Nos últimos anos, a Walt Disney Studios vem investindo esforços em peso para trazer suas clássicas animações à contemporaneidade, revestindo-as com um estilo live-action. Enquanto boa parte delas falhou em cumprir com a proposta, o mesmo não pode ser dito do remake de A Bela e a Fera, que completa cinco anos muito em breve.

Estrelado por Emma Watson como Bela e Dan Stevens como a Fera, a versão mais recente bebe bastante da história original e da adaptação feita para a Broadway, girando em torno de uma jovem sonhadora que se torna prisioneira de uma criatura malvada e terrível. Apesar da terrível situação, Bela se torna amiga dos habitantes de um castelo encantado e, por fim, aprende a ver além do exterior da Fera e descobre o coração e a alma de um príncipe.

Com direção de Bill Condon, o longa recebeu vários elogios por parte da crítica, que aclamaram principalmente a performance do elenco protagonista e coadjuvante. Como se não bastasse, fez um estrondo nas bilheterias mundiais e arrecadou quase US$1,27 bilhão (tornando-se, à época, a 2ª maior do ano e a décima de todos os tempos).

Para celebrar seu iminente aniversário, montamos uma breve lista com algumas curiosidades de bastidores, que você pode conferir abaixo:



Aproveite para assistir:



  • Quando Condon conversou com os executivos da Disney sobre adaptar a animação, eles, na verdade, não tinham certeza de que iriam fazer da nova versão um musical. Condon, então, disse: “com todo o respeito, acho que vocês estão loucos. As músicas são muito boas. Vocês vão passar esse tempo fazendo um incrível live-action de A Bela e a Fera e não colocar “Be Our Guest”?’.
  • Ryan Gosling recebeu proposta para interpretar a Fera, mas recusou o papel para estrelar o musical ‘La La Land: Cantando Estações’. Watson, por sua vez, foi contatada para estrelar o musical em questão, mas resolveu interpretar Bela.

  • Na animação original, o Castelo da Fera é mostrado relativamente perto do vilarejo, mas nenhum de seus habitantes sabe sobre ele, nem sente a ausência daqueles que lá viviam quando foram amaldiçoados. O prólogo do live-action elabora um pouco mais essa parte da história, explicando que parte da maldição fazia com que o mundo se esquecesse tanto do castelo quanto de seus moradores.
  • Segundo Ewan McGregor, a parte mais difícil de interpretar Lumière foi acertar o sotaque francês do personagem. Ele disse que, no final, seu sotaque parecia mexicano, obrigando-o a regravar seus diálogos depois que as filmagens foram finalizadas.

  • O vestido de baile de Bela exigiu nada menos que 915 metros de tecido e mais de 12 mil horas para que os designers pudessem finalizá-lo. Além disso, ele foi ornamentado com 2160 cristais Swarovski.
  • A canção “Gaston” apresentou novos versos, que foram assinados pelo falecido Howard Ashman, mas não entraram para o corte final do filme de 1991. Como resultado, a versão do live-action é mais longa e traz temas mais maduros.
  • Condon pediu para que os atores e as atrizes cantasse “Hakuna Matata”, icônica canção de ‘O Rei Leão’, durante as audições, para que pudesse medir as vozes de canto. Foi dessa maneira que ele escolheu o elenco final para o filme.


  • Luke Evans, que viveu Gaston, teve de usar dentes falsos durante as filmagens, visto que ele tinha caninos mais longos que o normal – e que deixava o antagonista parecendo um vampiro.
  • Nesta versão, LeFou e Gaston são ex-soldados. Gaston até mesmo menciona seu retorno da guerra.
  • Pouco depois de Watson ser confirmada como Bela, Paige O’Hara (dubladora da personagem na animação) e Susan Egan (que a interpretou nos palcos da Broadway) aprovaram a escolha e expressaram seu apoio à atriz.
Não deixe de assistir: