Que os anos 80 foram a década mais politicamente incorreta todo mundo sabe. A verdade é que o mundo era outro – com uma época então dona de outros conceitos e valores, hoje tidos como ultrapassados e que não cabem mais para a sociedade moderna (apesar da insistência ainda de muitos). A frase muito usada no início dessa revolução cultural do politicamente CORRETO era “que o mundo estava ficando muito chato”. É preciso saber separar o joio do trigo, e identificar o que é exagero e o que de fato é legítimo. Uma tarefa cada vez mais difícil. É só pensarmos que precisamos evoluir e ser pessoas melhores. E isso inclui não ofender o próximo, seja por qualquer motivo, em especial sobre sua aparência. Racismo e homofobia se tornaram devidamente crimes sujeitos à pena, assim como comportamentos machistas são intoleráveis e injustificáveis.

Mas isso é agora, e nada se aplicava aos sem noção anos 80. Bem, para ser justo, a década guarda muita coisa – a maioria na verdade – que não ficou datada e ainda se encaixa hoje. Mas é preciso levar em conta que aquela era a época extrema do macho alfa, seja em filmes de ação em que o ídolo era quem batia e destruía mais, ou em comédias em que o protagonista adorado tinha como missão levar o maior número de mulheres para a cama. Só para citar alguns exemplos. Sendo assim, algumas produções perdiam a mão em suas tramas, mesmo que a intenção final fosse boa, e o núcleo de tais filmes fossem mensagens de superação e transformação. O problema é o caminho torto que esses longas percorriam para chegar lá. Aqui, porém, nada de cancelamento histórico – somos a favor de aprender com o passado e estuda-lo, e não apaga-lo, a fim de não repetir seus erros.

Nessa nova matéria, resolvi separar cinco filmes considerados sem noção aos olhos de hoje, que jamais seriam produzidos nos dias atuais, e que envelheceram mal pelos mais variados motivos. Mas a lista dos filmes sem noção não englobam apenas produções consideradas racistas, machistas e homofobicas, aqui também temos filmes cara de pau e outros “What the Fuck” que separamos para você. Confira abaixo e venha reviver essa época tosca em toda a sua glória.

A Cara do Pai (Carbon Copy, 1981)



Começamos com um filme estrelado por ninguém menos do que o astro Denzel Washington – hoje considerado um dos maiores nomes de Hollywood e do cinema mundial. Um dos melhores atores em atividade, Washington começou sua carreira com essa comédia que marcou sua estreia nas telonas há exatos 41 anos. Veja esta premissa e me diga o que acha: o veterano George Segal interpreta um homem branco de meia idade que tem tudo no lugar em sua vida, o que inclui um bom emprego (onde seu sogro é o dono da empresa), um bom casamento, uma bela casa e um carrão. Tudo muda na vida do sujeito quando ele descobre que tem um filho negro (Denzel), que aparece de supetão em sua porta, fazendo tudo ao seu redor se desestruturar. A intenção até pode ter sido a crítica ao racismo da época, mas muito do humor se baseia em estereótipos raciais da dita grande diferença entre comportamentos e costumes de negros e brancos. Hoje fica aquele gosto amargo na boca.

Aproveite para assistir:



O Brinquedo (The Toy, 1982)

Por falar em astros negros de Hollywood, um dos maiores nomes, ainda enaltecido até hoje, foi o do comediante Richard Pryor. Humorista de grande sucesso dos palcos, e um dos precursores do stand-up comedy como o temos hoje, Pryor também se mostrou um fenômeno no cinema, participando de produções famosas ao lado de Gene Wilder (sua dupla mais marcante nas telonas) e até mesmo roubando a cena do super-herói Homem de Aço, em Superman III (1983). Um ano antes, Pryor (que faleceu em 2005, aos 65 anos) estrelava este veículo chamado O Brinquedo – comédia que está completando 40 anos em 2022. O filme é na verdade o remake de uma produção francesa de mesmo nome (Le Jouet no original), de 1976.

Não é uma prática incomum Hollywood refilmar produções de outros países, ainda mais se tiverem feito sucesso, como foi o caso desta. Na trama, um milionário, a fim de comprar o afeto de seu pequeno filho, com quem não consegue se conectar, decide que o menino pode ter qualquer brinquedo que desejar. O garoto escolhe um sujeito azarado que estava na loja no momento. E o protagonista topa o joguete por se encontrar em grande dificuldade financeira. Comprar um ser humano para divertir seu filho já vem carregado de grande conotação incorreta em seu discurso, porém, a coisa ainda fica pior na versão americana. Acontece que no original francês o protagonista Pierre Richard é branco; enquanto em Hollywood, Pryor é um homem negro comprado por uma família de brancos. Pense em Corra! (2017) tratado como comédia leve e infantil.


Uma Escola Muito Louca (Soul Man, 1986)

Agora chegamos no que é provavelmente o filme mais racista e de mau gosto dos anos 80 – criado de forma involuntária. Essa era para ser uma comédia tipicamente adolescente da época, onde tramas farsescas em que um jovem se disfarça como algo que não é dominavam e faziam sucesso – sem pensar nas implicações de tais atos. Como dito, era uma época diferente, onde não se tinha esta mentalidade. Assim, homens se disfarçavam de mulher, e belas moças se vestiam de rapazes sem que ninguém desconfiasse – hoje, isso teria ainda outras implicações de gênero. Mas aqui, os realizadores foram ainda mais longe, se apoderando de um artifício extremamente condenável (e não é de agora): o chamado black face. O termo é usado para definir pessoas brancas se pintando de negras em filmes ou até como fantasia – um ato considerado extremamente racista.

Para termos noção, o ato gerou enorme controvérsia até mesmo quando a atriz negra Zoe Saldana usou o artifício e pintou sua pele a escurecendo a fim de gerar mais similaridade com a cantora Nina Simone, na biografia Nina (2016) – prontamente boicotada e varrida para debaixo do tapete. Voltando, a história sem noção de Uma Escola Muito Louca traz o protagonista C. Thomas Howell, como um estudante branco que, sem conseguir vaga na universidade de seus sonhos, decide aplicar para a cota de alunos negros. O problema é que, como dito, ele é branco. A solução do “jênio”? Escurecer sua pele com medicamentos e se passar por negro, é claro! Aqui também temos todo o “humor” do filme baseado em cima de estereótipos raciais preconceituosos.

Dona de Casa por Acaso (Mr. Mom, 1983)

Hoje, é praticamente impensável fazer um filme de comédia que se baseie inteiramente na inaptidão de um homem realizando tarefas domésticas – tidas antigamente como “serviço de mulher”. Sabe aquela máxima já há muito abatida de que “lugar de mulher é na cozinha e cuidando de casa”, ou da chacota “bela, recatada e do lar”. Pois bem, imagine um filme sobre isso. No entanto, até o ano de 1983 (pelo menos), o grande público achava engraçadíssimo ver um homem cuidando de casa e dos filhos pequenos enquanto a mulher sai para trabalhar. Não é hilária essa inversão de valores? Bem, na época até poderia ser – mas hoje simplesmente não faz sentido e ficamos apenas sem entender, olhando para a tela. Mesmo na época, a mulher já tinha buscado e conquistado muito de seu espaço no mundo profissional e havia deixado o lar se empoderando. Pior é pensar que estrelando essa “patifaria” temos ninguém menos do que o revitalizado Michael Keaton – que após um passado em comédias como essa nos anos 80, viveu o herói Batman duas vezes nas telonas, e ressurgiu com uma indicação ao Oscar por Birdman – e projetos de qualidade elogiadíssimos, vide Spotlight e Fome de Poder. O mais curioso é que o filme foi escrito por John Hughes e ressurgiu como cult.


Quase Igual aos Outros (Just One of the Guys, 1985)

Por falar em comédias que podem ser consideradas machistas nos dias de hoje, chega agora à lista uma que fez muito sucesso nas exibições da Sessão da Tarde – e que tenho certeza que muita gente lembra e adora. Bem, a proposta do filme até pode ser desmascarar e combater o machismo, ainda muito em vigor na sociedade – ainda mais naquela época -, mas como dito no início do texto, alguns filmes escolhem caminhos, digamos, muito sem noção para faze-lo. O que chama atenção em filmes assim é que geralmente extrapolam os limites da farsa a qual se propõem, pedindo ao público que deem um grande salto de fé para comprar a ideia. Veja só esta premissa. Terry (papel de Joyce Hyser) é uma jovem ambiciosa, sonhando com a carreira no jornalismo. Porém, em seu colégio, todas as vagas vão para os homens, e seus professores a aconselham que seja modelo, devido à sua aparência física.

Ligado o sinal de alerta de “What the Fuck” número 1 aqui. Mas continuamos. Assim, ela bola um plano “brilhante”. Decide se matricular em outro colégio, mas desta vez vestida de menino, com uma nova identidade, a fim de provar que é boa independente do sexo. Como dito, assim como muitos itens da lista, o coração do filme está até no lugar certo, o grande problema está na forma como tudo é tratado. Junte a isso muitas piadas homofóbicas, já que Terry (um nome unissex), obviamente, se apaixona pelos rapazes da nova escola. Não tem como escapar da sensação de que isso tudo é muito errado. No elenco, William Zabka, o Johnny de Cobra Kai, recém-saído do primeiro Karatê Kid, vivendo outro valentão de colégio. O filme pode até ter sido dirigido por uma mulher, mas o roteiro foi escrito por dois homens e sua visão de mundo da época.

Não deixe de assistir: