VESTIDA PARA DELIRAR

Eu, Anna é um drama psicológico com doses de suspense. Uma co-produção entre Reino Unido, França e Alemanha, a obra passada em Londres é baseada num livro de Elsa Lewin, e conta a história de Anna Welles, personagem da lendária atriz britânica Charlotte Rampling (Swimming Pool – À Beira da Piscina). Ela á uma mulher de terceira idade solitária, divorciada, e que tem somente a filha e a neta bebê em sua vida.

Sentimos o grande baque que foi a separação para a protagonista. Mas sua filha, Emmy, papel da bela Hayley Atwell (a Peggy Carter dos filmes do Capitão América da Marvel), insiste para que ela saia e conheça novas pessoas, e para que encontre a felicidade novamente. É justamente isso que a personagem faz assim que a conhecemos na primeira cena. Anna está num encontro promovido para solteiros de sua faixa etária, socialização forçada e muito utilizada em outros países como os Estados Unidos, por exemplo.

3


Entra em cena Bernie, o inspetor-chefe da polícia, interpretado pelo irlandês Gabriel Byrne (Os Suspeitos), ator veterano muito conhecido em Hollywood também. O sujeito, que está passando por uma fase pessoal difícil, que inclui o divórcio da esposa, coincidentemente se apaixona pela protagonista e a segue até um de seus encontros aonde iniciam uma relação promissora. O policial paralelamente está investigando um caso de assassinato.

Todas as pistas do crime apontam para o filho do falecido, um jovem de 16 anos de idade, envolvido com drogas e traficantes, que não possuía o melhor dos relacionamentos com o pai. Dirigido pelo britânico Barnaby Southcombe (diretor de séries de TV), a obra tem todo o sentimento de produções europeias, nas quais o que mais conta é o desenvolvimento dos personagens, e a sensação de sermos literalmente jogados na trama, como se realmente tivéssemos entrado naquele mundo e naquela história.

Aproveite para assistir:

2

Os cineastas europeus parecem dar grande valor a apresentar as locações e os cenários como um personagem. Eles se dedicam a dar vida às cidades onde as obras são passadas, como se por essas duas horas de projeção tivéssemos mudado para o local. Ao contrário de produções hollywoodianas, infelizmente incluindo algumas das mais caras, nas quais tudo é tão acelerado que mal conseguimos olhar ao redor detalhadamente.

E os cuidados tomados em Eu, Anna são muitos. Vão desde um trabalho minucioso e psicológico da criação dos personagens, destaque para Rampling; até a condução da trama de forma deliberada, já que esse também é um suspense que inclui algumas reviravoltas bem interessantes. Como muitas obras europeias, a produção joga o necessário para o público, sem mastigar explicações. A narrativa apresenta informações através de imagens e poucos diálogos, mas suficientes para que liguemos os pontos por nós mesmos.

4

O estudo de personagem é riquíssimo e digno de horas de discussão. O único lado negativo dessa interessantíssima produção é justamente o fato de depender de uma reviravolta para a conclusão de sua trama. E qualquer clímax que dependa de uma reviravolta se torna automaticamente anticlimático para a maior parte do público, já que nenhuma explicação jamais corresponde nossas expectativas.

Comentários

Não deixe de assistir:

SE INSCREVA NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE