A trajetória de Brooklyn Nine-Nine talvez seja uma das mais intrigantes no ramo das séries de TV. Nascida na emissora norte-americana NBC, a produção se viu mudando de casa para a Fox, sendo abruptamente encerrada após a quinta temporada e 24 horas depois sendo resgatada por seu canal de origem.

Como uma versão às avessas da parábola do Filho Pródigo, a comédia dramática de humor negro conseguiu mais que uma sobrevida em sua tumultuada trajetória. Ela se viu valorizada pela emissora que a dispensara no passado, em meio ao fervoroso apelo dos fãs nas redes sociais, que não apenas garantiram sua sexta temporada, mas calcaram a subsequente, provando que a internet mais do que nunca tem poder de decisão. E ratificando que suas histórias estão mais revigorantes e frescas do que nunca, Dan Goor e Michael Schur honram o resgate e reiteram porque B99 é uma das melhores coisas da TV contemporânea.

Retomando a partir do casamento de Amy (Melissa Fumero) e Jake (Andy Samberg), a sexta temporada traz todo o seu humor irreverente como se o fio da navalha sequer tivesse passado perto de Brooklyn Nine-Nine. Confiante da narrativa conflitante construída ao longo de seus últimos cinco anos, a produção retorna ávida, com sede por piadas e disposta a tocar em assuntos mais delicados, até então deixados de lado. Adentrando a Me Too Zone, a produção dedica um episódio inteiro para abordar a temática, criando um equilíbrio perfeito entre o cômico e o drama.

Tocando em uma ferida aberta com delicadeza, ‘He Said, She Said’ (Ele Disse, Ela Disse) fala sobre assédio sexual no ambiente corporativo, mostrando os dois lados dessa trágica moeda. E à medida que pondera nos risos doces e suaves – naturais de B99, a série se posiciona com firmeza sobre o peso de denunciar o abuso, diante de um conflito onde o iminente fim da carreira parece a consequência mais rápida para a mulher, vítima do agressor. Com realismo, a produção leva homens e mulheres a pensar, retirando o humor da sala em certos momentos, a fim de incluir todos nessa inesgotável e infindável discussão sobre o tratamento sócio cultural recebido pelo sexo feminino.

Trazendo de volta também aquelas piadas internas que mais amamos, Brooklyn Nine-Nine é a prova de que uma mesma piada pode ser repetida sucessivamente, quando a roupagem certa é utilizada. Trazendo a audiência sempre para dentro da narrativa, certos maneirismos dos personagens se consolidam como uma “saudade gostosa” daquilo que – graças a Deus – não se foi. O famoso Roubo de Halloween retorna, como em todas as demais temporadas, mais divertido do que nunca, levando a audiência para o centro da brincadeira, como espectadores de um jogo alucinante.

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

E mesmo anunciando a saída da personagem Gina Linetti, vivida pela brilhante Chelsea Peretti (esposa de Jordan PeeleCorra!), os showrunners a trazem de volta, para o deleite dos fãs, em um dos melhores capítulos de toda a temporada. Sarcástica, educadamente arrogante (pode isso Arnaldo?) e totalmente auto confiante, ela é um deleite. Brinca com os protagonistas em cena e por se achar boa demais para tudo e todos, acaba genuinamente sendo uma das melhores coisas do universo das sitcoms. E B99 é por inteira nesse ritmo. Fazendo alegorias hilárias de circunstâncias sérias – como traumas de infância, abandono, TOCs, conflitos no meio policial e problemas de personalidade -, a produção traz uma inerente reflexão real, que vem quase disfarçada em um humor negro forte e que poucos ousam abordar (saudades Unbreakable Kimmy Schmidt).

Com referências à cultura POP que são um presente de Natal antecipado para os fãs mais atentos que curtem uma boa gargalhada de piadas contextualizadas, Brooklyn Nine-Nine é como um bom vinho, da mais alta qualidade. Revigorante com o passar do anos e de uma safra tão única, que pouco se vê por aí, ela amadurece mais e mais com o tempo, tem seu sabor acentuado e merece ser compartilhada com boas companhias. Até porque, se é pra rir da vida (e dos problemas dela), que tal fazermos isso juntos?

 

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE