Histórias de mistério sempre fizeram parte da nossa – muito mais do que podemos imaginar. Desde os clássicos contos assinados por Sir Arthur Conan Doyle e os romances impecáveis de Agatha Christie até obras cinematográficas inteligentes e bastante nostálgicas, o mundo do entretenimento teve e continua tendo um apreço inegável pelo estranho, pelo bizarro e pelo envolvente.

Com falhas pontuais e algumas produções esquecíveis, grande parte das narrativas contemporâneas da esfera audiovisual consegue enriquecer nosso intelecto e nossa imaginação com tramas intrincadas, recheadas de perigos mortais, personagens duvidosos e plot twists chocante.

Por isso, o CinePOP resolveu trazer uma lista com 10 séries imperdíveis sobre mistério.

Confira abaixo nossas escolhas e conte para nós qual a sua favorita:



  1. THE TUNNEL

Aproveite para assistir:



Depois de fazer algumas aparições na franquia Harry Potter, Clémence Poésy migrou para as telinhas ao lado de Stephen Dillane com uma série de tirar o fôlego: The Tunnel (uma produção que provavelmente passou fora do radar, ainda mais considerando que é um remake de um clássico cult escandinavo).

A trama gira em torno de uma investigação criminal no túnel que liga o Reino Unido à França. Os dois detetives principais (Poésy e Dillane) a princípio parecem estereotipados, mas logo revelam que passam longe de meras construções formulaicas, mergulhando em um mundo arrepiante e repleto de segredos.

  1. COLLATERAL

A produção da Netflix traz um tabuleiro cheio de ótimos elementos: Carey Mulligan em um dos melhores papéis de sua carreira, o dramaturgo David Hare assinando o roteiro, temas que perpassam desde a controversa política britânica até a crise de refugiados na Síria – e reviravoltas surpreendentes.



A minissérie é composta por quatro episódios e, apesar da brevidade, consegue cumprir tudo a que se propõe entregar ao público. Mais do que isso, as linhas narrativas cheias de nuances são adornadas com atuações impecáveis (incluindo uma surpresa bem-vinda que emerge na rendição Billie Piper).

  1. THE PALE HORSE

Os escritos de Agatha Christie são há bastante tempo adaptados para o cinema e a televisão. Depois de Hercule Poirot ganhar uma nova versão no rosto de Kenneth Branagh, as emissoras britânicas resolveram abraçar os livros da Dama do Crime de modo exponencial – e, recentemente, uma de suas novas histórias ganhou vida.

Estrelado por Rufus Sewell e Kaya Scodelario, The Pale Horse gira em torno de um excêntrico e traumatizado homem de negócios que descobre que seu sobrenome está escrito em uma estranha lista. Mas isso não é tudo: todas as outras pessoas mencionadas no pequeno pedaço de papel estão mortas – e ele pode ser o próximo caso não consiga encontrar o assassino a tempo.



  1. THE KILLING

Depois de duas temporadas medianas investigando um único assassinato, The Killing retornou para um novo ciclo com todas as forças e entregou uma obra-prima espetacular (que podemos até encarar como um muito bem-vindo revival).

Na terceira iteração da série, os detetives Linden e Holder (Mireille Enos e Joel Kinnaman, respectivamente) descobrem uma série de assassinatos que podem estar conectados ao desaparecimento de vários jovens moradores das ruas de Seattle. As nuances e o cuidado com que a produção trata estes temas podem tê-la tirado dos holofotes, mas isso não tira nem uma fatia de sua exímia qualidade.

  1. VERONICA MARS



Veronica Mars insurgiu como uma comédia dramática adolescente qualquer que trazia o agora icônico rosto de Kristen Bell no papel de uma jovem detetive. Porém, o suspense neo-noir criado por Rob Thomas (aliado ao charme de sua protagonista) transformou-se num clássico cult dos anos 2000 e elevou a personagem ao mesmo patamar que Buffy Summers e Nancy Drew.

Na primeira temporada, Veronica investiga inúmeros mistérios ao mesmo tempo que luta para formar-se no colégio: temos, de um lado, o assassinato de sua melhor amiga, Lily Kane; do outro, o lado cômico que dialoga com o roubo do mascote da escola. E, num âmbito mais pessoal, onde está sua mãe, os deixou para trás e nunca mais voltou.

  1. THE NIGHT OF



Apesar de ter caído num infeliz esquecimento, The Night Of foi uma das melhores produções de 2016, funcionando como um grande evento televisivo que caiu nas graças do público e da crítica especializada. Aqui, Riz Ahmed deu vida a um universitário preso por assassinato – crime que não se recorda de ter cometido.

Acompanhado de John Turturro, o elenco (e os telespectadores) estão no centro de um mistério cabuloso: será que o jovem é realmente culpado? Ou será que o falho sistema judiciário errou mais uma vez e prendeu a pessoa errada?

  1. BIG LITTLE LIES

A adaptação de David E. Kelley acerca do aclamado romance de Liane Moriarty prometia uma divertida e concisa história, mas acabou entregando muito mais do que esperávamos – não é surpresa que Big Little Lies tornou-se uma das produções favoritas dos fãs de mistério e levou para casa praticamente todas os prêmios a que concorria.

Fugindo do convencionalismo cronológico das clássicas obras audiovisuais, a série oscila no tempo de modo angustiante, criando um retrato em paralelo de como a vida de um grupo de mães mudou drasticamente desde que uma jovem chegou à pequena cidade de Monterey fugindo de um passado conturbado. E, caso a premissa não tenha te interessado, você pode ver apenas pelo estelar elenco formado por Reese Witherspoon, Alexander Skarsgard, Nicole Kidman, Adam Scott, Zoe Kravitz, Laura Dern e Shailene Woodley.


  1. AND THEN THERE WERE NONE

Reformulado e readaptado depois de algumas controvérsias raciais, ‘…E Não Sobrou Nenhum’, um dos romances mais famosos de Agatha Christie, ganhou uma nova versão em 2015 no formato de minissérie – e os longos três capítulos são dignos de ser assistidos do começo ao fim com o máximo de atenção.

Aqui, as breves backstories dos dez protagonistas ganham uma nova complexidade intimista e psíquica, aumentando o teor dramático e nos deixando ansiosos e angustiados para descobrir quem está tirando a vida de cada um dos convidados.

  1. TRUE DETECTIVE

Desde o primeiro episódio, a saga criminal de Nic Pizzolatto cria uma ambiência complexa e convidativa (por todos os motivos mais arrepiantes) a um mundo repleto de mentiras e traições. E, por mais que a segunda temporada de True Detective tenha deslizado consideravelmente, é inegável dizer que a série ganhou aclame universal pela crítica e pelo público.

Ambientada na Louisiana, a trama combina o melhor da ficção detetivesca com explorações metafísicas, violência grotesca e escuridão pessoal que se expande ao longo de várias décadas. Para além da impecável atuação de Matthew McConaughey e Woody Harrelson, a condução da obra tangencia a perfeição estética – e sua atmosfera ocultista é de tirar o fôlego.

  1. TWIN PEAKS

Talvez seja um consenso inegável de que Twin Peaks esteja no âmago da produção televisiva norte-americana, consolidando-se pouco depois de seu lançamento em 1991 como um clássico do mistério dramático e um marco na esfera audiovisual. Mesmo com seu precoce cancelamento na segunda temporada, a série criada por David Lynch e Mark Frost ganhou uma legião de devotos fãs e até mesmo teve uma terceira temporada exibida em 2017 (que recuperou as glórias das iterações originais).

A trama gira em torno do agente investigativo do FBI, Dale Cooper (Kyle MacLachlan) e do xerife local da cidade-titular, Harry S. Truman (Michael Ontkean), ambos desvendando o mistério por trás do assassinato de Laura Palmer (Sheryl Lee), uma jovem estudante recém-coroada rainha do baile homecoming. A estética do show mistura elementos sobrenaturais, retratos melodramáticos dos personagens e tem uma pontual inclinação para o surrealismo cinematográfico (próprio do conhecido trabalho de Lynch).

O sucesso de Twin Peaks foi tamanho que até os dias de hoje é citada por outros realizadores, servindo de inspiração para grande parte dos suis-generis de mistério e terror que temos na atualidade (como Bates Motel, Gravity Falls e Silent Hill).

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE