Crítica | The Cured – Filme de zumbis com Ellen Page dá mais sono que Rivotril

Crítica | The Cured – Filme de zumbis com Ellen Page dá mais sono que Rivotril

COMPARTILHE!

Direto do TIFF, Festival de Toronto

A Terceira Onda

Estreando mundialmente no TIFF, Festival de Toronto 2017, The Cured é um filme de zumbis único, cuja premissa criativa é diferente de tudo que já foi apresentado dentro do subgênero. Escrito e dirigido por David Freyne, esta produção irlandesa é uma espécie de sequência para um dos curtas do cineasta, intitulado The First Wave. Justamente por isso, o longa, o primeiro da carreira do diretor, previamente levava o nome The Third Wave, termo utilizado na trama, que faz alusão ao famoso experimento social sobre democracia e fascismo, conhecido por aqui como A Terceira Onda.

Na história, uma epidemia zumbi tomou conta do mundo. Bem, ao menos de uma parte dele. Ao contrário dos demais filmes que apresentam tal realidade apocalíptica, aqui os humanos sobreviventes foram capazes de encontrar uma cura para o vírus fatal, um pouco como o apresentado no desfecho de Guerra Mundial Z (2013).  A história inclusive começa a ser narrada depois que a contaminação foi controlada e os ex-zumbis voltaram a ser humanos.

Participe do nosso GRUPO ESPECIAL do Facebook » https://goo.gl/kg8NYU

     

Embora tenha tais tintas do conceito de terror, The Cured (novo nome que o longa recebeu, sabe-se lá o motivo) é na realidade um drama que fala sobre a reintegração dos ex-zumbis, que assim como ex-presidiários, passam por dificuldades para serem assimilados novamente na sociedade. É como se encontra o protagonista vivido pelo ator Sam Keeley (No Coração do Mar), contaminado pelo vírus e depois curado, que busca abrigo na casa da cunhada, ex-mulher de seu falecido irmão, interpretada pelo único rosto conhecido do elenco, a jovem indicada ao Oscar, Ellen Page (Juno).

Muitos paralelos sociais são traçados, e a premissa sem dúvidas é interessante. O grande problema aqui é que pescamos rápido tudo que o roteiro pretende com suas analogias, algumas inclusive políticas, como o grupo de revolucionários formado na surdina para combater o governo autoritário (alusão ao IRA), cujo controle sobre os ex-contaminados é mais do que abusivo, e depois a narrativa não sai do lugar. O sofrimento dos curados (título original) é grande, já que além de todos que conhecem terem lhes virado as costas, como se fossem culpados pelos atos terríveis que cometeram, ainda conseguem lembrar das atrocidades que promoveram enquanto cambaleavam como mortos-vivos.

Justamente de tais trechos, dos fragmentos de memórias do protagonista, é que surgem os jumpscares e a maioria das cenas que almejam assustar – sem sucesso. Este é o tipo de filme que se apoia demais em sustos fáceis. Fora isso, o desenvolvimento do drama parece não caminhar e os personagens não são interessantes. No terceiro ato, o cineasta tenta injetar adrenalina, dando um pouco de vida a este filme morto-vivo, mas aí já é tarde demais. Assim como seus ex-zumbis, The Cured promete sofrer com o desprezo do público.


Cenas Pós-Créditos de Liga da Justiça


» Siga o CinePOP no Facebook e no Twitter para saber todas as notícias sobre cinema! «

[AVISO] Os comentários passam por uma aprovação e podem demorar até 24 horas para serem disponibilizados no site. Comentários com conteúdo ofensivo serão deletados, e o usuário pode ser banido. Respeita a opinião alheia e comporte-se.