Homem de Ferro” (2008) serviu como divisor de águas para o cinema de quadrinhos. Muitos filmes do (agora) subgênero já haviam sido feitos, muitos inclusive saídos da mesma empresa, a Marvel Comics, como “X-Men”, “Homem-Aranha” e “Hulk”, mas “Homem de Ferro” foi importante por diversos motivos.

Primeiro por colocar os personagens nas mãos da Marvel (transformada em produtora) novamente, e não nas de produtores de estúdios como a Fox (“X-Men” e “Quarteto Fantástico”), Sony/Columbia (“Homem-Aranha”) e Universal (“Hulk”), que nem sempre acertavam.

Segundo por transformar um herói secundário da casa, em uma das mais rentáveis franquias do cinema atual. E por último por reerguer a carreira do então apagadoRobert Downey Jr., e transformá-lo num dos maiores astros da atualidade (nenhuma outra carreira de um ator foi tão definida por um filme do subgênero, quem sabe talvez a de Hugh Jackman). “Homem de Ferro” (2008) acertava em cheio tudo o que um bom filme de super-herói precisava: uma trama interessante, personagens críveis e carismáticos, seriedade e humor em equilíbrio, e ótimos atores tratando o projeto como uma obra mirada ao Oscar.

Cinco anos depois, Robert Downey Jr. volta a interpretar o personagem pela quarta vez. Agora, sai Jon Favrou da direção (que continua interpretando o personagem Happy) e entra Shane Black (“Beijos e Tiros”); mas não são notadas grandes diferenças em questão de tom.


O roteiro escrito pelo próprio Black em parceria com Drew Pearce coloca o herói com severos ataques de ansiedade (o protagonista sempre precisa ter um demônio interno a ser superado) após os eventos ocorridos em “Os Vingadores”. A aparição do super-terrorista conhecido como Mandarim (Ben Kingsley) ameaça a segurança nacional dos EUA, quando o vilão declara guerra ao presidente americano.

Junto com o fato, o passado de Tony Stark ressurge na forma de um antigo rival cientista, personagem de Guy Pearce, que desenvolveu uma tecnologia regenerativa “quente”; e uma ex-namorada, papel da ótima Rebecca Hall, igualmente uma mulher da ciência. “Homem de Ferro 3” não é tão bom quanto os dois anteriores. Além de diversos furos no roteiro, o filme não explora de maneira satisfatória seus novos personagens (que tinham grande potencial) e suas personalidades. Isso resulta em bons atores do nível de Guy Pearce e Rebecca Hall mal utilizados com pouco tempo em cena.

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

Ao invés o filme prefere optar por perder tempo com uma subtrama envolvendo o menino Ty Simpkins, que parece não ir a lugar algum, e soa como pura “encheção de lingüiça” (seria o menino sobrinho de algum produtor aqui?). “Homem de Ferro 3” é o tipo de filme que irá te distrair enquanto estiver assistindo, mas que fará o público começar a levantar diversas perguntas sobre a trama, e ver que nem tudo (ou muita coisa) se encaixa.

O maior traço de originalidade aqui vem justamente na reviravolta que envolve o aqui-inimigo Mandarim, e o quanto menos for dito sobre isso melhor. Basta dizer que é algo completamente inusitado e criativo, mas que ao mesmo tempo é garantido de deixar muitos fãs de quadrinhos enfurecidos.

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE