Cornish) que são responsáveis por tentar capturar um serial killer que deixa algumas pistas indecifráveis nas cenas dos crimes cometidos. Buscando alguma luz nesse difícil caso, Joe procura o antigo colega John Clancy (Anthony Hopkins), um homem misterioso, já no final da vida, que tem dons médiuns, que passou por um grande trauma com sua filha. Assim, o trio vai aos poucos tentando decifrar o temido serial killer que utiliza a eutanásia como argumento.




O roteiro, assinado por Sean Bailey e Ted Griffin (Os Vigaristas), é um pouco confuso. No primeiro ato, muitas informações são arremessadas freneticamente. O público pode se sentir um pouco perdido principalmente nas lacunas abertas sobre a personalidade de Clancy. A partir do segundo ato, as peças são mostradas com mais clareza, e, no terceiro ato é um show de suposições, parece que cada personagem tem algumas opções para o desfecho da trama, isso certamente deixa o público curioso com o que irá acontecer nas cenas seguintes. O mais importante é que, no final, John Clancy é preenchido completamente, e assim a história como um todo se sustenta até o fim, nas costas deste intrigante personagem executado com maestria por Hopkins.

solace_5

Solace, no original, é um drama disfarçado de filme de suspense, tem seus momentos de ação alucinante com muito uso de metáforas de imagens para elucidar o quebra cabeça emocional conseqüente do modo de pensar de cada personagem. A câmera é inquieta, repleta de efeitos que chamam a atenção, marca registrada do diretor que ficou conhecido no Brasil pelo ótimo longa-metragem 2 Coelhos.




Curta nossa ENTREVISTA com a Milla Jovovich:



» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «