A Era dos Astros está de volta

Dwayne ‘The Rock’ Johnson. Temos que amá-lo. Temos que respeitá-lo. O motivo? Numa época de franquias onde o que vale é a marca do personagem, o ator consegue trazer de volta a era dos astros. Bem, ao menos para seu nome.

Nas décadas de 1980 e 1990, astros como Tom Cruise, Stallone, Schwarzenegger e Harrison Ford chamavam um enorme público simplesmente com cartazes estampando seus nomes. Era tudo o que o espectador precisava saber para comprar o ingresso na bilheteria e assistir ao filme. É claro que o chamado star system não começou nas décadas citadas, sendo oriundo dos primórdios de Hollywood e fazendo parte das carreiras de lendas como Marilyn Monroe, por exemplo. Mas a coisa se consolidou e aumentou exponencialmente com a chegada dos blockbusters na década de 1980.

Com a estreia de Batman (1989), de Tim Burton, o astro Sylvester Stallone previu uma mudança no mercado. Agora seriam as marcas que comandariam as bilheterias e não mais os astros. Hoje, quem comanda são as franquias, deixando seus astros em segundo plano. Dinossauros, avatares azuis e super-heróis (independente de quem esteja por baixo da máscara, vide Batman e Homem-Aranha) são as fontes de lucro.

The Rock luta bravamente para reverter esse quadro. Ele é o astro-personagem que as pessoas pagam para ver, independente de seu papel (muitos dirão que ele interpreta sempre o mesmo), como fizeram os grandes no passado. O sucesso recente de filmes que perambulam por gêneros distintos, vide Um Espião e Meio (2016), Jumanji (2017) e Rampage (2018), é a prova disso. Agora, ele está de volta e a investida é no cinema catástrofe, gênero que já havia abordado em 2015, com Terremoto: A Falha de San Andreas – longa que em breve terá continuação.

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

Na trama, Johnson interpreta Will Sawyer, ex-marine que após perder a perna de forma trágica em ação se encontra trabalhando como técnico de segurança. Seu antigo companheiro é quem arruma o novo serviço, assegurar uma incrível criação na Ásia. Trata-se do maior prédio do mundo, um fenômeno tecnológico que não está tão distante assim da realidade. Atualmente, o mercado asiático é um dos mais fortes do mundo quando o assunto é cinema, inclusive ultrapassando o norte-americano muitas vezes. É esperado que cada vez mais tenhamos superproduções miradas a eles, e Arranha-Céu é um caso claro disso.

Para que tenhamos um filme, algo obrigatoriamente terá que dar errado neste colosso. E logo, Johnson se verá fazendo de tudo para conseguir salvar sua família, mulher e dois filhos pequenos, do grande desastre anunciado. Arranha-Céu verdadeiramente é uma mistura de Inferno da Torre (1974) com Duro de Matar (1988). No entanto, carece do frescor e originalidade do filme com Bruce Willis e do desfile de astros do filme da década de 1970.

Um dos pontos positivos que os fãs irão agradecer é o resgate da atriz Neve Campbell do ostracismo, mais conhecida como a Sidney dos adorados filmes da série de terror Pânico (1996 a 2011). Campbell, que parece não ter envelhecido um ano sequer desde a última vez que a vimos, segura bem as pontas e protagoniza cenas legais de ação e pancadaria. E nem é preciso comentar sobre o carisma de Johnson, qualidade esta que o ator tem de sobra para dar e vender.

O lance de Arranha-Céu é o seguinte: existem duas formas de se abordar um filme como este. Por mais incríveis que fossem, Inferno na Torre e Duro de Matar se esforçavam ao máximo para estar dentro de nosso mundo, exibindo o mínimo de realismo em seus momentos de ação. É a máxima de levar em conta elementos como gravidade, física e outros quesitos importantes na hora de se montar uma história e narrativa. Talvez esse fosse o reflexo de suas respectivas décadas. Arranha-Céu também é reflexo da época atual, então esqueça qualquer verossimilhança com a realidade, leis da física, gravidade ou qualquer sentido de pertencimento ao nosso mundo.

Arranha-Céu conta com saltos no ar que são verdadeiros voos, cordas intermináveis, fita adesiva para se escalar prédios, constante força sobre-humana e qualquer outro elemento facilmente encontrado em filmes de super-heróis atuais. Antes, mesmo sem forçar tanto a barra aqueles fatos poderiam acontecer. Estes, nunca. O objetivo obviamente é nenhum outro senão entreter e atualmente tudo precisa ser maior e mais exagerado. Dentro deste quesito, o longa igualmente não satisfaz por completo, já que depende muito apenas de visuais e cenas de ação. Os vilões são de terceira (daquele tipo de lançamento para vídeo mesmo), suas motivações não fazem sentido e o roteiro perde o gás por completo no terceiro ato – extremamente previsível desde a primeira cena.

Por outro lado, o objetivo de The Rock ainda não é criar uma obra-prima, apenas um filme pipoca que permaneça em nossas mentes o mesmo tempo que tal lanche permanecerá. E nesse sentido, uma produção exagerada, boba e cartunesca, mas que igualmente diverte com seus inúmeros clichês, como esta cumpre seu único propósito de existência.

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE