COMÉDIA DRAMÁTICA REÚNE RICHARD LINKLATER COM JACK BLACK E MATTHEW McCONAUGHEY

Baseado em fatos reais, Bernie – Quase um Anjo pode entre outras coisas ser considerado tudo o que Sem Dor, Sem Ganho deveria ter sido e não foi. Essa é a diferença de ter um diretor como Richard Linklater (Antes da Meia Noite) no comando de uma obra, ao invés do hiperbólico Michael Bay (Transformers). Tudo bem que as propostas e gêneros dos filmes são diferentes, e embora baseados em fatos reais, e usando como pano de fundo o humor negro, o filme de Bay ainda é um blockbuster, um filme pipoca mirado ao grande público.

O que acontece é que com filmes assim precisa ser depositado um desenvolvimento nos personagens, para entendermos suas motivações, e principalmente tentarmos nos identificar com eles (mesmo que minimamente).  Em BernieJack Black vive o personagem título. Um sujeito boa praça, prestativo ao extremo, e carismático fora do normal. Ele trabalha numa funerária, preparando os cadáveres para o funeral. O sujeito é altamente empenhado em qualquer tipo de atividade de sua cidadezinha, e pode sem sombra de dúvidas ser considerado um cidadão exemplar.

13


Entra em cena uma viúva amarga, a típica megera intolerante com quem nenhum dos moradores deseja muita proximidade. Ela é interpretada pela veterana Shirley MacLaine, uma das poucas estrelas restantes ainda vivas da época de ouro de Hollywood. A trama segue, e Bernie e Marjorie (MacLaine) desenvolvem uma amizade e um relacionamento improvável. A viúva recebeu uma polpuda pensão de seu falecido marido, e a companhia agradável do bondoso sujeito é agraciada com bens materiais e de consumo, como carros e viagens.

Porém, ao mesmo tempo em que a energia positiva de Bernie contagia a azeda mulher, sua amargura e negatividade contaminam o agradável sujeito. Nessa luta de energias o pior acontece, e Bernie é acusado de assassinar a senhora. O fato não é spoiler, pois consta em todas as sinopses e trailers, e torna impossível falar sobre o filme sem revelá-lo. Chega então o terceiro elemento nesse grupo de atores principais: Matthew McConaughey é o xerife encarregado da investigação, com um apetite acima do comum para ver o aparentemente honesto e bondoso protagonista atrás das grades.

Aproveite para assistir:

14

Baseado num artigo escrito por Skip Hollandsworth, e com roteiro do diretor Richard Linklater em colaboração com o próprio Hollandsworth, a obra conta com ótimos desempenhos do trio principal. Black e McConaughey recobram a parceria com o versátil diretor Linklater, de trabalhos como Escola de Rock (que completou uma década esse ano) e Jovens, Loucos e Rebeldes (primeiro filme de destaque do diretor, que já tem duas décadas). Linklater é um dos cineastas autorais ainda remanescentes dentro do mercado americano.

O diretor é um trabalhador constante, que gosta de entregar obras dentro dos mais variados gêneros, orçamentos e estilos, vide filmes como O Homem DuploNação Fast FoodSujou – Chegaram os Bears e Eu e Orson WellesBernie é mais um filme que faz parte da chamada “McConaissance”, a mudança de ares ocorrida na carreira do ator Matthew McConaughey, que se despegou do papel de galã em comédias rasas e aceitou o encargo de trabalhos mais ousados e desafiadores, nos últimos dois anos.

15


Aqui, McConaughey é apenas o coadjuvante, mas brilha igualmente. Destaque para a cena do julgamento no tribunal, no desfecho da obra. Black já demonstrou ser um bom ator, longe de comédias escancaradas também, e aqui tem uma performance contida como o simpático e agradável homicida. Em trechos Bernie faz lembrar Mamãe é de Morte (Serial Mom, 1994), de John Waters, no qual Kathleen Turner vivia a típica mãe dos subúrbios americanos acima de qualquer suspeita, mas que escondia um lado negro.

Bernie não possui essa dualidade contraditória na superfície. O filme é mais uma produção de qualidade do cinema independente americano que não encontra lugar nas salas de cinema do Brasil, e é lançado direto em vídeo por aqui.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE