Há exatamente 15 anos, os brasileiros tinham contato pela primeira vez com uma das obras unânimes do mundo dos super-heróis: Batman Begins. O filme redefiniu a imagem que a DC optou por passar e traçar seus caminhos ao longo da década passada. Com um tom mais realista e sombrio, o drama/ suspense dirigido por Christopher Nolan foi fundamental no processo de mostrar que heróis poderiam ser trabalhados dentro de diversos gêneros cinematográficos.

Batman Begins é um ícone da fase sombria e realista da DC nos cinemas. Foto: Divulgação.

No início do século XXI, a DC passava por sérios problemas no cinema. Enquanto a Marvel, que ainda não era Marvel Studios, tinha três franquias estabelecidas e lucrativas nas telonas (Blade, Homem-Aranha e X-Men), a DC vinha da ressaca da desgastada franquia do Batman que começou com o Tim Burton e passou por uma série de alterações após a saída do diretor, passando pela fase dos bat-mamilos e do bat-cartão de crédito, que não agradaram ao público e meio que enterraram o personagem por um tempo. Da mesma forma, o Superman vinha da irregular franquia com Christopher Reeve, que já não apresentava a mesma força dos dois primeiros. Fora aquela aberração de filme chamada Aço, que tem como estrela o astro da NBA, Shaquille O’Neal. A saída, então, foi investir nas séries de TV e nas animações. Quando o cinema voltou para a pauta, a decisão foi arriscada e um tanto quanto inusitada: começar uma nova era com um filme solo da Mulher Gato, estrelando Halle Berry. Paralelamente, dois projetos mais “seguros” vinham sendo planejados. Um filme do Superman que resgatasse o espírito do herói de Reeve, e uma nova versão do Batman, dirigida por um até então diretor “indie”, chamado Christopher Nolan. Vendo a abordagem dos três projetos, hoje, percebe-se que a DC não tinha a menor ideia do que queria do futuro. Cada projeto parecia querer resgatar uma fase de sucesso do passado do estúdio. A Mulher Gato traria de volta aquele clima gótico dos filmes de Burton, o Superman deveria adaptar o otimismo dos anos 70/80 nos anos 2000. O único que tentava algo genuinamente novo era a abordagem realista e sombria que Nolan pretendia dar ao Homem Morcego. O resultado todos já sabem. Mulher Gato e Superman: O Retorno foram dois fracassos colossais de crítica e bilheteria, enquanto Batman Begins seguiu o caminho oposto. Uma das maneiras simples de medir o sucesso de um filme de franquia é ver o resultado de bilheteria da sequência. Quando o primeiro “capítulo” é bom, a continuação costuma lucrar bem mais. E não deu outra! Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008) foi um sucesso estrondoso de crítica e renda, sendo o primeiro longa com heróis a arrecadar mais de um bilhão de dólares em bilheteria. Com o sucesso, a DC adotou a roupagem sombria e realista para seus filmes.

O fracasso colossal de “Superman: O Retorno” ligou o alerta da Warner de que o público queria inovação. Foto: Divulgação.

Christopher Nolan e David Goyer fizeram uma parceria de muito sucesso. A ideia de pegar um herói sem poderes – além do dinheiro ilimitado – e trazê-lo para o mundo real foi um toque de gênio. Para isso ficar crível, saiu a roupa de borracha e entrou um traje tático, mas sem perder a identidade visual. Os bat-trecos viraram aparatos militares fornecidos por Lucius Fox (Morgan Freeman), assim como o Batmóvel deixou de ser um modelo de luxo modificado, dando espaço ao Tumbler, praticamente um tanque de guerra capaz de saltar por telhados. Junto a isso, dois vilões realistas e aterrorizantes: Ra’s Al Ghul (Liam Neeson) e o Espantalho, interpretado pelo frio e calculista Cillian Murphy. Ra’s Al Ghul era um mestre de artes marciais, que treinou Bruce Wayne (Christian Bale) junto a Liga das Sombras, e o Espantalho queria infectar a água de Gotham para espalhar o terror e assumir o controle político da cidade e suas facções. Ou seja, por mais que force em alguns pontos, são motivações críveis, reforçadas pelas excelentes atuações do elenco.

O Tumbler abre mão da beleza em prol de funcionalidade. Um verdadeiro tanque saltando pelos telhados de Gotham. Foto: Divulgação.

Outro ponto inovador é o roteiro de Goyer. Até então, apenas o Homem-Aranha de Sam Raimi havia priorizado o homem por baixo do uniforme. Ou seja, ao trazer o herói para o mundo real, David Goyer entende que o Bruce Wayne é muito mais importante do que o Batman. E como adaptar a mente de um menino que convive com o terror e a solidão desde os 8 anos, quando viu os pais serem assassinados a sangue frio? Fazendo um filme sobre o medo. Esse é o grande trunfo. A cabeça de Bruce é claramente perturbada pelo medo constante, seja o medo de morcegos, da insegurança, da superficialidade das relações. Tudo é assustador e real. E quando os vilões da trama sabem exatamente como explorar os maiores medos do protagonista, como no momento em que Ra’s Al Ghul destrói a Mansão Wayne, num ato simbólico de corrupção das memórias de Bruce, e quando – na cena mais genial do filme, na minha singela opinião – o Espantalho faz com que Bruce tenha medo dele mesmo, é sinal de um roteiro fantástico, que entendeu primorosamente o personagem e o universo que tem em mãos. Fazer Bruce Wayne enfrentar e abandonar seu maior, que é o próprio passado, foi realmente algo genial. Tudo isso sendo dirigido por um Christopher Nolan empolgadão, que abusou de tons sóbrios e um filtro amarelado para trazer um visual feio e triste para uma Gotham City suja em depressão, assolada pelo crime e pelo medo. As cenas focadas em Bruce contam com alguns closes, usados para criar tensão e mostrar a fragilidade do herói, permitindo que as cenas seguintes, mais abertas, mostrem ele se superando. É um filme completo que se sustenta sozinho.

A trama do filme gira em torno do medo, suas consequências e diversas manifestações. Foto: Divulgação.

E pela primeira vez nos cinemas, as figuras no entorno do herói passam a ser explorados e ganham importância. Afinal, “diga-me com quem andas que te direi quem tu és”. Por isso, o mordomo Alfred ganha um papel praticamente de membro da família Wayne, servindo de apoio e inspiração para o herói. A atuação do veterano Michael Caine intensifica ainda mais a importância do personagem. Da mesma forma, o Comissário Gordon ganha mais prestígio do que nunca. Vivido pelo fantástico Gary Oldman, o detetive deixa de ser apenas o cara que chama o Batman e assume a função de um policial incorruptível e praticamente o braço direito do herói. E Rachel (Katie Holmes) surge como um ponto de fraqueza do herói, representando o amor e o apego a uma infância renegada.

Os coadjuvantes enfim ganham destaque e ajudam a construir o mito do Batman. Foto: Divulgação.

Com jeitão de suspense policial, Batman Begins chegou como a grande surpresa dos cinemas em 2005. E agora, 15 anos depois, podemos ver como ele foi o pontapé inicial para a DC nos cinemas como a conhecemos hoje. Uma obra fantástica, revolucionária e que só não é mais reconhecida porque a sequência, O Cavaleiro das Trevas, contou com a atuação colossal de Heath Ledger no papel do Coringa e acabou ficando mais famosa que o antecessor, mesmo que não tenha tanta consistência quanto o Begins. Um filme que beira a perfeição no gênero.

Batman Begins está disponível no catálogo da Netflix.

Aproveite para assistir:

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE