Na última semana, a Marvel lançou seu tão aguardado trailer final de Eternos, a mais nova produção cósmica do estúdio, que promete explorar não só o futuro, mas também as origens do Universo Cinematográfico Marvel nas telonas.

Grande parte disso passa diretamente pela presença dos seres superpoderosos conhecidos como Celestiais. Nos quadrinhos, eles são uma espécie alienígena superpoderosa que está diretamente ligada a criação não apenas dos Eternos, mas também ao início da vida humana nesse universo. O passado deles é uma grande interrogação, apesar de saber que essa aura praticamente divina que envolve os personagens se dá por eles serem uma das primeiras raças da história. Além disso, eles  são peça-chave na evolução humana, já que fizeram experimentos genéticos na pré-histórica Terra, onde forjaram Eternos, Deviantes e o Humanos. No entanto, essa engenharia genética acabou expandindo a capacidade evolutiva de alguns humanos, o que resultou no surgimento do Gene X Mutante, que deu origem aos X-Men.

Como dá para perceber, os Celestiais são praticamente personagens bíblicos. Troque “Eternos” por “Anjos”, “Deviantes” por “Demônios” e você tem praticamente uma versão do livro cristão de Gênesis com engenharia genética.



Sabe-se também que os Celestiais retornam aos planetas nos quais eles desenvolveram vida para ver se as respectivas civilizações estão crescendo de acordo com o esperado. Dependendo da resposta, o futuro desse povo pode estar em risco. Sua principal característica física é ter mais de 600 metros de altura, também usam sempre uma armadura própria, o que aumenta o mistério acerca de como será a verdadeira aparência dos Celestiais.

Vale lembrar também que eles resistem ao tempo, mas podem ser mortos por criaturas muito poderosas, como Galactus, o Devorador de Mundos. Não é fácil, mas acontece. Tanto que, no início dos tempos, eles eram a espécie dominante do Universo Marvel, só que acabaram tendo seu povo drasticamente reduzidos durante a Guerra Celestial, sobrando apenas alguns, que seguiram influenciando e gerando vida de incontáveis seres pelo espaço sideral.

Aproveite para assistir:

No MCU, entretanto, os Celestiais não são exatamente uma novidade. Eles vêm aparecendo aos poucos desde a Fase Dois, quando foi introduzido nos filmes de James Gunn. Caso você não se lembre, vamos dar nome aos Celestiais nesta matéria.

 



Luganenhum

Aparecendo pela primeira vez nos cinemas em 2014, em Guardiões da Galáxia, Luganenhum é a cabeça decepada de um Celestial que foi assassinado por um deus. Com o passar dos anos, os mercadores e contrabandistas perceberam que ela havia parado em um ponto e se estabelecido quase como um satélite. Sabendo disso, o Grupo Tivan começou a explorar o local, fazendo um trabalho de mineração para extrair ossos, sangue, líquidos e órgãos celestiais, que valem muito no mercado de contrabando. Com o passar do tempo, o crânio do Celestial morto se tornou um dos principais pontos da contravenção galáctica, funcionando como um planeta sem leis, famoso por ser o lar do Colecionador (Benicio Del Toro).

Apesar de também existir nos quadrinhos, não se sabe exatamente de qual Celestial era essa cabeça. Mas pelo menos é revelado que ele foi morto por Knull, o Deus da Escuridão, um vilão que costuma aparecer nas histórias do Venom e do Thor.


Eson, o Pesquisador

Em Luganenhum, quando o Colecionador explicava aos Guardiões da Galáxia o que eram as Joias do Infinito, ele mostra que diversos seres usaram a Joia do Poder para a destruição através do tempo. Nesse momento, ele mostra Eson com a Joia acoplada ao cajado dizimando uma população inteirinha. E a melhor parte é que ele pode voltar a aparecer nos filmes.

Como diz seu título de “pesquisador”, Eson realiza buscas e pesquisas para os Celestiais e se notabiliza pela capacidade de absorção de energia, o que provavelmente pesou bastante na hora de James Gunn escolhê-lo para portar a Joia do Poder nesse easter egg do filme. Nos quadrinhos, seu feito mais famoso foi sugar toda a energia de Lemúria, uma ilha submersa da Terra que, tomada por Deviantes, ousou atacar os Celestiais. Enfurecido pela insubordinação, Eson absorveu e destruiu a ilha, matando Deviantes e Lemurianos.

 



Ego, o Planeta Vivo

Em Guardiões da Galáxia Vol.2 (2017), James Gunn revela que o verdadeiro pai do Senhor das Estrelas é Ego, o Planeta Vivo. Diferentemente das HQs, em que Ego é “apenas” um planeta vivo, a versão cinematográfica do personagem foi promovida a Celestial.

No filme, Ego conta ser tão antigo quanto o tempo e que aprendeu a manipular energia para criar seu próprio corpo e até mesmo criar vida pelo universo. Porém, após tantos anos, ele percebeu que precisaria de alguém que compartilhasse de seu DNA e poderes para que juntos, como pai e filho, eles dominassem a galáxia e expandissem o domínio genético de Ego para o máximo de planetas possíveis. Por isso, ele criou um corpo humanoide, interpretado por Kurt Russell, para que pudesse seduzir fêmeas por todos os cantos do universo em uma tentativa de que pelo menos um de seus filhos herdasse os genes de manipulação energética celestial.

 

Acaba que o Senhor das Estrelas é o único com essa habilidade. Porém, ele se recusa a ajudar o pai e conta com a ajuda dos Guardiões da Galáxia para matá-lo. Isso só é possível porque o Bebê Groot (Vin Diesel) é miudinho o suficiente para entrar no sistema nervoso de Ego e detonar uma bomba no cérebro do Celestial.



Arishem, o Juiz

Arishem é “apenas” o líder dos Celestiais. Ninguém sabe como ele se parece debaixo da imponente armadura vermelha, porém é a ele que todos os outros Celestiais respondem em suas Expedições. Seus poderes consistem na manipulação praticamente ilimitada de energia e na resistência extrema, que faz dele um ser quase imbatível. Sim, apesar de todo esse poder, Arishem, assim como os outros Celestiais, não são imortais.

Ele é chamado de “O Juiz” porque retorna periodicamente para os planetas aos quais trouxe vida para checar se o desenvolvimento daqueles povos está de acordo com o esperado. Caso não esteja, ele julga se eles precisarão ser purificados ou não. Com “purificados”, entenda-se “chacinados” por Exitar, o Exterminador.

Por estar na liderança, ele também lida com as engenharias genéticas que os Celestiais fazem na hora de criar e evoluir vidas por aí. Em meio a essa total falta de ética, é Arishem quem comanda sua espécie na guerra contra os Vigias, que discordam da forma Celestial de agir e afetar o fluxo do universo.

A versão dos quadrinhos de Arishem.

 

Jemiah, o Analisador

Apesar desse nome que vai dar muita dor de cabeça para a equipe de tradução e dublagem brasileira, Jemiah é um acadêmico dos Celestiais. Ele é especialista em engenharia genética e ficou responsável pela criação de vida e pelas mutações que as diferentes raças pelo universo sofreriam, incluindo os Eternos, os Deviantes e os Skrulls.

Jemiah, o Analisador estava na equipe que veio para a Expedição original à Terra, quando fez diversas experiências nos primeiros hominídeos do planeta, que viria a se tornar o ser humano. Baseado nesse DNA primário, ele “forjou” os Eternos, os Deviantes e os Mutantes. Ele já enfrentou Odin, Zeus e outros diversos deuses da história humana.

Em sua aparição no trailer, o Analisador está manipulando energia com as mãos, muito provavelmente enquanto cria ou submete a mutação alguma criatura do filme, demonstrando seu grande poder.

Uma de suas habilidades é a grande resistência a explosões nucleares.

Relacionados

Apesar de não serem Celestiais, a Marvel trouxe dois personagens que estão diretamente ligados a essa mitologia, incluindo um que potencialmente poderá causar bastante dor de cabeça para os Celestiais futuramente.

Peter Quill

Por mais que sua personalidade brincalhona faça com que muitos não levem o personagem muito a sério, a adaptação de Peter Quill, o Senhor das Estrelas (Chris Pratt), para a telonas foi praticamente um conto grego. Filho de uma divindade que não controla o próprio zíper com uma humana inocente, o filho do casal herda a personalidade humana e os poderes divinos. Em outras palavras, Peter não é um Celestial. No entanto, assim como Hércules na mitologia grega, ele é um “Semideus” que ostenta habilidades da raça de seu pai. Conforme visto ao final de Guardiões da Galáxia, quando o grupo se une para dividir a energia da Joia do Poder para vencer o inimigo, eles só conseguem fazer isso quando Peter centraliza a energia. A princípio, muitos tinham pensado que isso aconteceu pelo velho clichê do Poder da Amizade. Só que o próprio Ego explica, na sequência de 2017, que a absorção da energia só foi possível porque Peter chegou. Inclusive, se ele não tivesse se unido ao grupo, Rocket (Bradley Cooper), Gamora (Zoe Saldana) e Drax (Dave Bautista) teriam explodido.

Quando Ego ensina Peter a usar seus poderes ocultos, o Senhor das Estrelas começa a manipular a energia que compartilhava com o pai para criar coisas simples, como uma bola. Porém, ao ter seu Walkman destruído e descobrir que a traumática morte de sua mãe (Laura Haddock) foi causada por um câncer inserindo pelo próprio Ego, Peter se recusa a ajudar o pai no plano nefasto de dominação universal.

Assim, Ego conta ao filho que ele não passa de uma grande bateria viva para seu plano ególatra. Então, contra a vontade de Peter, o Celestial começa a absorver sua energia. Mais tarde, com seu sangue parte celestial, Peter vai na força do ódio para enfrentar seu próprio pai com sua manipulação de energia. Tudo bem que o Peter usa essa habilidade divina para atacar o pai com um Pac-Man gigante, mas foi uma ação celestial.

Quando Ego morre, ele diz que Peter Quill abriu mão de seus poderes e da suposta imortalidade que a energia celestial proveria para ele. Só que ainda resta um último filme dos Guardiões da Galáxia, no qual James Gunn pode voltar a explorar esse poder Celestial que talvez permaneça adormecido na genética “semicelestial” de Quill.

 

O Vigia

Introduzido em Guardiões da Galáxia Vol.2 (2017), os Vigias são uma raça tão antiga quanto os Celestiais e que já consideraram que sua missão no universo era auxiliar no desenvolvimento de raças “inferiores”. Só que acontece uma catástrofe e eles traçam um objetivo de não interferência para sua raça. Ou seja, eles observam tudo que acontece em todas as galáxias, mas sem interferirem no rumo que tais ações possam ocasionar, mesmo que isso signifique a morte de um vigia ou até mesmo o fim daquela realidade. Esses grandes contadores de histórias são poderosíssimos, mas muito raramente tomam efetivamente uma ação.

No filme, eles aparecem brevemente escutando as histórias de Stan Lee sobre o Universo Cinematográfico Marvel. Atualmente, Uatu (Jeffrey Wright), o Vigia mais famoso de todos, é o fio condutor de What If…?, série da Marvel no Disney+ que retrata diferentes realidades dos personagens do estúdio.

No entanto, como citado anteriormente, nos quadrinhos, os Vigias percebem que os Celestiais estão interferindo muito nos rumos do universo com suas manipulações e experimentos genéticos, o que contradiz a crença Vigia, dando início a uma guerra entre as duas raças. Seria interessante ver um pouco disso em tela, não?

Eternos estreia em 4 de novembro de 2021.

Comentários

Não deixe de assistir: