‘Ela’ de novo

Com o filme Ela (2013), o cineasta Spike Jonze entregou um interessante insight sobre relacionamentos modernos, tecnologia e de quebra deu de presente ao público uma das obras mais belas e românticas da última década (e por que não, da história do cinema?). Agora, pense numa versão jovem e escrachada de Ela, criada nos moldes da geração Netflix. Pois bem, esta nova “versão” chega aos cinemas brasileiros neste fim de semana e atende pelo título Jexi: Um Celular Sem Filtro.

Os adjetivos acima se devem por um motivo: no roteiro e direção do longa temos a dupla especialista no assunto comédia incorreta, Jon Lucas e Scott Moore – que possuem no currículo os textos da trilogia Se Beber, Não Case (2009, 2011 e 2013) e a direção dos dois Perfeita é a Mãe! (2016 e 2017).

Assim como em tais projetos anteriores, Lucas e Moore jogam na audiência tudo o que podem em matéria de humor para maiores e piadas ácidas – nem todas acertam seu alvo, mas muitas conseguem arrancar risadas. E como em suas produções anteriores também, podemos achar esperteza em muitos diálogos, certo aprofundamento no universo planejado e, surpreendentemente, alguma doçura (com este filme recebendo a maior dosagem deste último item).

Na trama, a geração milênio/hipster é posta à prova quando seu bem mais precioso se volta contra eles: o smartphone. Phil é justamente uma cria de tal era e tribo, um sujeito boa-praça, mas meio antissocial, que prefere passar mais tempo em um mundo de faz de conta do que realmente interagir e vivenciar experiências reais. A culpa não é dele e sim da era a qual estamos todos inseridos, que nos força a relações mais frias e distantes, tendo como argumento a facilidade do mundo virtual e de redes para socializar à distância. Phil, assim como tantos outros, só tem culpa de ter nascido diretamente neste contexto.

A mensagem de Jexi é batida, mas bonitinha e necessária, precisando ser reiterada de tempos em tempos: a de esquecermos um pouco a virtualidade e olharmos para o real, para o que realmente importa – as pessoas ao redor e o contato humana. Essa vontade é despertada no sujeito ao conhecer acidentalmente Cate, papel da gracinha Alexandra Shipp (a Tempestade dos recentes filmes dos X-Men). A aventureira dona de uma loja de bikes prega justamente o estilo de vinda desprendido da escravidão online – cada vez mais utópico.

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

O casal tem boa química e as cenas da dupla conseguem tirar humor da dinâmica do sujeito retraído com a moça de espírito livre. Parte da graça se encontra na performance mais contida do que de costume para o ator Adam Devine (A Escolha Perfeita e Os Caça-Noivas), geralmente adepto de exageros. Aqui eles até existem, mas funcionam melhor dentro da proposta como um todo, já que a rotina do ator desta vez é ser o saco de pancadas e o objeto de piadas à sua volta.

Ah sim, não dá para terminar sem dar atenção ao melhor elemento do filme: a hilária performance de Rose Byrne como a voz interativa do A.I. Jexi. Sarro com Alexa e outros computadores femininos parte de nossa funcionalidade atual, Jexi é rude, desbocada e muito direta. Não possui um décimo da elegância e delicadeza de Sam (Scarlett Johansson em Ela), se comportando muitas vezes mais como Hal 9000, o computador “endemoniado” de 2001: Uma Odisseia no Espaço (1968), de Stanley Kubrick. A relação de amor entre Jexi e seu novo dono, aos poucos vai se transformando em ódio e a máquina vai transformando a vida do sujeito num inferno – só nos cabendo rir das mais non sense furadas que o protagonista se mete.

Jexi: Um Celular Sem Filtro parece uma destas esquetes de programas humorísticos, vide Saturday Night Live, ou quem sabe muito bem poderia ser tema de um episódio de Black Mirror – caso este fosse voltado para a galhofa e não ao suspense e drama. Esticada para se encaixar no formato de um longa-metragem (mas um bem curtinho, com menos de 90 minutos), a ideia consegue entreter e nunca fica além de ser bem-vinda. Apesar dos palavrões e certo teor de baixo calão, Jexi é uma obra leve, que tem boa intenção e cumpre bem o seu papel de diversão despretensiosa.

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE