E a espera acabou: o melhor filme do ano (e possivelmente um dos melhores filmes das últimas décadas) chegou aos cinemas nacionais.

Levou bastante tempo, mas Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo, estrelado por ninguém menos que a icônica Michelle Yeoh, finalmente foi lançado nas telonas brasileiras e deve encantar qualquer um que ouse se envolver com essa bizarra, explosiva e tocante história de superação.

A trama acompanha Evelyn Wang (Yeoh), uma mulher de meia-idade que emigrou da China, deixando os seus pais para trás para seguir o sonho americano com o marido, Waymond. Os dois abriram uma lavandaria, por cima da qual vivem com a filha, Joy, a primeira geração da família a crescer nos EUA. Em um dia atribulado, ela é arrastada para uma aventura insana, onde precisa salvar o mundo ao explorar outros universos conectados com a vida que ela poderia ter vivido.

Crítica | Michelle Yeoh entrega a melhor performance da carreira com o impecável ‘Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo’


Contando ainda com nomes como Stephanie HsuKe Huy QuanJenny SlateHarry Shum Jr.Jamie Lee Curtis, a produção foi extremamente bem avaliada pela crítica e deve faturar algumas estatuetas na próxima temporada de premiações.

Aproveite para assistir:



Para celebrar seu lançamento em circuito nacional, o CinePOP preparou uma breve matéria especial trazendo curiosidades de bastidores.

Confira abaixo:



  • Todos os efeitos visuais do filme foram feitos por nove pessoas, incluindo os dois diretores Dan KwanDaniel Scheinert. Nenhum membro da equipe por traz dos VFX fez qualquer curso, e sim amigos que ensinaram a si mesmos com tutorias que encontraram online.
  • Este foi o primeiro grande papel de Ke Huy Quan em nada menos que duas décadas.
  • Para manter os detalhes da trama sob segredo antes do trailer ser divulgado, a sinopse oficial do site IMDb diz: “uma mulher tentar fazer o próprio imposto de renda”.

  • Originalmente, Dan e Daniel escreveram o roteiro com Jackie Chan em mente para o papel principal. Entretanto, a dupla reconsiderou e colocou uma mulher como protagonista, acreditando que o relacionamento entre marido e esposa seria mais convincente. Yeoh eventualmente foi escalada para o papel.
  • No começo do longa, a personagem de Jenny Slate deve mostrar o ticket para pegar a roupa na lavanderia. O número em questão é o 42, famoso por ser a resposta das questões sobre a vida, o universo e tudo o mais nos clássicos romances ‘Guia do Mochileiro das Galáxias’.

  • A linguagem é bastante importante para a história. Por exemplo, Evelyn fala com o pai em cantonês, mas fala em mandarim com o marido, mostrando que há diferenças culturais em suas educações. O relacionamento entre mãe e filha também é moldado em torno da linguagem: Evelyn fala com Joy em mandarim e inglês, enquanto Joy a responde em inglês e um chinês meia-boca. Nenhuma das duas encontra as palavras para expressarem as ideias claramente, mantendo-as divididas.
  • Na cena em que Evelyn é perseguida por Deirdre (Curtis), ela se move de um cubículo para outro enquanto agachada e ao telefone. A sequência é quase idêntica à vista em ‘Matrix’, em que Neo se esconde dos agentes no escritório.

  • Na realidade em que Evelyn é uma estrela de cinema, gravações reais de Yeoh no tapete vermelho foram utilizadas, incluindo as da première da comédia romântica ‘Podres de Ricos’.
  • À medida que a aceitação de Evelyn acerca do multiverso cresce, a proporção de tela entre os dois mundos muda notavelmente.
  • A cena dos “créditos falsos” que é exibida em um cinema cheio de pessoas assistindo a um filme faz referência ao clássico ‘Paprika’, de Satoshi Kon.
Não deixe de assistir: