Todo mundo que curtiu a sérieHouse’ se perguntou ao menos uma vez como teria sido a juventude desse médico mal-humorado, ranzinza e superinteligente. Bom, depois que a série terminou, em 2012, parece que o criador David Shore ficou justamente com essa pergunta na cabeça, e cinco anos depois veio com a história de ‘The Good Doctor’.  Porém, com uma diferença: na nova história o personagem principal é um médico-residente autista.

O Dr. Shaun Murphy (Freddie Highmore, excelente tanto na representação do autismo como na capacidade de memorizar e reproduzir com muita naturalidade termos dificílimos da medicina – mas, por favor, alguém dê um papel comum para esse ator, senão ele pode ter sérios problemas psicológicos depois de passar quatro anos interpretando o psicopata Norman Bates e já ter interpretado o menino que originou Peter Pan em ‘Em Busca da Terra do Nunca’) é um jovem autista que busca uma vaga de residência no Hospital San Jose, na Califórnia. Para tal, seu mentor e diretor do hospital, Dr. Glassman (Richard Schiff), faz campanha para que a diretoria o aceite, porém, o Dr. Andrews (Hill Harper), chefe de cirurgia plástica, questiona: um cirurgião precisa se comunicar com os pacientes e com os outros médicos, será que o Dr. Murphy consegue fazer isso? É exatamente isso que a primeira temporada tenta provar.

Em dezoito episódios (meo deos, por que tantos? Divide em duas temporadas!) o espectador vai conhecendo o dia a dia de uma pessoa com autismo, e isso ajuda a desconstruir preconceitos e dúvidas que todo mundo pode ter, desconhecimento. Através dos outros personagens, descobrimos, por exemplo, que um autista pode ter interesse em ver filme pornô ou se ele é realmente capaz de trabalhar em um ambiente tenso e competitivo como um hospital.

10 filmes de terror no Amazon Prime Video para fugir dos problemas…

Aproveite para assistir:

10 Séries de Comédia para Maratonar nas Próximas Semanas

A direção de Michael Patrick Jann consegue alternar bem o ritmo e o posicionamento de câmera nos momentos de atendimento médico (vemos em close um intestino aberto ou uma agulha dando pontos no rosto de um paciente, apesar de ser tudo falso) com o distanciamento nas cenas de desenvolvimento da trama, quando as histórias paralelas do elenco principal ocorrem. Embora seja baseada numa série homônima sul-coreana criada por Jaebeom Park, de 2013, a adaptação para a realidade norte-americana foi bem aproveitada.

Por esse motivo, a história não é exatamente original, além de se assemelhar bastante com ‘House’, que é do mesmo criador, apesar de ver o protagonismo centrado em um autista de sucesso ser bastante pertinente para o mundo inclusivo em que vivemos.

Os dezoito episódios podem ser vistos fora de ordem, embora haja a história pessoal dos personagens que seguem uma linha temporal. Por isso, se você tiver curiosidade sobre a série, recomendamos o 1º episódio, em que Dr. Murphy protagoniza um ato de heroísmo e a trama é apresentada; o 7º, em que o Dr. Murphy se depara com o preconceito dos pais de um paciente com autismo, que não querem que ele trate do filho; o 8º, em que Shaun se vê no meio de um assalto e não entende bem como lidar com a situação; o 9º, em que ele e o supervisor, Dr. Melendez (Nicholas Gonzalez) realizam uma simulação em VR antes da operação; e o 10º, em que a residente Dr. Browne (Antonia Thomas) sofre assédio de um dos médicos e tem que lidar com a falta de apoio no ambiente de trabalho.

Para os fãs de séries médicas, é uma ótima opção de entretenimento e aprendizagem.

15 Séries da Netflix Para Maratonar

15 Séries da Globoplay Para Você Maratonar

15 Séries da Amazon Prime Para Maratonar neste mês

10 reality shows insanos pra você que amou The Circle e Casamento às Cegas

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE